ISSN 1725-2601

doi:10.3000/17252601.L_2010.297.por

Jornal Oficial

da União Europeia

L 297

European flag  

Edição em língua portuguesa

Legislação

53.o ano
13 de Novembro de 2010


Índice

 

II   Actos não legislativos

Página

 

 

ACTOS ADOPTADOS POR INSTÂNCIAS CRIADAS POR ACORDOS INTERNACIONAIS

 

*

Regulamento n.o 37 da Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa (UNECE) — Prescrições uniformes relativas à homologação de lâmpadas de incandescência a utilizar em luzes homologadas de veículos a motor e dos seus reboques

1

 

*

Alterações ao Regulamento n.o 13 da Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa (UNECE) – Prescrições uniformes relativas à homologação de veículos das categorias M, N e O no que respeita à travagem

183

PT

Os actos cujos títulos são impressos em tipo fino são actos de gestão corrente adoptados no âmbito da política agrícola e que têm, em geral, um período de validade limitado.

Os actos cujos títulos são impressos em tipo negro e precedidos de um asterisco são todos os restantes.


II Actos não legislativos

ACTOS ADOPTADOS POR INSTÂNCIAS CRIADAS POR ACORDOS INTERNACIONAIS

13.11.2010   

PT

Jornal Oficial da União Europeia

L 297/1


Só os textos originais UNECE fazem fé ao abrigo do direito internacional público. O estatuto e a data de entrada em vigor do presente regulamento devem ser verificados na versão mais recente do documento UNECE comprovativo do seu estatuto, TRANS/WP.29/343, disponível no seguinte endereço:

http://www.unece.org/trans/main/wp29/wp29wgs/wp29gen/wp29fdocstts.html

Regulamento n.o 37 da Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa (UNECE) — Prescrições uniformes relativas à homologação de lâmpadas de incandescência a utilizar em luzes homologadas de veículos a motor e dos seus reboques

Integra todo o texto válido até:

Suplemento 34 à série 03 de alterações — Data de entrada em vigor: 19 de Agosto de 2010

ÍNDICE

REGULAMENTO

1.

Âmbito de aplicação

2.

Disposições administrativas

2.1.

Definições

2.2.

Pedido de homologação

2.3.

Inscrições

2.4.

Homologação

3.

Requisitos técnicos

3.1.

Definições

3.2.

Disposições gerais

3.3.

Fabrico

3.4.

Ensaios

3.5.

Posição e dimensões dos filamentos

3.6.

Cor

3.7.

Radiação UV

3.8.

Observação referente à cor amarela selectiva

3.9.

Controlo da qualidade óptica

3.10.

Lâmpada de incandescência normalizada

4.

Conformidade da produção

5.

Sanções pela não conformidade da produção

6.

Cessação definitiva da produção

7.

Designações e endereços dos serviços técnicos responsáveis pela realização dos ensaios de homologação e dos respectivos serviços administrativos

8.

Disposições transitórias

ANEXOS

Anexo 1 —

Folhas relativas às lâmpadas de incandescência

Anexo 2 —

Comunicação relativa à concessão, extensão, recusa ou revogação de uma homologação ou à cessação definitiva da produção de um tipo de lâmpada de incandescência nos termos do Regulamento n.o 37

Anexo 3 —

Exemplo de disposição da marca de homologação

Anexo 4 —

Centro luminoso e formas das lâmpadas de incandescência

Anexo 5 —

Controlo da cor das lâmpadas de incandescência

Anexo 6 —

Prescrições mínimas para os procedimentos de controlo da qualidade pelo fabricante

Anexo 7 —

Amostragem e níveis de conformidade dos registos de ensaio dos fabricantes

Anexo 8 —

Requisitos mínimos para as verificações por amostragem efectuadas pela entidade administrativa

Anexo 9 —

Verificação da conformidade por amostragem

Anexo 10 —

Tradução dos termos utilizados nos desenhos do anexo 1

1.   ÂMBITO DE APLICAÇÃO

O presente regulamento é aplicável às lâmpadas de incandescência referidas no anexo 1 a utilizar em luzes homologadas de veículos a motor e seus reboques.

2.   DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS

2.1.   Definições

2.1.1.   Definição de «categoria»

O termo «categoria» é utilizado no presente regulamento para descrever os diferentes projectos de base das lâmpadas de incandescência normalizadas. Cada categoria tem uma designação específica, como por exemplo: «H4», «P21W», «T4W», «PY21W» ou «RR10W».

2.1.2.   Definição de «tipo»

As lâmpadas de incandescência de «tipos» diferentes ( (1)) são lâmpadas de incandescência da mesma categoria que diferem em aspectos essenciais como:

2.1.2.1.

Marca de fabrico ou comercial (considera-se que as lâmpadas de incandescência que apresentam a mesma marca de fabrico ou comercial, mas que sejam produzidas por diferentes fabricantes pertencem a tipos diferentes; considera-se que as lâmpadas de incandescência produzidas pelo mesmo fabricante e que difiram apenas na marca de fabrico ou comercial pertencem ao mesmo tipo).

2.1.2.2.

Modelo da ampola e/ou do casquilho, na medida em que estas diferenças afectem os resultados ópticos;

2.1.2.3.

Tensão nominal;

2.1.2.4.

Halogéneo.

2.2.   Pedido de homologação

2.2.1.

O pedido de homologação deve ser apresentado pelo titular da marca comercial ou de fabrico, ou pelo seu representante devidamente acreditado.

2.2.2.

Cada pedido de homologação deve ser acompanhado (ver igualmente n.o 2.4.2) de:

2.2.2.1.

Desenhos em triplicado, suficientemente pormenorizados para permitir identificarem o tipo em causa;

2.2.2.2.

Uma descrição técnica sucinta;

2.2.2.3.

Cinco amostras de cada cor, a que se refere o pedido de homologação.

2.2.3.

Tratando-se de lâmpadas de incandescência de um tipo que difira do tipo já homologado apenas relativamente à marca de fabrico ou comercial, é suficiente apresentar:

2.2.3.1.

Uma declaração do fabricante confirmando que o tipo apresentado para homologação é idêntico (excepto no que se refere à marca de fabrico ou comercial) ao tipo já homologado, identificado pelo seu código de homologação, e foi produzido pelo mesmo fabricante;

2.2.3.2.

Duas amostras com a nova marca de fabrico ou comercial.

2.2.4.

A entidade competente deve verificar a existência de disposições satisfatórias para garantir o controlo efectivo da conformidade da produção antes de conceder a homologação.

2.3.   Inscrições

2.3.1.

As lâmpadas de incandescência apresentadas para homologação devem ostentar no casquilho ou na ampola (2):

2.3.1.1.

A marca de fabrico ou comercial do requerente;

2.3.1.2.

A tensão nominal. Contudo, no caso de lâmpadas de incandescência das quais apenas um tipo de 12 V seja normalizado e cujo diâmetro máximo autorizado da ampola não seja superior a 7,5 mm, não é necessário marcar a tensão nominal;

2.3.1.3.

A designação internacional da categoria pertinente. Não é necessário marcar o carácter «W», para a potência, desta designação quando o diâmetro máximo autorizado da ampola do tipo de lâmpada de incandescência não exceder 7,5 mm;

2.3.1.4.

A potência nominal (pela ordem seguinte: alta potência/baixa potência, para as lâmpadas de dois filamentos); tal não necessita de ser indicado separadamente se fizer parte da designação internacional da categoria de lâmpada de incandescência em questão;

2.3.1.5.

Um espaço de dimensões suficientes para incluir a marca de homologação.

2.3.2.

O espaço referido no n.o 2.3.1.5 anterior deve ser indicado nos desenhos que acompanham o pedido de homologação.

2.3.3.

As lâmpadas de incandescência de halogéneo que cumpram os requisitos do n.o 3.7 são marcadas com um «U».

2.3.4.

Poderão figurar outras inscrições além das previstas nos pontos 2.3.1 e 2.4.3, desde que não prejudiquem as características luminosas.

2.4.   Homologação

2.4.1.

A homologação é concedida se todas as amostras de um tipo de lâmpada de incandescência apresentadas em conformidade com os n.os 2.2.2.3 ou 2.2.3.2 cumprirem os requisitos do presente regulamento.

2.4.2.

A cada tipo homologado é atribuído um código de homologação. O primeiro carácter [actualmente 2, correspondendo à séries 02 de alterações, que entrou em vigor em 27 de Outubro de 1983, e à série 03 de alterações (que não exige a alteração do número de homologação), que entrou em vigor em 1 de Junho de 1984] indica a série de alterações que inclui as principais e mais recentes alterações técnicas introduzidas no regulamento à data da emissão da homologação. Segue-se um código de identificação, incluindo até dois caracteres. Apenas podem ser usados algarismos árabes e letras maiúsculas constantes da nota de rodapé 3 ( (3)). Uma mesma parte contratante não pode atribuir o mesmo código a outro tipo de lâmpada de incandescência. A homologação, a extensão, a recusa ou a revogação da homologação ou a cessação definitiva da produção de um tipo de lâmpada de incandescência nos termos do presente regulamento deve ser notificada às partes contratantes do Acordo que apliquem o presente regulamento por meio de um formulário conforme ao modelo do anexo 2 do presente regulamento e de um desenho, fornecido pelo requerente da homologação, num formato que não exceda o A4 (210 x 297 mm) e numa escala de, pelo menos, 2:1. Se o requerente assim o entender, o mesmo código de homologação pode ser atribuído à lâmpada de incandescência que emite luz branca e à lâmpada de incandescência que emite luz amarela selectiva (ver n.o 2.1.2.3).

2.4.3.

Todas as lâmpadas de incandescência conformes a um tipo homologado nos termos do presente regulamento devem apresentar, nos espaços referidos no n.o 2.3.1.5, e além das inscrições prescritas no n.o 2.3.1, uma marca de homologação internacional composta por:

2.4.3.1.

Um círculo truncado envolvendo a letra «E», seguida do número distintivo do país que concedeu a homologação ( (4));

2.4.3.2.

O código de homologação, colocado junto do círculo truncado.

2.4.4.

Se o requerente obtiver o mesmo código de homologação para diversas marcas de fabrico ou comerciais, uma ou mais bastam para cumprir os requisitos do n.o 2.3.1.1.

2.4.5.

As marcas e as inscrições referidas nos n.os 2.3.1 e 2.4.3 devem ser claramente legíveis e indeléveis.

2.4.6.

O anexo 3 do presente regulamento inclui um exemplo de disposição da marca de homologação.

3.   REQUISITOS TÉCNICOS

3.1.   Definições

3.1.1.   Tensão nominal: tensão (em volts) marcada na lâmpada de incandescência.

3.1.2.   Potência nominal: potência (em watts) marcada na lâmpada de incandescência, que pode ser incorporada na designação internacional da categoria relevante.

3.1.3.   Tensão de ensaio: tensão indicada nos terminais da lâmpada de incandescência, aos quais as características eléctricas e fotométricas da lâmpada de incandescência se destinam e em que devem ser ensaiados.

3.1.4.   Valores normais: valores a atingir, dentro das tolerâncias especificadas, quando a lâmpada de incandescência é alimentada à sua tensão de ensaio.

3.1.5.   Lâmpada de incandescência normalizada (de referência): uma lâmpada de incandescência que emite luz branca, âmbar ou vermelha com tolerâncias dimensionais reduzidas, usada para o ensaio fotométrico de dispositivos de iluminação e de sinalização luminosa. Para cada categoria de lâmpada de incandescência normalizada, é especificada uma única tensão nominal.

3.1.6.   Fluxo luminoso de referência: fluxo luminoso especificado de uma lâmpada de incandescência normalizada que serve de referência para as características ópticas de um dispositivo de iluminação.

3.1.7.   Fluxo luminoso de medição: valor especificado do fluxo luminoso para ensaiar uma lâmpada de incandescência num farol normalizado, tal como especificado no n.o 3.9.

3.1.8.   Eixo de referência: um eixo definido por referência ao casquilho e que serve de referência para certas dimensões da lâmpada de incandescência.

3.1.9.   Plano de referência: um plano definido por referência ao casquilho e que serve de referência para certas dimensões da lâmpada de incandescência.

3.2.   Disposições gerais

3.2.1.

Cada amostra apresentada deve estar em conformidade com as especificações relevantes do presente regulamento.

3.2.2.

As lâmpadas de incandescência devem ser concebidas de modo a funcionarem correctamente e a manterem esse bom funcionamento em utilização normal. Além disso, não devem apresentar nenhum defeito de concepção ou de fabrico.

3.3.   Fabrico

3.3.1.

As ampolas das lâmpadas de incandescência não devem apresentar riscos ou manchas susceptíveis de prejudicar a sua eficácia e o seu desempenho óptico.

3.3.2.

As lâmpadas de incandescência devem estar equipadas com casquilhos normalizados em conformidade com as fichas técnicas para casquilhos da publicação 60061 da CEI, 3.a edição, tal como se especifica nas diferentes folhas de características do anexo 1.

3.3.3.

O casquilho deve ser robusto e estar solidamente fixado à ampola.

3.3.4.

A verificação da conformidade com as prescrições dos n.os 3.3.1 a 3.3.3 anteriores, efectua-se por inspecção visual, por controlo das dimensões e, se necessário, por meio de uma montagem de ensaio.

3.4.   Ensaios

3.4.1.

As lâmpadas de incandescência devem, em primeiro lugar, ser submetidas a processo de envelhecimento à sua tensão de ensaio durante, aproximadamente, uma hora. Nas lâmpadas de dois filamentos, cada filamento deve ser submetido a envelhecimento separadamente.

3.4.2.

No caso de uma lâmpada de incandescência com uma ampola revestida, após o período de uso previsto no n.o 3.4.1, a superfície da ampola deve ser esfregada ligeiramente com um pano de algodão embebido numa mistura de 70 % de n-heptano e 30 % de tolueno. Decorridos aproximadamente cinco minutos, a superfície é examinada visualmente. Não deve apresentar alterações visíveis.

3.4.3.

A posição e as dimensões do filamento são medidas com as lâmpadas de incandescência alimentadas com a corrente a uma tensão entre 90 e 100 % da tensão de ensaio.

3.4.4.

Salvo indicação em contrário, as medições eléctricas e fotométricas devem ser efectuadas à tensão de ensaio.

3.4.5.

As medições eléctricas são efectuadas com instrumentos que pertençam pelo menos à classe 0.2.

3.4.6.

O fluxo luminoso (em lúmenes) especificado nas folhas de características das lâmpadas de incandescência do anexo 1 é válido para as lâmpadas de incandescência que emitem luz branca, a menos que aí seja indicada uma cor especial.

Quando a cor amarela selectiva é autorizada, o fluxo luminoso da lâmpada de incandescência com a ampola exterior amarela selectiva deve ser de pelo menos 85 % do fluxo luminoso especificado da lâmpada de incandescência relevante que emite luz branca.

3.5.   Posição e dimensões dos filamentos

3.5.1.

As formas geométricas do filamento devem, em princípio, corresponder às especificações das folhas de características das lâmpadas de incandescência do anexo 1.

3.5.2.

Para filamentos rectilíneos, a posição e a forma correctas são verificadas tal como especificado nas folhas de características relevantes.

3.5.3.

Se o filamento for mostrado na folha de características da lâmpada de incandescência em pelo menos uma vista como um ponto, a posição do centro luminoso é determinada em conformidade com o anexo 4.

3.5.4.

O comprimento de um filamento rectilíneo é determinado pelas suas extremidades, definidas — salvo indicação em contrário na folha de características relevante — como os vértices da primeira e da última espiras do filamento vistos em projecção perpendicular ao eixo de referência da lâmpada de incandescência. Esse vértice deve obedecer ao requisito de o ângulo formado pelos lados não exceder 90o. No caso dos filamentos de dupla espiral, os vértices das espiras secundárias são tidos em conta.

3.5.4.1.

Para filamentos axiais, a posição extrema dos vértices considerados é determinada rodando a lâmpada de incandescência em torno do seu eixo de referência. O comprimento é então medido numa direcção paralela ao eixo de referência.

3.5.4.2.

Para filamentos transversais, o eixo do filamento deve ser colocado perpendicularmente à direcção da projecção. O comprimento é medido numa direcção perpendicular ao eixo de referência.

3.6.   Cor

3.6.1.

A cor da luz emitida pela lâmpada de incandescência é branca, salvo indicação em contrário na folha de características relevante.

3.6.2.

As definições constantes do Regulamento n.o 48 e das respectivas séries de alterações em vigor à data de apresentação do pedido de homologação são aplicáveis ao presente regulamento.

3.6.3.

A cor da luz emitida é medida pelo método especificado no anexo 5. Cada valor medido deve encontrar-se na zona de tolerância exigida ( (5)). Além disso, no caso de lâmpadas de incandescência que emitem luz branca, os valores medidos não devem desviar-se mais de 0,020 unidades na direcção de x e/ou y de um ponto escolhido no lugar de Planck (publicação da CEI 15.2 Colorimetria, 1986). As lâmpadas de incandescência para utilização em dispositivos de sinalização luminosa devem cumprir os requisitos previstos no n.o 2.4.2 da Publicação n.o 60809, da CEI, Alteração 5 à 2.a edição.

3.7.   Radiação UV

A radiação UV de uma lâmpada de halogéneo deve ser tal que:

Formula

Formula

Em que:

Ee(λ)

(W/nm)

é a distribuição espectral do raio de luz;

V (λ)

(1)

é a eficácia do espectro luminoso;

km = 683

(lm/W)

é o equivalente fotométrico da radiação;

λ

(nm)

é o comprimento de onda.

Este valor é calculado utilizando intervalos de cinco nanómetros.

3.8.   Observação referente à cor amarela selectiva

A homologação de um tipo de lâmpada de incandescência ao abrigo do presente regulamento pode ser concedida, nos termos do n.o 3.6, para uma lâmpada de incandescência que emita luz branca e luz amarela selectiva; o artigo 3.o do Acordo ao qual o presente regulamento está anexado não impede as partes contratantes de proibirem, nos veículos por elas matriculados, lâmpadas de incandescência que emitam luz branca ou luz amarela selectiva.

3.9.   Controlo da qualidade óptica

(Aplicável apenas a lâmpadas de incandescência das categorias R2, H4 e HS1).

3.9.1.

Este controlo da qualidade óptica é realizado a uma tensão tal que permita que o fluxo luminoso de medição seja obtido; as especificações do n.o 3.4.6 devem ser observadas em conformidade.

3.9.2.

Para as lâmpadas de incandescência de 12 V que emitem luz branca:

A amostra que se aproximar mais dos requisitos estabelecidos para a lâmpada de incandescência normalizada é ensaiada num farol normalizado tal como especificado no n.o 3.9.5 e deve verificar-se se o conjunto constituído pelo farol e pela lâmpada de incandescência a ensaiar cumpre os requisitos de distribuição de luz estabelecidos para o feixe de cruzamento no regulamento aplicável.

3.9.3.

Para as lâmpadas de incandescência de 6 V e 24 V que emitem luz branca:

A amostra que se aproximar mais dos valores da dimensão nominal é ensaiada num farol normalizado, tal como especificado no n.o 3.9.5 e deve verificar-se se o conjunto constituído pelo farol e pela lâmpada de incandescência a ensaiar cumpre os requisitos de distribuição de luz estabelecidos para o feixe de cruzamento no regulamento aplicável. São aceitáveis desvios que não excedam 10 % dos valores mínimos.

3.9.4.

As lâmpadas de incandescência que emitem luz amarela selectiva são ensaiadas da forma descrita nos n.os 3.9.2 e 3.9.3 num farol normalizado, tal como especificado no n.o 3.9.5, para assegurar que a iluminação cumpre em, pelo menos, 85 %, no caso de lâmpadas de incandescência de 12 V, e em, pelo menos, 77 %, no caso de lâmpadas de incandescência de 6 V e 24 V, os valores mínimos dos requisitos de distribuição de luz estabelecidos para o feixe de cruzamento no regulamento aplicável. Os limites máximos de intensidade de iluminação permanecem inalterados.

No caso de uma lâmpada de incandescência com uma ampola amarela selectiva, este ensaio não se realiza se a homologação for igualmente concedida ao mesmo tipo de lâmpada de incandescência que emite luz branca.

3.9.5.

Considera-se normalizado um farol que:

3.9.5.1.

Cumpra as condições de homologação pertinentes;

3.9.5.2.

Tenha um diâmetro efectivo maior ou igual a 160 mm;

3.9.5.3.

Produza, com uma lâmpada de incandescência normalizada, nos diversos pontos e nas várias zonas especificadas para o tipo de farol em causa, uma intensidade de iluminação:

3.9.5.3.1.

Não superior a 90 % dos limites máximos;

3.9.5.3.2.

Não inferior a 120 % dos limites mínimos prescritos para o tipo de farol em causa.

3.10.   Lâmpada de incandescência normalizada

Das folhas de características relevantes do anexo 1 constam requisitos adicionais para as lâmpadas de incandescência normalizadas.

As ampolas das lâmpadas de incandescência normalizadas (de referência) que emitam luz branca não devem alterar as coordenadas tricromáticas da CEI para uma fonte luminosa com uma temperatura de cor de 2856 K em mais de 0,010 unidades na direcção x e/ou y.

Para as lâmpadas de incandescência normalizadas que emitem luz âmbar ou vermelha, as mudanças da temperatura da ampola não devem afectar o fluxo luminoso, o que pode prejudicar as medições fotométricas dos dispositivos de sinalização.

4.   CONFORMIDADE DA PRODUÇÃO

4.1.

As lâmpadas de incandescência homologadas nos termos do presente regulamento são fabricadas de molde a que a sua conformidade ao tipo homologado seja garantida, graças ao cumprimento dos requisitos técnicos e das inscrições mencionados no n.o 3 e nos anexos 1, 3 e 4 do presente regulamento.

4.2.

Para verificar se os requisitos do n.o 4.1 são cumpridos, devem ser realizados os controlos da produção adequados.

4.3.

O titular da homologação deve em especial:

4.3.1.

Assegurar a existência de procedimentos de controlo efectivo da qualidade dos produtos;

4.3.2.

Ter acesso ao equipamento de controlo necessário para verificar a conformidade com cada tipo homologado;

4.3.3.

Garantir que os dados referentes aos resultados dos ensaios sejam registados e que os documentos correspondentes permaneçam disponíveis por um período a determinar em consonância com o serviço administrativo;

4.3.4.

Analisar os resultados de cada tipo de ensaio, aplicando os critérios do anexo 7, para verificar e assegurar a estabilidade das características do produto, tendo em conta as variações de uma produção industrial;

4.3.5.

Assegurar que sejam efectuados, para cada tipo de lâmpada de incandescência, pelo menos os ensaios prescritos no anexo 6 do presente regulamento;

4.3.6.

Assegurar que cada amostragem comprovadamente não conforme com o tipo de ensaio previsto dê origem a uma nova amostragem e a um novo ensaio. Devem ser tomadas todas as medidas necessárias para restabelecer a conformidade da produção correspondente.

4.4.

A entidade competente que concedeu a homologação pode, a qualquer momento, verificar os métodos de controlo da conformidade aplicáveis a cada unidade de produção.

4.4.1.

Em qualquer inspecção, são apresentados ao inspector a documentação relativa aos ensaios e os registos de avaliação da produção.

4.4.2.

O inspector pode recolher amostras ao acaso, que serão ensaiadas no laboratório do fabricante. O número mínimo de amostras pode ser determinado em conformidade com os resultados da própria verificação do fabricante.

4.4.3.

Se o nível da qualidade se afigurar insatisfatório ou se parecer ser necessário verificar a validade dos ensaios efectuados em aplicação do n.o 4.4.2, o inspector pode seleccionar amostras a serem enviadas ao serviço técnico que realizou os ensaios de homologação.

4.4.4.

A entidade competente pode efectuar quaisquer ensaios prescritos no presente regulamento. Se a entidade competente decidir efectuar verificações por amostragem, são aplicáveis os critérios dos anexos 8 e 9 do presente regulamento.

4.4.5.

A frequência normal das inspecções autorizadas pela entidade competente é de uma de dois em dois anos. No caso de se obterem resultados negativos durante uma dessas inspecções, a entidade competente deve assegurar que sejam dados todos os passos necessários no sentido de restabelecer a conformidade da produção tão rapidamente quanto possível.

5.   SANÇÕES PELA NÃO CONFORMIDADE DA PRODUÇÃO

5.1.

A homologação concedida a uma lâmpada de incandescência nos termos do presente regulamento pode ser revogada se os requisitos não forem cumpridos ou se uma lâmpada de incandescência que apresente a marca de homologação não estiver conforme ao tipo homologado.

5.2.

Se uma parte contratante no Acordo que aplique o presente regulamento revogar uma homologação previamente concedida, deve notificar imediatamente desse facto as restantes partes contratantes que apliquem o presente regulamento, por meio de um formulário de comunicação conforme ao modelo apresentado no anexo 2 do presente regulamento.

6.   CESSAÇÃO DEFINITIVA DA PRODUÇÃO

Se o titular da homologação deixar definitivamente de fabricar um tipo de lâmpada de incandescência homologado nos termos do presente regulamento, deve informar desse facto a entidade que concedeu a homologação. Esta última, após receber a correspondente comunicação, deve do facto informar as outras partes no Acordo de 1958 que apliquem o presente regulamento, por meio de um formulário de comunicação conforme ao modelo que consta do anexo 2 do presente regulamento.

7.   DESIGNAÇÕES E ENDEREÇOS DOS SERVIÇOS TÉCNICOS RESPONSÁVEIS PELA REALIZAÇÃO DOS ENSAIOS DE HOMOLOGAÇÃO E DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS

As partes no Acordo de 1958 que apliquem o presente regulamento devem comunicar ao Secretariado das Nações Unidas as designações e endereços dos serviços técnicos responsáveis pela realização dos ensaios de homologação e dos serviços administrativos que concedem as homologações e aos quais devem ser enviados os formulários que certificam a concessão, extensão, recusa ou revogação de uma homologação ou a cessação definitiva da produção emitidos noutros países.

8.   DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS

8.1.

As homologações concedidas ao abrigo da série de alterações anterior mantêm-se válidas, salvo que, no tocante à conformidade da produção, a produção corrente de lâmpadas de incandescência deve obedecer aos requisitos da última série de alterações no prazo de 12 meses a contar da data de aplicação da presente alteração ( (6)).

8.2.

A correspondência entre as designações anteriores e as novas está indicada no seguinte quadro:

Designações antigas

Novas designações na série 03 de alterações

P25-1

P21W

P25-2

P21/5W

R19/5

R5W

R19/10

R10W

C11

C5W

C15

C21W

T8/4

T4W

W10/5

W5W

W10/3

W3W

8.3.

Decorridos 12 meses após a data de entrada em vigor do suplemento 28 à série 03 de alterações ao regulamento n.o 37, não devem ser utilizadas quaisquer lâmpadas de incandescência das categorias R2, S1 e C21W nas luzes para efeitos de homologação.

8.4.

Não obstante, as partes contratantes que apliquem o presente regulamento podem continuar a conceder homologações a luzes em que sejam utilizadas lâmpadas de incandescência das categorias R2, S1 e C21W, desde que essas lâmpadas sejam utilizadas como peças de substituição a instalar em veículos em circulação.


(1)  Uma ampola amarela selectiva ou uma ampola adicional exterior amarela selectiva, destinada unicamente a alterar a cor, mas não as outras características de uma lâmpada de incandescência que emite luz branca, não constituem uma mudança de tipo de lâmpada de incandescência.

(2)  Neste último caso, as características luminosas não devem ser afectadas negativamente.

(3)  0 1 2 3 4 5 6 7 8 9

A B C D E F G H J K L M N P R S T U V W X Y Z.

(4)  1 para a Alemanha, 2 para a França, 3 para a Itália, 4 para os Países Baixos, 5 para a Suécia, 6 para a Bélgica, 7 para a Hungria, 8 para a República Checa, 9 para a Espanha, 10 para a Sérvia, 11 para o Reino Unido, 12 para a Áustria, 13 para o Luxemburgo, 14 para a Suíça, 15 (não utilizado), 16 para a Noruega, 17 para a Finlândia, 18 para a Dinamarca, 19 para a Roménia, 20 para a Polónia, 21 para Portugal, 22 para a Federação da Rússia, 23 para a Grécia, 24 para a Irlanda, 25 para a Croácia, 26 para a Eslovénia, 27 para a Eslováquia, 28 para a Bielorrússia, 29 para a Estónia, 30 (não utilizado), 31 para a Bósnia-Herzegovina, 32 para a Letónia, 33 (não utilizado), 34 para a Bulgária, 35 (não utilizado), 36 para a Lituânia, 37 para a Turquia, 38 (não utilizado), 39 para o Azerbaijão, 40 para a antiga República Jugoslava da Macedónia, 41 (não utilizado), 42 para a Comunidade Europeia (homologações concedidas pelos Estados-Membros utilizando os respectivos símbolos UNECE), 43 para o Japão, 44 (não utilizado), 45 para a Austrália, 46 para a Ucrânia, 47 para a África do Sul, 48 para a Nova Zelândia, 49 para Chipre, 50 para Malta, 51 para a República da Coreia, 52 para a Malásia, 53 para a Tailândia, 54 e 55 (não utilizados), 56 para o Montenegro, 57 (não utilizado) e 58 para a Tunísia. Os números seguintes devem ser atribuídos a outros países pela ordem cronológica da sua ratificação ou adesão ao Acordo relativo à adopção de prescrições técnicas uniformes aplicáveis aos veículos de rodas, aos equipamentos e às peças susceptíveis de serem montados e/ou utilizados num veículo de rodas e às condições de reconhecimento recíproco das homologações emitidas em conformidade com essas prescrições; os números assim atribuídos são comunicados pelo Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas às partes contratantes no Acordo.

(5)  Para efeitos da conformidade da produção, e apenas no que diz respeito às cores vermelha e âmbar, pelo menos 80 % dos resultados das medições devem situar-se na área de tolerância exigida.

(6)  A nova redacção do presente número foi introduzida pelo suplemento 14 à série 03 de alterações. Este suplemento entrou em vigor em 3 de Setembro de 1997 e introduziu igualmente no regulamento os novos n.os 2.3.3 e 3.7 e, no anexo 1, as novas folhas HIR1 e PY27/7W.


ANEXO 1

FOLHAS  (1) RELATIVAS ÀS LÂMPADAS DE INCANDESCÊNCIA

Lista de categorias de lâmpadas de incandescência e números das folhas correspondentes:

Grupo 1

Sem restrições gerais:

Categoria

Número(s) das folhas

H1

H1/1 a 3

H3

H3/1 a 4

H4

H4/1 a 5

H7

H7/1 a 4

H8

H8/1 a 4

H8B

H8/1 a 4

H9 (3)

H9/1 a 4

H9B (3)

H9/1 a 4

H10

H10/1 a 3

H11

H11/1 a 4

H11B

H11/1 a 4

H12

H12/1 a 3

H13

H13/1 a 4

H13A

H13/1 a 4

H14

H14/1 a 4

H15

H15/1 a 5

H16

H16/1 a 4

H21W (2)

H21W/1 a 2

H27W/1

H27W/1 a 3

H27W/2

H27W/1 a 3

HB3

HB3/1 a 4

HB3A

HB3/1 a 4

HB4

HB4/1 a 4

HB4A

HB4/1 a 4

HIR1 (3)

HIR1/1 a 3

HIR2

HIR2/1 a 3

HS1

HS1/1 a 5

HS2

HS2/1 a 3

HS5

HS5/1 a 4

HS5A (5)

HS5A/1 a 3

HS6 (4)

HS6/1 a 4

PSX24W (2)

P24W/1 a 3

PSX26W (2)

PSX26W1 a 3

PX24W (2)

P24W/1 a 3

S2

S1/S2/1 a 2

S3

S3/1

Grupo 2

A utilizar exclusivamente em luzes de sinalização, orientáveis, de marcha-atrás e de iluminação da chapa de matrícula da retaguarda.

Categoria

Número(s) das folhas

C5W

C5W/1

H6W

H6W/1

H10W/1

H10W/1 a 2

HY6W

H6W/1

HY10W

H10W/1 a 2

HY21W

H21W/1 a 2

P13W

P13W/1 a 3

P19W

P19W/1 a 3

P21W

P21W/1 a 2

P21/4W

P21/4W/1 (P21/5W/2 a 3)

P21/5W

P21/5W/1 a 3

P24W

P24W/1 a 3

P27W

P27W/1 a 2

P27/7W

P27/7W/1 a 3

PC16W

PC16W/1 a 3

PCR16W

PC16W/1 a 3

PCY16W

PC16W/1 a 3

PR19W

P19W/1 a 3

PR21W

PR21W/1 (P21W/2)

PR21/4W

PR21/4W/1 (P21/5W/2 a 3)

PR21/5W

PR21/5W/1 (P21/5W/2 a 3)

PR24W

P24W/1 a 3

PR27/7W

PR27/7W/1 (P27/7W/2 a 3)

PS19W

P19W/1 a 3

PS24W

P24W/1 a 3

PSR19W

P19W/1 a 3

PSR24W

P24W/1 a 3

PSY19W

P19W/1 a 3

PSY24W

P24W/1 a 3

PY19W

P19W/1 a 3

PY21W

PY21W/1 (P21W/2)

PY24W

P24W/1 a 3

PY27/7W

PY27/7W/1 (P27/7W/2 a 3)

R5W

R5W/1

R10W

R10W/1

RR5W

R5W/1

RR10W

R10W/1

RY10W

R10W/1

T1.4W

T1.4W/1

T4W

T4W/1

W2.3W

W2.3W/1

W3W

W3W/1

W5W

W5W/1

W15/5W

W15/5W/1 a 3

W16W

W16W/1

W21W

W21W/1 a 2

W21/5W

W21/5W/1 a 3

WP21W

WP21W/1 a 2

WPY21W

WP21W/1 a 2

WR5W

W5W/1

WR21/5W

WR21/5W/1 (W21/5W/2 a 3)

WY2.3W

WY2.3W/1

WY5W

W5W/1

WY21W

WY21W/1 a 2

Grupo 3

A utilizar exclusivamente como peças de substituição (ver disposições transitórias dos n.os 8.3 e 8.4).

Categoria

Número(s) das folhas

C21W

C21W/1 a 2

R2

R2/1 a 3

S1

S1/S2/1 a 2

Lista de folhas relativas às lâmpadas de incandescência e respectiva sequência no presente anexo:

Número(s) das folhas

 

C5W/1

 

C21W/1 a 2

 

H1/1 a 3

 

H3/1 a 4

 

H4/1 a 5

 

H7/1 a 4

 

H8/1 a 4

 

H9/1 a 4

 

H10/1 a 3

 

H11/1 a 4

 

H12/1 a 3

 

H13/1 a 4

 

H14/1 a 4

 

H15/1 a 5

 

H16/1 a 4

 

H6W/1

 

H10W/1 a 2

 

H21W/1 a 2

 

H27W/1 a 3

 

HB3/1 a 4

 

HB4/1 a 4

 

HIR1/1 a 3

 

HIR2/1 a 3

 

HS1/1 a 5

 

HS2/1 a 3

 

HS5/1 a 4

 

HS5A/1 a 3

 

HS6/1 a 4

 

P13W/1 a 3

 

P19W/1 a 3

 

P21W/1 a 2

 

P21/4W/1

 

P21/5W/1 a 3

 

P24W/1 a 3

 

P27W/1 a 2

 

P27/7W/1 a 3

 

PC16W/1 a 3

 

PR21W/1

 

PR21/4W/1

 

PR21/5W/1

 

PR27/7W/1

 

PSX26W/1 a 3

 

PY21W/1

 

PY27/7W/1

 

R2/1 a 3

 

R5W/1

 

R10W/1

 

S1/S2/1 a 2

 

S3/1

 

T1.4W/1

 

T4W/1

 

W2.3W/1

 

W3W/1

 

W5W/1

 

W15/5W/1 a 3

 

W16W/1

 

W21W/1 a 2

 

W21/5W/1 a 3

 

WP21W/1 a 2

 

WR21/5W/1

 

WY2.3W/1

 

WY21W/1 a 2

CATEGORIA C5W — Folha C5W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

Dimensões em milímetros

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

mín.

nom.

máx.

 

b (6)

34,0

35,0

36,0

35,0 ± 0,5

f (7)  (8)

7,5 (9)

 

15 (10)

9 ± 1,5

Casquilho SV8.5 em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-81-4)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

6

12

24

12

Watts

5

5

Tensão de ensaio

Volts

6,75

13,5

28,0

13,5

Valores normais

Watts

5,5 máx.

7,7 máx.

5,5 máx.

Fluxo luminoso

45 ± 20 %

 

Fluxo luminoso de referência: 45 lm a cerca de 13,5 V

CATEGORIA C21W — Folha C21W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

LÂMPADA DE INCANDESCÊNCIA UNICAMENTE PARA A LUZ DE MARCHA-ATRÁS

Image

Dimensões em milímetros

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

mín.

nom.

máx.

 

b (11)

40,0

41,0

42,0

41,0 ± 0,5

f (12)

7,5

 

10,5

8 ± 1,0

Casquilho SV8.5 em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-81-4)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

21

21

Tensão de ensaio

Volts

13,5

13,5

Valores normais

Watts

26,5 máx.

26,5 máx.

Fluxo luminoso

460 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência: 460 lm a cerca de 13,5 V

CATEGORIA C21W — Folha C21W/2

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada cumpre os requisitos, controlando se é correcto o posicionamento do filamento em relação ao eixo de referência e ao centro do comprimento da lâmpada.

Image

12 V

a

h

k

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

4,0 + d

14,5

2,0

Lâmpada de incandescência normalizada

2,0 + d

14,5

0,5

d= diâmetro nominal do filamento indicado pelo fabricante.

Procedimento de ensaio e requisitos

1.

A lâmpada de incandescência é colocada num suporte que possa rodar 360o em torno do eixo de referência, de modo que a vista de frente seja obtida no ecrã onde a imagem do filamento é projectada. O plano de referência sobre o ecrã deve coincidir com o centro da lâmpada de incandescência. O eixo central a determinar sobre o ecrã deve coincidir com o centro do comprimento da lâmpada.

2.

Vista de frente

2.1.

A projecção do filamento deve ficar situada inteiramente no interior do rectângulo quando a lâmpada de incandescência é rodada 360o.

2.2.

O centro do filamento não se deve afastar do eixo central a determinar mais do que uma distância «k».

CATEGORIA H1 — Folha H1/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIA H1 — Folha H1/2

Dimensões em milímetros

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

6 V

12 V

24 V

12 V

e (14)  (18)

25,0 (17)

25,0 ± 0,15

f (14)  (18)

4,5 ± 1,0

5,0 ± 0,5

5,5 ± 1,0

5,0 + 0,50 / – 0,00

g (15)  (16)

0,5 d ± 0,5 d

0,5 d ± 0,25 d

h1

 (17)

0 ± 0,20 (13)

h2

 (17)

0 ± 0,25 (13)

ε

45° ± 12°

45° ± 3°

Casquilho P14.5s em conformidade com a Publicação CEI 60061 (folha 7004-46-2)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

6

12

24

12

Watts

55

70

55

Tensão de ensaio

Volts

6,3

13,2

28,0

13,2

Valores normal

Watts

63 máx.

68 máx.

84 máx.

68 máx.

Fluxo luminoso ± %

1 350

1 550

1 900

 

15

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente 13,5 V

12 V

1 150

13,2 V

1 550

CATEGORIA H1 — Folha H1/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

a1

a2

b1

b2

c1

c2

6 V

1,4 d

1,9 d

0,25

6

3,5

12 V

6

4,5

24 V

7

4,5

d= diâmetro do filamento.

A posição do filamento só é verificada nas direcções A e B conforme indicado na folha H1/1.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

O início do filamento, tal como definido na nota 10 da folha H1/2, deve situar-se entre as linhas Z1 e Z2.

CATEGORIA H3 — Folha H3/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIA H3 — Folha H3/2

Image

CATEGORIA H3 — Folha H3/3

Dimensões em milímetros

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

6 V

12 V

24 V

12 V

e

18,0 (19)

18,0

f (21)

3,0 mín.

4,0 mín.

5,0 ± 0,50

k

0 (19)

0 ± 0,20

h1, h3

0 (19)

0 ± 0,15 (20)

h2, h4

0 (19)

0 ± 0,25 (20)

Casquilho PK22s em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-47-4)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

6

12

24

12

Watts

55

70

55

Tensão de ensaio

Volts

6,3

13,2

28,0

13,2

Valores normais

Watts

63 máx.

68 máx.

84 máx.

68 máx.

Fluxo luminoso ± %

1 050

1 450

1 750

 

15

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente 13,5 V

12 V

1 100

13,2 V

1 450

CATEGORIA H3 — Folha H3/4

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se o filamento obedece aos requisitos verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

a

c

k

g

6 V

1,8 d

1,6 d

1,0

2,0

12 V

2,8

24 V

2,9

d= diâmetro do filamento

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

O centro do filamento deve encontrar-se dentro da dimensão k.

CATEGORIA H4 — Folha H4/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Image

Figura 2

Figura 3

Dimensões máximas da luz (4)

Image

(1)

O plano de referência é o plano formado pelos pontos de contacto das três patilhas do anel do casquilho.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo centro do círculo de diâmetro «M».

(3)

A cor da luz emitida deve ser branca ou amarela selectiva.

(4)

A ampola e os suportes não devem sair do invólucro tal como indicado na figura 2. Contudo, se for usada uma ampola exterior amarela selectiva, a ampola e os suportes não devem sair fora do invólucro tal como indicado na figura 3.

(5)

O enegrecimento deve estender-se, pelo menos, até à parte cilíndrica da ampola. Deve ainda sobrepor-se à calote interna quando esta é observada numa direcção perpendicular ao eixo de referência.

CATEGORIA H4 — Folha H4/2

Dimensões em milímetros

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

12 V

24 V

12 V

e

28,5 + 0,35 / – 0,25

29,0 ± 0,35

28,5 + 0,20 / – 0,00

p

28,95

29,25

28,95

α

máx. 40°

máx.40°

Casquilho P43t em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-39-6).

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12 (22)

24 (22)

12 (22)

Watts

60

55

75

70

60

55

Tensão de ensaio

Volts

13,2

28,0

13,2

Valores normais

Watts

75 máx.

68 máx.

85 máx.

80 máx.

75 máx.

68 máx.

Fluxo luminoso ± %

1 650

1 000

1 900

1 200

 

15

 

Fluxo de medição 7/lm (23)

750

800

 

Fluxo luminoso de referência a, aproximadamente, 13,5 V

12 V

1 250

750

13,2 V

1 650

1 000

CATEGORIA H4 — Folha H4/3

Posição da calote/ecrã

Image

Os desenhos não são obrigatórios no que se refere à concepção do ecrã e dos filamentos

Posição dos filamentos

Image

CATEGORIA H4 — Folha H4/4

Tabela das dimensões (em mm) mencionadas nos desenhos da folha H4/3

Referência (24)

Dimensões (25)

Tolerância

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

12 V

24 V

12 V

24 V

12 V

24 V

12 V

a/26

0,8

± 0,35

± 0,20

a/23,5

0,8

± 0,60

± 0,20

b1/29,5

30,0

0

± 0,30

± 0,35

± 0,20

b1/33

b1/29,5 mv

b1/30,0 mv

± 0,30

± 0,35

± 0,15

b2/29,5

30,0

0

± 0,30

± 0,35

± 0,20

b2/33

b1/29,5 mv

b2/30,0 mv

± 0,30

± 0,35

± 0,15

c/29,5

30,0

0,6

0,75

± 0,35

± 0,20

c/33

c/29,5 mv

c/30,0 mv

± 0,35

± 0,15

d

mín. 0,1

e (31)

28,5

29,0

+ 0,35

– 0,25

± 0,35

+ 0,20

– 0,00

f (29)  (30)  (31)

1,7

2,0

+ 0,50

– 0,30

± 0,40

+ 0,30

– 0,10

g/26

0

± 0,50

± 0,30

g/23,5

0

± 0,70

± 0,30

h/29,5

30,0

0

± 0,50

± 0,30

h/33

h/29,5 mv

h/30,0 mv

± 0,35

± 0,20

lR (29)  (32)

4,5

5,25

± 0,80

± 0,40

lC (29)  (30)

5,5

5,25

± 0,50

± 0,80

± 0,35

p/33

Depende da forma da calote

q/33

(p + q) / 2

± 0,60

± 0,30

CATEGORIA H4 — Folha H4/5

Explicações adicionais para a folha H4/3

As dimensões a seguir indicadas são medidas em três direcções:

1

para as dimensões a, b1, c, d, e, f, lR e Ic;

2

para as dimensões g, h, p e q;

3

para a dimensão b2.

As dimensões p e q são medidas em planos paralelos ao plano de referência, a 33 mm deste último.

As dimensões b1, b2, c e h são medidas em planos paralelos ao plano de referência, a distâncias de 29,5 mm (30,0 mm para o tipo de 24 V) e 33 mm deste último.

As dimensões a e g são medidas em planos paralelos ao plano de referência, a distâncias de 26,0 mm e 23,5 mm deste.

Nota: Para o método de medição, ver o Apêndice E da Publicação CEI n.o 60809.

CATEGORIA H7 — Folha H7/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Image

Figura 2

Perfil máximo da lâmpada (5)

Image

Figura 3

Definição de eixo de referência (2)

Image

(1)

O plano de referência é o plano definido pelos pontos das superfícies do suporte em que assentam as três saliências de suporte do anel do casquilho.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo ponto de intersecção das duas perpendiculares, tal como representado na figura 3.

(3)

A cor da luz emitida deve ser branca ou amarela selectiva.

(4)

Notas relativas ao diâmetro do filamento.

a)

Não existem verdadeiras restrições no que se refere ao diâmetro, mas o objectivo para o futuro é ter d máx. = 1,3 mm, para lâmpadas de 12 V, e d máx. = 1,7 mm, para lâmpadas de 24 V.

b)

Para o mesmo fabricante, o diâmetro de projecto da lâmpada normalizada e da lâmpada de fabrico corrente deve ser o mesmo.

(5)

A ampola de vidro e os suportes não devem sair do invólucro, tal como indicado na figura 2. O invólucro é concêntrico com o eixo de referência.

CATEGORIA H7 — Folha H7/2

Figura 4

Zona sem distorção óptica (6) e topo negro

Image

Figura 5

Zona isenta de metal (8)

Image

Figura 6

Desvio admissível do eixo do filamento (9)

(apenas para lâmpadas normalizadas)

Image

Figura 7

Excentricidade da ampola

Image

(6)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica no interior dos ângulos γ1 e γ2.Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos γ1 e γ1.

(7)

O enegrecimento deve estender-se, pelo menos, até à parte cilíndrica da ampola em todo o seu perímetro superior. Deve estender-se, pelo menos, até um plano paralelo ao plano de referência, em que γ3 intersecta a superfície exterior da ampola (vista B, tal como indicado na folha H7/1).

(8)

A concepção do interior da lâmpada deve ser de molde a que as reflexões e imagens de luz parasita se situem apenas acima do próprio filamento visto em direcção horizontal. (Vista A tal como indicado na figura 1 da folha H7/1).

Na zona sombreada da figura 5 não devem situar-se quaisquer peças metálicas para além das espiras do filamento.

CATEGORIA H7 — Folha H7/3

Dimensões em milímetros

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

12 V

24 V

12 V

e (33)

25,0 (34)

25,0 ± 0,1

f (33)

4,1 (34)

4,9 (34)

4,1 ± 0,1

g (36)

0,5 min.

em estudo

h1 (35)

0 (34)

0 ± 0,10

h2 (35)

0 (34)

0 ± 0,15

γ1

40° mín.

40° mín.

γ2

50° mín.

50° mín.

γ3

30° mín.

30° mín.

Casquilho PX26d, em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-5-6)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

24

12

Watts

55

70

55

Tensão de ensaio

Volts

13,2

28,0

13,2

Valores normal

Watts

58 máx.

75 máx.

58 máx.

Fluxo luminoso

1 500 ± 10 %

1 750 ± 10 %

 

Fluxo luminoso de referência a, aproximadamente, 13,5 V

12 V

1 100

13,2 V

1 500

CATEGORIA H7 — Folha H7/4

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Dimensões em milímetros

Image

 

a1

a2

b1

b2

c1

c2

12 V

d + 0,30

d + 0,50

0,2

4,6

4,0

24 V

d + 0,60

d + 1,00

0,25

5,9

4,4

d= diâmetro do filamento

A posição do filamento só é verificada nas direcções A e B, conforme indicado na figura 1 da folha H7/1.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 9 da folha H7/3, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

CATEGORIAS H8 E H8B — Folha H8/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Image

Figura 2

Perfil máximo da lâmpada (3)

Image

(1)

O plano de referência é o plano formado pela parte inferior da flange de entrada biselada do casquilho.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo centro do diâmetro do casquilho de 19 mm.

(3)

A ampola de vidro e os suportes não devem sair do invólucro, tal como indicado na figura 2. O invólucro é concêntrico com o eixo de referência.

(4)

A cor da luz emitida deve ser branca ou amarela selectiva.

(5)

Notas relativas ao diâmetro do filamento.

a)

Não existem verdadeiras restrições no que se refere ao diâmetro, mas o objectivo para o futuro é ter d máx. = 1,2 mm.

b)

Para o mesmo fabricante, o diâmetro de projecto da lâmpada normalizada e da lâmpada de fabrico corrente deve ser o mesmo.

CATEGORIAS H8 E H8B — Folha H8/2

Figura 3

Zona sem distorção óptica (6) e topo negro (7)

Image

Figura 4

Zona isenta de metal (8)

Image

Figura 5

Desvio admissível do eixo do filamento (9)

(apenas para lâmpadas normalizadas)

Image

Figura 6

Excentricidade da ampola (10)

Image

(6)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica no interior dos ângulos γ1 e γ2. Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos γ1 e γ2.

(7)

O enegrecimento deve estender-se, pelo menos, até à parte cilíndrica da ampola em todo o seu perímetro superior. Deve estender-se, pelo menos, até um plano paralelo ao plano de referência, em que γ3 intersecta a superfície exterior da ampola (vista B, tal como indicado na folha H8/1).

(8)

A concepção do interior da lâmpada deve ser de molde a que as reflexões e imagens de luz parasita se situem apenas acima do próprio filamento, visto em direcção horizontal. (Vista A, tal como indicado na figura 1 da folha H8/1). Na zona sombreada da figura 4 não devem situar-se quaisquer peças metálicas para além das espiras do filamento.

(9)

O desvio do filamento em relação ao eixo de referência mede-se apenas nas direcções de observação A e B indicadas na figura 1 da folha H8/1. Os pontos a medir são os pontos onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento.

(10)

Desvio do filamento em relação ao eixo da ampola, medido em dois planos paralelos ao plano de referência, onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento.

CATEGORIAS H8 E H8B — Folha H8/3

Dimensões em milímetros

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

12 V

12 V

e (37)

25,0 (38)

25,0 ± 0,1

f (37)

3,7 (38)

3,7 ± 0,1

g

0,5 mín.

em estudo

h1

0 (38)

0 ± 0,1

h2

0 (38)

0 ± 0,15

γ1

50° mín.

50° mín.

γ2

40° mín.

40° mín.

γ3

30° mín.

30° mín.

Casquilho:

H8:

PGJ19-1

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-110-2)

H8B:

PGJY19-1

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-146-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

35

35

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

43 máx.

43 máx.

Fluxo luminoso

800 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência a, aproximadamente, 13,5 V

12 V

600

13,2 V

800

CATEGORIAS H8 E H8B — Folha H8/4

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se o filamento obedece aos requisitos verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

a1

a2

b1

b2

c1

c2

d + 0,50

d + 0,70

0,25

4,6

3,5

d= diâmetro do filamento

A posição do filamento só é verificada nas direcções A e B, conforme indicado na figura 1 da folha H8/1.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 11 da folha H8/3, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

CATEGORIAS H9 E H9B — Folha H9/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Image

Figura 2

Maximum lamp outline (3)

Image

(1)

O plano de referência é o plano formado pela parte inferior da flange de entrada biselada do casquilho.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo centro do diâmetro do casquilho de 19 mm.

(3)

A ampola de vidro e os suportes não devem sair do invólucro, tal como indicado na figura 2. O invólucro é concêntrico com o eixo de referência.

(4)

Notas relativas ao diâmetro do filamento.

a)

Não existem verdadeiras restrições no que se refere ao diâmetro, mas o objectivo para o futuro é ter d máx. = 1,4 mm.

b)

Para o mesmo fabricante, o diâmetro de projecto da lâmpada normalizada e da lâmpada de fabrico corrente deve ser o mesmo.

CATEGORIAS H9 E H9B — Folha H9/2

Figura 3

Zona sem deformação (5)

Image

Figura 4

Zona isenta de metal (6)

Image

Figura 5

Desvio admissível do eixo do filamento (7)

(apenas para lâmpadas normalizadas)

Image

Figura 6

Excentricidade da ampola (8)

Image

(5)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica no interior dos ângulos γ1 e γ2.Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos γ1 e γ2.

(6)

A concepção do interior da lâmpada deve ser de molde a que as reflexões e imagens de luz parasita se situem apenas acima do próprio filamento, visto em direcção horizontal. (Vista A tal como indicado na figura 1 da folha H9/1).Na zona sombreada da figura 4, não devem situar-se quaisquer peças metálicas para além das espiras do filamento.

(7)

O desvio do filamento em relação ao eixo de referência mede-se apenas nas direcções de observação A e B indicadas na figura 1 da folha H9/1. Os pontos a medir são os pontos onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento.

(8)

Desvio do filamento em relação ao eixo da ampola, medido em dois planos paralelos ao plano de referência, onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento.

CATEGORIAS H9 E H9B — Folha H9/3

Dimensões em milímetros

Tolerâncias

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

12 V

12 V

e (39)  (40)

25

 (41)

± 0,10

f (39)  (40)

4,8

 (41)

± 0,10

g (39)

0,7

± 0,5

± 0,30

h1

0

 (41)

± 0,10 (42)

h2

0

 (41)

± 0,15 (42)

γ1

50° mín.

γ2

40° mín.

Casquilho:

H9:

PGJ19-5

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-110-2)

H9B:

PGJY19-5

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-146-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

65

65

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

73 máx.

73 máx.

Fluxo luminoso

2 100 ± 10 %

 

Fluxo luminoso de referência a, aproximadamente, 13,5 V

12 V

1 500

13,2 V

2 100

CATEGORIAS H9 E H9B — Folha H9/4

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se o filamento obedece aos requisitos verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

a1

a2

b1

b2

c1

c2

d + 0,4

d + 0,7

0,25

5,7

4,6

d= diâmetro do filamento

A posição do filamento só é verificada nas direcções A e B conforme indicado na figura 1 da folha H9/1.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 10 da folha H9/3, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

CATEGORIA H10 — Folha H10/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIA H10 — Folha H10/2

Dimensões em mm (43)

Tolerância

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

e (44)  (45)

28,9

 (46)

± 0,16

f (47) (13)

5,2

 (46)

± 0,16

h1, h2

0

 (46)

± 0,15 (47)

γ1

50° mín.

γ2

52° mín.

γ3

45°

± 5°

± 5°

Casquilho PY20d em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-31-2)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

42

42

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

50 max.

50 max.

Fluxo luminoso

850 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência a, aproximadamente, 13,5 V

12 V

600

13,2 V

850

CATEGORIA H10 — Folha H10/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

a1

a2

b1

b2

c1

c2

12 V

1,4 d

1,8 d

0,25

6,1

4,9

d= diâmetro do filamento

A posição do filamento só é verificada nas posições A e B conforme indicado na folha H10/1.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 10/ da folha H10/2, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

CATEGORIAS H11 E H11B — Folha H11/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Image

Figura 2

Perfil máximo da lâmpada3

Image

(1)

O plano de referência é o plano formado pela parte inferior da flange de entrada biselada do casquilho.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo centro do diâmetro do casquilho de 19 mm.

(3)

A ampola de vidro e os suportes não devem sair do invólucro, tal como indicado na figura 2. O invólucro é concêntrico com o eixo de referência.

(4)

A cor da luz emitida deve ser branca ou amarela selectiva.

(5)

Notas relativas ao diâmetro do filamento.

a)

Não existem verdadeiras restrições no que se refere ao diâmetro, mas o objectivo para o futuro é ter d máx. = 1,4 mm.

b)

Para o mesmo fabricante, o diâmetro de projecto da lâmpada normalizada e da lâmpada de fabrico corrente deve ser o mesmo.

CATEGORIAS H11 E H11B — Folha H11/2

Figura 3

Zona sem distorção óptica 6/ e topo negro 7/

Image

Figura 4

Zona isenta de metal 8/

Image

Figura 5

Desvio admissível do eixo do filamento 9/

(apenas para lâmpadas normalizadas)

Image

Figura 6

Excentricidade da ampola 10/

Image

(6)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica no interior dos ângulos γ1 e γ2.Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos γ1 e γ2.

(7)

O enegrecimento deve estender-se, pelo menos, até à parte cilíndrica da ampola em todo o seu perímetro superior. Deve estender-se, pelo menos, até um plano paralelo ao plano de referência, em que γ3 intersecta a superfície exterior da ampola (vista B, tal como indicado na folha H11/1).

(8)

A concepção do interior da lâmpada deve ser de molde a que as reflexões e imagens de luz parasita se situem apenas acima do próprio filamento visto em direcção horizontal (vista A, tal como indicado na figura 1 da folha H11/1).Na zona sombreada da figura 4, não devem situar-se quaisquer peças metálicas para além das espiras do filamento.

(9)

O desvio do filamento em relação ao eixo de referência mede-se apenas nas direcções de observação A e B indicadas na figura 1 da folha H11/1. Os pontos a medir são os pontos onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento.

(10)

Excentricidade do eixo da ampola em relação ao eixo do filamento medida em dois planos paralelos ao plano de referência onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento.

CATEGORIAS H11 E H11B — Folha H11/3

Dimensões em milímetros

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

12 V

24 V

12 V

e (49)

25,0 (50)

25,0 ± 0,1

f (13)

4,5

5,3 (14)

4,5 ± 0,1

g

0,5 mín.

em estudo

h1

0 (15)

0 ± 0,1

h2

0 (16)

0 ± 0,15

γ1

50° mín.

50° min.

γ2

40° mín.

40° mín.

γ3

30° mín.

30° mín.

Casquilho:

H11:

PGJ19-2

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-110-2)

H11B:

PGJY19-2

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-146-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

24

12

Watts

55

70

55

Tensão de ensaio

Volts

13,2

28,0

13,2

Valores normais

Watts

62 máx.

80 máx.

62 máx.

Fluxo luminoso

1 350 ± 10 %

1 600 ± 10 %

 

Fluxo luminoso de referência a, aproximadamente, 13,5 V

12 V

1 000

13,2 V

1 350

CATEGORIAS H11 E H11B — Folha H11/4

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se o filamento obedece aos requisitos verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

a1

a2

b1

b2

c1

c2

12 V

d + 0,3

d + 0,5

0,2

5,0

4,0

24 V

d + 0,6

d + 1,0

0,25

6,3

4,6

d= diâmetro do filamento

A posição do filamento só é verificada nas direcções A e B conforme indicado na figura 1 da folha H11/1.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota (11) da folha H11/3, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

CATEGORIA H12 — Folha H12/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIA H12 — Folha H12/2

Dimensões em mm (51)

Tolerância

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

e (52)  (53)

31,5

 (54)

± 0,16

f (52)  (53)

5,5

4,8 mín.

± 0,16

h1, h2, h3, h4

0

 (54)

± 0,15 (55)

k

0

 (54)

± 0,15 (56)

γ1

50° mín.

γ2

52° mín.

γ3

45°

± 5°

± 5°

Casquilho PZ20d em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-31-2)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

53

53

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

61 máx.

61 máx.

Fluxo luminoso

1 050 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência a, aproximadamente, 13,5 V

12 V

775

13,2 V

1 050

CATEGORIA H12 — Folha H12/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

a1

a2

b1

b2

c

1,6 d

1,3 d

0,30

0,30

2,8

d= diâmetro do filamento

Para as direcções de observação A, B e C, ver folha H12/1.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

O centro do filamento deve encontrar-se dentro das dimensões b1 e b2.

CATEGORIAS H13 E H13A — Folha H13/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Image

CATEGORIAS H13 E H13A — Folha H13/2

Figura 2

Definição de eixo de referência (2)

Image

Figura 4

Desvio da ampola (8)

Image

Figura 3

Área não deformada (6) revestimento opaco (7)

Image

Figura 5

Luz ocultada na direcção do casquilho (9)

Image

(6)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica axial e cilíndrica no interior dos ângulos β e δ,Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos β e δ e não precisa de ser verificado na área abrangida pelo revestimento opaco.

(7)

O revestimento opaco deve estender-se, pelo menos, até à parte cilíndrica da ampola em todo o seu perímetro superior.Deve estender-se, pelo menos, até um plano paralelo ao plano de referência, em que γ intersecta a superfície exterior da ampola (vista B, tal como indicado na folha H13/1).

(8)

Desvio do filamento do feixe de cruzamento em relação ao eixo da ampola medido em dois planos paralelos ao plano de referência onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento do feixe de cruzamento.

(9)

A luz deve ser ocultada na extremidade do casquilho da ampola até ao ângulo θ. Este requisito aplica-se em todas as direcções em torno do eixo de referência.

CATEGORIAS H13 E H13A — Folha H13/3

Figura 6

Posição e dimensões dos filamentos (10) (11) (12) (13) (14)

Image

CATEGORIAS H13 E H13A — Folha H13/4

Dimensões em milímetros

Tolerância

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

d1 (13) (58)

1,8 máx.

d2 (13) (58)

1,8 máx.

e (57)

29,45

± 0,20

± 0,10

f1 (57)

4,6

± 0,50

± 0,25

f2 (57)

4,6

± 0,50

± 0,25

g (8) (58)

0,5 d1

± 0,40

± 0,20

h (8)

0

± 0,30

± 0,15

j (10)

2,5

± 0,20

± 0,10

k (10)

2,0

± 0,20

± 0,10

m (11)

0

± 0,20

± 0,13

n (11)

0

± 0,20

± 0,13

p (10)

0

± 0,08

± 0,08

β

42° mín.

δ

52° mín.

γ

43°

+ 0° / – 5°

+ 0° / – 5°

θ (9)

41°

± 4°

± 4°

Casquilho:

H13:

P26.4t

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-128-3)

H13A:

PJ26.4t

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS (59)

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

55

60

55

60

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

68 máx.

75 máx.

68 máx.

75 máx.

Fluxo luminoso

1 100 ± 15 %

1 700 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência a, aproximadamente, 13,5 V

12 V

800

1 200

13,2 V

1 100

1 700

CATEGORIA H14 — Folha H14/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Image

Figura 2

Perfil máximo da lâmpada (3)

Image

(1)

O plano de referência é o plano definido pelos pontos da superfície de suporte em que assentam as três patilhas do anel do casquilho.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo centro do diâmetro «M» do anel do casquilho.

(3)

A ampola de vidro e os suportes não devem sair fora do invólucro, tal como indicado na figura 2.O invólucro é concêntrico com o eixo de referência.

CATEGORIA H14 — Folha H14/2

Figura 3

Zona sem distorção óptica (4) e topo negro (5)

Image

Figura 4

Excentricidade da ampola

Image

Figura 5

Definição do eixo do filamento (7)

(apenas para lâmpadas normalizadas)

Image

(4)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica no interior dos ângulos γ1 e γ2.Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos γ1 e γ2 e não precisa de ser verificado na área abrangida pelo enegrecimento.

(5)

O enegrecimento deve estender-se, pelo menos, até à parte cilíndrica da ampola em todo o seu perímetro superior. Deve estender-se, pelo menos, até um plano paralelo ao plano de referência, em que γ3 intersecta a superfície exterior da ampola (vista B, tal como indicado na folha H14/1).

(6)

Excentricidade do eixo da ampola em relação ao eixo do filamento do feixe de cruzamento medida em dois planos paralelos ao plano de referência, onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento do feixe de cruzamento.

(7)

O desvio dos filamentos em relação ao eixo de referência mede-se apenas nas direcções de observação A, B, e C indicadas na figura 1 da folha H14/1.Os pontos a medir são os pontos onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo dos filamentos.

CATEGORIA H14 — Folha H14/3

Dimensões em milímetros

Lâmpada de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizada

e (60)

26,15

 (62)

± 0,1

f1 (60)  (61)

5,3

 (62)

± 0,1

f2 (60)  (61)

5,0

 (62)

± 0,1

g

0,3 mín.

 

 

h1

0

 (62)

± 0,1

h2

0

 (62)

± 0,15

h3

0

 (62)

± 0,15

h4

0

 (62)

± 0,15

i

2,7

 

j

2,5

 (62)

± 0,1

γ1

55° mín.

γ2

52° mín.

γ3

43°

0 / – 5°

0 / – 5°

Casquilho P38t em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-133-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

55

60

55

60

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

68 máx.

75 máx.

68 máx.

75 máx.

Fluxo luminoso

1 150 ± 15 %

1 750 ± 15 %

 

 

Fluxo luminoso de referência a, aproximadamente,

12 V

860

1 300

13,2 V

1 150

1 750

CATEGORIA H14 — Folha H14/4

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada de incandescência obedece aos requisitos verificando-se se é correcta a posição dos filamentos em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

a1

a2

b1

b2

c1

c2

c3

i

k

d1 + 0,5

1,6 * d2

0,2

5,8

5,1

5,75

2,7

0,15

d1 é o diâmetro do filamento do feixe de cruzamento e d2 o diâmetro do filamento do feixe de estrada.

Notas relativas ao diâmetro dos filamentos:

a)

Não existem verdadeiras restrições no que se refere ao diâmetro, mas o objectivo para o futuro é ter d1 máx. = 1,6 mm e d2 máx. = 1,6 mm.

b)

Para o mesmo fabricante, o diâmetro de projecto das lâmpadas normalizadas e das lâmpadas de fabrico corrente deve ser o mesmo.

As posições dos filamentos só são verificadas nas direcções A, B e C conforme indicado na figura 1 da folha H14/1.

O filamento do feixe de cruzamento deve situar-se inteiramente no rectângulo A e o filamento do feixe de estrada inteiramente no rectângulo B.

As extremidades do filamento do feixe de cruzamento, tal como definidas na nota (8) da folha H14/3, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

CATEGORIA H15 — Folha H15/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Figura 3

Perfil máximo da lâmpada (3)

Image

Figura 2

Definição de eixo de referência (2)

Image

Figura 4

Zona sem deformação (4)

Image

(1)

O plano de referência é definido pelos pontos da superfície em que o suporte entra em contacto com as três patilhas do anel do casquilho do lado do conector.Destina-se a ser utilizado como plano de referência interno.

O plano de referência auxiliar é definido pelos pontos da superfície do suporte em que assentam as três saliências

de suporte do anel do casquilho. Destina-se a ser utilizado como plano de referência externo. O casquilho foi concebido para ser utilizado no plano de referência (interno), mas para determinadas aplicações pode ser utilizado, em substituição, o plano de referência auxiliar (externo).

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo ponto de intersecção das duas perpendiculares representadas na figura 2 da folha H15/1.

(3)

A ampola de vidro e os suportes não devem sair fora do invólucro, tal como indicado na figura 3. O invólucro é concêntrico com o eixo de referência.

(4)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica no interior dos ângulos γ1 e γ2, conforme indicado na figura 4.Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos γ1 e γ2.

CATEGORIA H15 — Folha H15/2

Dimensões em milímetros

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

 

12 V

24 V

12 V

e

30,0 + 0,35 / – 0,25

30,0 + 0,35 / – 0,25

30,0 + 0,20 / – 0,15

γ1

50° min

50° min

50° min

γ2

50° min

50° min

50° min

r

Para informações mais pormenorizadas, ver folha relativa ao casquilho.

Casquilho PGJ23t-1 em conformidade com publicação CEI 60061 (folha 7004-155-1).

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12 (63)

24 (63)

12 (63)

 

Watts

15

55

20

60

15

55

Tensão de ensaio

Volts

13,2

28,0

13,2

13,2

Valores normais

Watts

19 máx.

64 máx.

24 máx.

73 máx.

19 máx.

64 máx.

 

Fluxo luminoso

260

1 350

300

1 500

 

 

 

± 10 %

 

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente 12 V

 

1 000

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente 13,2 V

 

1 350

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente 13,5 V

290

 

CATEGORIA H15 — Folha H15/3

Posição da calote/ecrã

Image

Posição dos filamentos

Image

CATEGORIA H15 — Folha H15/4

Tabela das dimensões (em mm) mencionada nos desenhos da folha H15/3

Referência (64)

Dimensões (65)

Tolerância

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

12 V

24 V

12 V

24 V

12 V

24 V

12 V

24 V

a/24,0

a/24,5

1,8

± 0,35

± 0,20

a/26,0

1,8

± 0,35

± 0,20

b1/31,0

0

± 0,30

± 0,15

b1/33,5

b1/34,0

b1/31,0 mv

± 0,30

± 0,15

b2/31,0

0

± 0,30

± 0,15

b2/33,5

b2/34,0

b2/31,0 mv

± 0,30

± 0,15

c1/31,0

0

± 0,30

± 0,50

± 0,15

± 0,25

c1/33,5

c1/34,0

c1/31,0 mv

± 0,30

± 0,50

± 0,15

± 0,25

c2/33,5

c2/34,0

1,1

± 0,30

± 0,50

± 0,15

± 0,25

d

mín. 0,1

f (68)  (69)  (70)

2,7

± 0,30

± 0,40

+ 0,20

– 0,10

+ 0,25

– 0,15

g/24,0

g/24,5

0

± 0,50

± 0,70

± 0,25

± 0,35

g/26,0

0

± 0,50

± 0,70

± 0,25

± 0,35

h/31,0

0

± 0,50

± 0,60

± 0,25

± 0,30

h/33,5

h/34,0

h/31,0 mv

± 0,30

± 0,40

± 0,15

± 0,20

lR  (68)  (71)

4,2

4,6

± 0,40

± 0,60

± 0,20

± 0,30

lC  (68)  (69)

4,4

5,4

± 0,40

± 0,60

± 0,20

± 0,30

p/33,5

p/34,0

Depende da forma da calote

q/33,5

q/34,0

p/33,5

p/34,0

± 1,20

± 0,60

CATEGORIA H15 — Folha H15/5

Explicações adicionais para a folha H15/3

As dimensões a seguir indicadas são medidas em quatro direcções:

1)

Para as dimensões c1, c2, d, e, f, lR e lC;

2)

Para as dimensões g, h, p e q;

3)

Para a dimensão b1;

4)

Para a dimensão b2.

As dimensões b1, b2, c1 e h são medidas em planos paralelos ao plano de referência, a distâncias de 31,0 mm e 33,5 mm (34,0 mm para o tipo de 24 V).

As dimensões c2, p e q são medidas num plano paralelo ao plano de referência e a uma distância de 33,5 mm deste último (34,0 mm para o tipo de 24 V).

As dimensões a e g são medidas em planos paralelos ao plano de referência, a distâncias de 24,0 mm (24,5 mm para o tipo de 24 V) e 26,0 mm deste último.

CATEGORIA H16 — Folha H16/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

CATEGORIA H16

Figura 1

Desenho principal

Image

Figura 2

Perfil máximo da lâmpada (3)

Image

(1)

O plano de referência é o plano formado pela parte inferior da flange de entrada biselada do casquilho.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo centro do diâmetro do casquilho de 19 mm.

(3)

A ampola de vidro e os suportes não devem sair do invólucro, tal como indicado na figura 2. O invólucro é concêntrico com o eixo de referência.

(4)

A luz emitida deve ser branca ou amarela selectiva.

(5)

Notas relativas ao diâmetro do filamento.

Não existem verdadeiras restrições no que se refere ao diâmetro, mas o objectivo futuro é d máx. = 0,9 mm.

Para o mesmo fabricante, o diâmetro de projecto do filamento da lâmpada normalizada e da lâmpada de fabrico corrente deve ser o mesmo.

CATEGORIA H16 — Folha H16/2

Figura 3

Zona sem distorção óptica (6) e topo negro (7)

Image

Figura 4

Zona isenta de metal (8)

Image

Figura 5

Desvio admissível do eixo do filamento (9)

(apenas para lâmpadas normalizadas)

Image

Figura 6

Excentricidade da ampola (10)

Image

(6)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica no interior dos ângulos γ1 e γ2. Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos γ1 e γ2.

(7)

O enegrecimento deve estender-se, pelo menos, até ao ângulo γ3 e até à parte cilíndrica da ampola em todo o seu perímetro superior.

(8)

A concepção do interior da lâmpada deve ser de molde a que as reflexões e imagens de luz parasita se situem apenas acima do próprio filamento, visto em direcção horizontal. (Vista A, tal como indicado na figura 1 da folha H16/1).Na zona sombreada da figura 4, não devem situar-se quaisquer peças metálicas para além das espiras do filamento.

(9)

O desvio do filamento em relação ao eixo de referência mede-se apenas nas direcções de observação A e B indicadas na figura 1 da folha H16/1. Os pontos a medir são os pontos onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento.

(10)

Desvio do filamento em relação ao eixo da ampola, medido em dois planos paralelos ao plano de referência, onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento.

CATEGORIA H16 — Folha H16/3

Dimensões em milímetros

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

12 V

12 V

e (74)

25,0 (75)

25,0 ± 0,1

f (74)

3,2 (75)

3,2 ± 0,1

g

0,5 mín.

em estudo

h1

0 (75)

0 ± 0,1

h2

0 (75)

0 ± 0,15

γ1

50° mín.

50° mín.

γ2

40° mín.

40° mín.

γ3

30° mín.

30° mín.

Casquilho: H16: PGJ19-3 Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-110-2)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

19

19

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

22 máx.

22 máx.

Fluxo luminoso

500 + 10 % / – 15 %

 

Fluxo luminoso de referência: 500 lm a aproximadamente 13,2 V

Fluxo luminoso de referência: 550 lm a aproximadamente 13,5 V

CATEGORIA H16 — Folha H16/4

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se o filamento obedece aos requisitos verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

a1

a2

b1

b2

c1

c2

d + 0,50

d + 0,70

0,25

3,6

2,6

d= diâmetro do filamento

A posição do filamento só é verificada nas direcções A e B conforme indicado na figura 1 da folha H16/1.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 11/ da folha H16/3, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

CATEGORIAS H6W E HY6W — Folha H6W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

Dimensões em milímetros

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

mín.

nom.

máx.

 

e

14,25

15,0

15,75

15,0 ± 0,25

Desvio lateral (1)

 

 

0,75

0,4 máx

β

82,5°

90°

97,5°

90° ± 5°

γ1, γ2 (2)

30°

 

 

30° mín.

Casquilho:

H6W:

BAX9s

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-8-1)

HY6W:

BAZ9s

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-150-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

6

6

Tensão de ensaio

Volts

13,5

13,5

Valores normais

Watts

7,35 máx.

7,35 máx.

Fluxo luminoso

H6W

125 ± 12 %

 

HY6W

75 ± 17 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente 13,5 V

Branco: 125 lm

Âmbar: 75 lm

(1)

Desvio lateral máximo do centro do filamento em relação a dois planos perpendiculares entre si, contendo ambos o eixo de referência e compreendendo um deles o eixo X-X.

(2)

Na zona entre os lados exteriores dos ângulos γ1 e γ2, a ampola não deve ter zonas de distorção óptica e a curvatura da ampola deve ter um raio não inferior a 50 % do seu diâmetro real.

(3)

O casquilho não deve apresentar, em todo o seu comprimento, nem protuberâncias nem soldaduras que ultrapassem o diâmetro máximo admissível do casquilho.

(4)

A luz emitida pelas lâmpadas de incandescência de fabrico corrente deve ser branca para a categoria H6W e âmbar para a categoria HY6W.

(5)

A luz emitida pelas lâmpadas de incandescência normalizadas deve ser branca para a categoria H6W e âmbar ou branca para a categoria HY6W.

CATEGORIAS H10W/1 E HY10W — Folha H10W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

Dimensões em milímetros

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

mín.

nom.

máx.

 

e

14,25

15,0

15,75

15,0 ± 0,25

Desvio lateral (1)

 

 

0,75

0,4 máx.

β

82,5°

90°

97,5°

90° ± 5°

γ1, γ2 (2)

30°

 

 

30° mín.

Casquilho:

H10W/1:

BAU9s

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-150A-1)

HY10W:

BAUZ9s

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-150B-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

10

10

Tensão de ensaio

Volts

13,5

13,5

Valores normais

Watts

12 máx.

12 máx.

Fluxo luminoso

H10W/1

200 ± 12 %

 

HY10W

120 ± 17 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente 13,5 V

Branco: 200 lm

Âmbar: 120 lm

(1)

Desvio lateral máximo do centro do filamento em relação a dois planos perpendiculares entre si, contendo ambos o eixo de referência e compreendendo um deles o eixo X-X.

(2)

Na zona entre os lados exteriores dos ângulos γ1 e γ2, a ampola não deve ter zonas de distorção óptica e a curvatura da ampola deve ter um raio não inferior a 50 % do seu diâmetro real.

(3)

O casquilho não deve apresentar, em todo o seu comprimento, nem protuberâncias nem soldaduras que ultrapassem o diâmetro máximo admissível do casquilho.

(4)

A luz emitida pelas lâmpadas de incandescência de fabrico corrente deve ser branca para a categoria H10W/1 e âmbar para a categoria HY10W.

(5)

A luz emitida pelas lâmpadas de incandescência normalizadas deve ser branca para a categoria H10W/1 e âmbar ou branca para a categoria HY10W.

CATEGORIAS H21W E HY21W — Folha H21W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

Dimensões em milímetros

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

mín.

nom.

máx.

 

e

 

20,0 (1)

 

20,0 ± 0,25

f

12 V

 

 

3,8

3,8 + 0/ – 1

24 V

 

 

4,5

 

Desvio lateral (2)

 

 

(3)

0,0 ± 0,15 (4)

β

82,5°

90°

97,5°

90° ± 5°

γ1, γ2 (5)

45°

 

 

45° mín.

Casquilho:

H21W:

BAY9s

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-9-1)

HY21W:

BAW9s

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-149-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

24

12

Watts

21

21

21

Tensão de ensaio

Volts

13,5

28,0

13,5

Valores normais

Watts

26,25 máx.

29,4 máx.

26,25 máx.

Fluxo luminoso

H21W

600 ± 12 %

600 ± 15 %

 

HY21W

300 ± 17 %

300 ± 20 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

Branco: 415 lm

13,2 V

Branco: 560 lm

13,5 V

Branco: 600 lm

Âmbar: 300 lm

(1)

A controlar por meio de um «Box System»; folha H21W/2.

(2)

Desvio lateral máximo do centro do filamento em relação a dois planos perpendiculares entre si, contendo ambos o eixo de referência e compreendendo um deles o eixo X-X.

(3)

O desvio lateral em relação ao plano perpendicular ao eixo X-X é medido na posição descrita no ponto 1 do procedimento de ensaio na folha H21W/2.

(4)

Na zona entre os lados exteriores dos ângulos 1 e 2, a ampola não deve ter zonas de distorção óptica e a curvatura da ampola deve ter um raio não inferior a 50 % do seu diâmetro real.

(5)

A luz emitida pelas lâmpadas de incandescência de fabrico corrente deve ser branca para a categoria H21W e âmbar para a categoria HY21W.

(6)

A luz emitida pelas lâmpadas de incandescência normalizadas deve ser branca para a categoria H21W e âmbar ou branca para a categoria HY21W.

CATEGORIAS H21W E HY21W — Folha H21W/2

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada de incandescência cumpre os requisitos, verificando se é correcto o posicionamento do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência e se possui um eixo perpendicular, com uma aproximação de ± 7,5o, ao plano que passa pelo centro do espigão de referência e pelo eixo de referência.

Image

Referência

a

b

h

k

Dimensões

d + 1,0

d + 1,0

f + 1,2

0,50

d

=

diâmetro real do filamento

f

=

comprimento real do filamento

Procedimentos de ensaio e requisitos

1.   A lâmpada de incandescência é colocada num suporte que pode rodar em torno do seu eixo, tendo este suporte ou um quadrante graduado ou batentes fixos correspondendo aos limites admissíveis do deslocamento angular. Roda-se então o suporte de forma a obter sobre o ecrã onde é projectada a imagem do filamento uma vista de topo do dito filamento. A vista de topo do filamento deve ser obtida dentro dos limites admissíveis do deslocamento angular.

2.   Vista lateral

Com a lâmpada de incandescência colocada com o casquilho para baixo e o eixo de referência vertical, e o filamento visto de topo: a projecção do filamento deve ficar inteiramente situada dentro de um rectângulo de altura «a» e largura «b» cujo centro corresponde à posição teórica do centro do filamento.

3.   Vista de frente

Com a lâmpada de incandescência colocada com o casquilho para baixo e o eixo de referência vertical, e sendo observada segundo uma direcção perpendicular ao eixo do filamento:

3.1.

A projecção do filamento deve ficar inteiramente situada no interior de um rectângulo de altura «a» e largura «h» com o centro situado na posição teórica do centro do filamento.

3.2.

O centro do filamento não se deve afastar do eixo de referência mais do que a distância «k».

CATEGORIAS H27W/1 E H27W/2 — Folha H27W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

CATEGORIA H27W/1

Image

CATEGORIA H27W/2

Image

(1)

O plano de referência é definido pelo plano formado pela parte inferior da flange de entrada biselada do casquilho.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo centro do diâmetro do casquilho de 13,10 mm.

(3)

A ampola de vidro e os suportes não devem exceder o tamanho de um cilindro teórico centrado no eixo de referência.

(4)

O enegrecimento deve estender-se por todo o topo da ampola, incluindo a parte cilíndrica da ampola até à intersecção com γ1.

CATEGORIAS H27W/1 E H27W/2 — Folha H27W/2

Image

Dimensões em milímetros

Lâmpada de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

e

31,75 (77)

31,75 ± 0,25

f (79)

4,8 máx.

4,2 ± 0,20

k

0 (77)

0,0 ± 0,25

h1, h2, h3, h4 (78)

0 (77)

0,0 ± 0,25

γ1 (76)

38° nom.

38° nom.

γ2 (76)

44° nom.

44° nom.

Casquilho:

H27W/1:

PG13

em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-107-4)

H27W/2:

PGJ13

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

27

27

Tensão de ensaio

Volts

13,5

13,5

Valores normais

Watts

31 máx.

31 máx.

Fluxo luminoso

477 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

350 lm

13,2 V

450 lm

13,5 V

477 lm

CATEGORIAS H27W/1 E H27W/2 — Folha H27W/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Dimensões em milímetros

Image

Referência

a

c

k

g

Dimensões

d + 1,2

d + 1,0

0,5

2,4

d= diâmetro real do filamento

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

O centro do filamento deve encontrar-se dentro da dimensão k.

CATEGORIAS HB3 E HB3A — Folha HB3/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIAS HB3 E HB3A — Folha HB3/2

Zona sem deformação (7)

Image

Posição e dimensões dos filamentos

Image

(6)

A cor da luz emitida deve ser branca ou amarela selectiva.

(7)

A periferia da ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica na direcção axial no interior dos ângulos γ1 e γ2.

CATEGORIAS HB3 E HB3A — Folha HB3/3

Dimensões em mm (84)

Tolerâncias

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

e (81)  (83)

31,5

 (82)

± 0,16

f (81)  (83)

5,1

 (82)

± 0,16

h1, h2

0

 (82)

± 0,15 (80)

h3

0

 (82)

± 0,08 (80)

1

45° mín.

2

52° mín.

Casquilho P20d em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-31-2) (85)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

60

60

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

73 máx.

73 máx.

Fluxo luminoso

1 860 ± 12 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

1 300

13,2 V

1 860

CATEGORIAS HB3 E HB3A — Folha HB3/4

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

p

q

r

s

t

u

v

12 V

1,3 d

1,6 d

3,0

2,9

0,9

0,4

0,7

d= diâmetro do filamento

A posição do filamento só é verificada nas posições A e B conforme indicado na folha HB3/1.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

O início do filamento, tal como definido na nota (11) da folha HB3/3, deve ficar dentro do espaço «B» e o fim do filamento dentro do espaço «C».

Não existem quaisquer exigências no que se refere ao centro do filamento dentro do espaço «A».

CATEGORIAS HB4 E HB4A — Folha HB4/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIAS HB4 E HB4A — Folha HB4/2

Zona sem distorção óptica (7) e topo negro (8)

Image

Excentricidade da ampola

Image

Posição e dimensões dos filamentos

Image

(6)

A cor da luz emitida deve ser branca ou amarela selectiva.

(7)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica axial e cilíndrica no interior dos ângulos γ1 e γ2, Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos γ1 e γ2 e não precisa de ser verificado na área abrangida pelo enegrecimento.

(8)

O enegrecimento deve estender-se, pelo menos, até ao ângulo γ3 e deve ser, pelo menos, tão extenso como a parte não deformada da ampola definida pelo ângulo γ1.

CATEGORIAS HB4 E HB4A — Folha HB4/3

Dimensões em mm (91)

Tolerâncias

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

e (88)  (90)

31,5

 (89)

± 0,16

f (88)  (90)

5,1

 (89)

± 0,16

h1, h2

0

 (89)

± 0,15 (87)

h3

0

 (89)

± 0,08 (87)

g (88)

0,75

± 0,5

± 0,3

γ1

50° mín.

γ2

52° mín.

γ3

45°

± 5°

± 5°

Casquilho P22d em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-32-2) (92)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

51

51

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

62 máx.

62 máx.

Fluxo luminoso

1 095 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

825

13,2 V

1 095

CATEGORIAS HB4 E HB4A — Folha HB4/4

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

p

q

r

s

t

u

v

12 V

1,3 d

1,6 d

3,0

2,9

0,9

0,4

0,7

d= diâmetro do filamento

A posição do filamento só é verificada nas posições A e B conforme indicado na folha HB4/1.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

O início do filamento tal como definido na nota (12) da folha HB4/3 deve ficar dentro do espaço «B» e o fim do filamento dentro do espaço «C».

Não existem quaisquer exigências no que se refere ao centro do filamento dentro do espaço «A».

CATEGORIA HIR1 — Folha HIR1/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIA HIR1 — Folha HIR1/2

Dimensões em mm (98)

Tolerâncias

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

e (95)  (97)

29

 (96)

± 0,16

f (95)  (97)

5,1

 (96)

± 0,16

g (95)

0

+ 0,7 / – 0,0

+ 0,4 / – 0,0

h1, h2

0

 (96)

± 0,15 (94)

d

1,6 máx.

 

 

γ1

50° mín.

γ2

50° mín.

Casquilho PX20d em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-31-2)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

65

65

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

73 máx.

73 máx.

Fluxo luminoso

2 500 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

1 840

13,2 V

2 500

CATEGORIA HIR1 — Folha HIR1/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

a1

a2

b1

b2

c1

c2

12 V

d + 0,4

d + 0,8

0,35

6,1

5,2

d= diâmetro do filamento

A posição do filamento só é verificada nas posições A e B conforme indicado na folha HIR1/1.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota (10) da folha HIR1/2, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

CATEGORIA HIR2 — Folha HIR2/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIA HIR2 — Folha HIR2/2

Dimensões em mm (103)

Tolerâncias

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

e (100)  (102)

28,7

 (101)

± 0,16

f (100)  (102)

5,3

 (101)

± 0,16

g (100)

0

+ 0,7 / – 0,0

+ 0,4 / – 0,0

h1, h2

0

 (101)

± 0,15 (99)

d

1,6 máx.

γ1

50° mín.

γ2

50° mín.

Casquilho PX22d em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-32-2)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

55

55

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

63 máx.

63 máx.

Fluxo luminoso

1 875 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

1 355

13,2 V

1 875

CATEGORIA HIR2 — Folha HIR2/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

a1

a2

b1

b2

c1

c2

12 V

d + 0,4

d + 0,8

0,35

6,6

5,7

d= diâmetro do filamento

A posição do filamento só é verificada nas posições A e B conforme indicado na folha HIR2/1.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 10/ da folha HIR2/2, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

CATEGORIA HS1 — Folha HS1/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Image

Maximum lamp outlines (4)

Figura 2

Figura 3

Image

(1)

O plano de referência é o plano formado pelos pontos de contacto das três patilhas do anel do casquilho.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo centro do círculo de diâmetro «M».

(3)

A cor da luz emitida deve ser branca ou amarela selectiva.

(4)

A ampola e os suportes não devem sair do invólucro tal como indicado na figura 2, Contudo, se for usada uma ampola exterior amarela selectiva, a ampola e os suportes não devem sair fora do invólucro tal como indicado na figura 3.

(5)

O enegrecimento deve estender-se, pelo menos, até à parte cilíndrica da ampola. Deve ainda sobrepor-se à calote interna quando esta é observada numa direcção perpendicular ao eixo de referência.

CATEGORIA HS1 — Folha HS1/2

Dimensões em milímetros

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

6 V

12 V

12 V

e

28,5 + 0,45 / – 0,25

28,5 + 0,20 / – 0,00

p

28,95

28,95

a

máx. 40°

máx. 40°

Casquilho PX43t em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-34-2)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

6 (104)

12 (104)

12 (104)

Watts

35

35

35

35

35

35

Tensão de ensaio

Volts

6,3

13,2

13,2

Valores normais

Watts ± %

35

35

35

35

35

35

5

5

Fluxo luminoso ± %

700

440

825

525

 

15

 

Fluxo de medição (105) lm

 

450

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

700

450

13,2 V

825

525

CATEGORIA HS1 — Folha HS1/3

Posição da calote/ecrã

Image

Posição dos filamentos

Image

CATEGORIA HS1 — Folha HS1/4

CATEGORIA HS1 — Folha HS1/4 Tabela das dimensões (em mm) mencionadas nos desenhos da folha HS1/3

Referência (106)

Dimensões (107)

Tolerância

Lâmpada de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

6 V

12 V

6 V

12 V

6 V

12 V

12 V

a/26

0,8

± 0,35

± 0,20

a/25

0,8

± 0,55

± 0,20

b1/29,5

0

± 0,35

± 0,20

b1/33

b1/29,5 mv

± 0,35

± 0,15

b2/29,5

0

± 0,35

± 0,20

b2/33

b2/29,5 mv

± 0,35

± 0,15

c/29,5

0,6

± 0,35

± 0,20

c/31

c/29,5 mv

± 0,30

± 0,15

d

mín. 0,1 / máx. 1,5

e (113)

28,5

+ 0,45 / – 0,25

+ 0,20 / – 0,00

f (111)  (112)  (113)

1,7

+ 0,50 / – 0,30

+ 0,30 / – 0,10

g/26

0

± 0,50

± 0,30

g/25

0

± 0,70

± 0,30

h/29,5

0

± 0,50

± 0,30

h/31

h/29,5 mv

± 0,30

± 0,20

lR  (111)  (114)

3,5

4,0

± 0,80

± 0,40

lC  (111)  (112)

3,3

4,5

± 0,80

± 0,35

p/33

Depende da forma da calote

q/33

(p + q) / 2

± 0,60

± 0,30

CATEGORIA HS1 — Folha HS1/5

Explicações adicionais para a folha HS1/3

As dimensões a seguir indicadas são medidas em três direcções:

1)

para as dimensões a, b1, c, d, e, f, lR e Ic;

2)

Para as dimensões g, h, p e q;

3)

Para a dimensão b2.

As dimensões p e q são medidas em planos paralelos ao plano de referência, a 33 mm deste.

As dimensões b1 e b2 são medidas em planos paralelos ao plano de referência a 29,5 e 33 mm deste último.

As dimensões a e g são medidas em planos paralelos ao plano de referência, a distâncias de 25,0 mm e 26,0 mm deste último.

As dimensões c e h são medidas em planos paralelos ao plano de referência, a 29,5 e 31 mm deste último.

Nota: Para o método de medição, ver o Apêndice E da Publicação CEI n.o 60809.

CATEGORIA HS2 — Folha HS2/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIA HS2 — Folha HS2/2

Dimensões em milímetros

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

mín.

nom.

máx.

 

e

 

11,0 (5)

 

11,0 ± 0,15

f (116)

6 V

1,5

2,5

3,0

2,5 ± 0,15

12 V

2,0

3,0

4,0

 

h1, h2

 

(5)

 

0 ± 0,15

α (2)

 

 

40°

 

β (3)

75°

90°

105°

90° ± 5°

γ (4)

15°

 

 

15° mín.

γ (4)

40°

 

 

40° mín.

Casquilho PX13.5s em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-35-2)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominai

Volts

6

12

6

Watts

15

15

Tensão de ensaio

Volts

6,75

13,5

6,75

Valores normais

Watts

15 ± 6 %

15 ± 6 %

Fluxo luminoso

320 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência: 320 lm a aproximadamente 6,75 V

CATEGORIA HS2 — Folha HS2/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada de incandescência obedece aos requisitos verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

Referência

a1

a2

b1

b2

c1 (6 V)

c1 (12 V)

c2

Dimensões

d + 1,0

d + 1,4

0,25

0,25

4,0

4,5

1,75

d= diâmetro real do filamento

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

O início do filamento deve encontrar-se entre as linhas Z1 e Z2.

CATEGORIA HS5 — Folha HS5/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

LÂMPADA DE INCANDESCÊNCIA PARA MOTOCICLOS

Figura 1

Desenho principal

Image

Figura 2

Zona sem distorção óptica (4) e topo negro (5)

Image

(1)

O plano de referência é definido pela superfície interior dos três pontos de contacto.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo centro do diâmetro do casquilho de 23 mm.

(3)

A ampola de vidro e os suportes não devem sair do invólucro, tal como indicado na figura 1. O invólucro é concêntrico com o eixo de referência.

(4)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica no interior dos ângulos γ1 e γ2. Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos γ1 e γ2.

(5)

O enegrecimento deve estender-se pelo menos até ao ângulo γ3 e até à parte cilíndrica da ampola em todo o seu perímetro superior.

CATEGORIA HS5 — Folha HS5/2

Figura 3

Posição e dimensões dos filamentos

Vista B do filamento do feixe de estrada.

Image

Vista A do filamento do feixe de cruzamento.

Image

Vista de cima do filamento do feixe de estrada.

Image

Vista de cima do filamento do feixe de cruzamento.

Image

CATEGORIA HS5 — Folha HS5/3

Dimensões em milímetros

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpada de incandescência normalizada

12 V

12 V

e

26

 (117)

± 0,15

lC  (118)

4,6

± 0,3

k

0

± 0,2

h1, h3

0

± 0,15

h2, h4

0

± 0,20

lR  (118)

4,6

± 0,3

j

0

± 0,2

g1, g3

0

± 0,30

g2, g4

2,5

± 0,40

γ1

50° mín.

γ2

23° mín.

γ3

50° mín.

Casquilho P23t em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-138-2).

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Tensão

V

12

12

Potência

W

35

30

35

30

Tensão de ensaio

V

13,2

13,2

Valores normais

Potência

W

40 máx.

37 máx.

40 máx.

37 máx.

Fluxo luminoso

lm

620

515

 

 

± %

15

15

 

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

460

380

13,2 V

620

515

CATEGORIA HS5 — Folha HS5/4

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada de incandescência obedece aos requisitos verificando se:

a)

o filamento do feixe de cruzamento está correctamente posicionado em relação ao eixo de referência e ao plano de referência; e se

b)

o filamento do feixe de estrada está correctamente posicionado em relação ao filamento do feixe de cruzamento.

Dimensões em milímetros

Vista lateral

Image

Referência

a

b

c

d

v

Dimensões

d1 + 0,6

d1 + 0,8

d2 + 1,2

d2 + 1,6

2,5

d1

=

diâmetro do filamento do feixe de cruzamento.

d2

=

diâmetro do filamento do feixe de estrada.

Vista de frente

Image

Referência

h

k

Dimensões

6,0

0,5

Os filamentos devem estar situados inteiramente dentro dos limites indicados.

O centro do filamento deve encontrar-se dentro da dimensão k.

CATEGORIA HS5A — Folha HS5A/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

LÂMPADA DE INCANDESCÊNCIA PARA MOTOCICLOS

Figura 1

Desenho principal

Image

Figura 2

Zona sem distorção óptica (4) e topo negro (5)

Image

(1)

O plano de referência é definido pela superfície interior dos três pontos de contacto.

(2)

O eixo de referência é perpendicular ao plano de referência e passa pelo centro do diâmetro do casquilho de 23 mm.

(3)

A ampola de vidro e os suportes não devem sair fora do invólucro, tal como indicado na figura 1. O invólucro é concêntrico com o eixo de referência.

(4)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica no interior dos ângulos γ1 e γ2. Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos γ1 e γ2.

(5)

O enegrecimento deve estender-se pelo menos até ao ângulo γ3 e até à parte cilíndrica da ampola em todo o seu perímetro superior.

CATEGORIA HS5A — Folha HS5A/2

Figura 3

Posição e dimensões dos filamentos

Image

CATEGORIA HS5A — Folha HS5A/3

Dimensões em mm

Lâmpadas de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizada

12 V

12 V

e

26

lC  (119)

4,6

± 0,5

± 0,3

k

0

± 0,4

± 0,2

h1, h3

0

± 0,3

± 0,15

h2, h4

0

± 0,4

± 0,2

lR  (119)

4,6

± 0,5

± 0,3

j

0

± 0,6

± 0,3

g1, g3

0

± 0,6

± 0,3

g2, g4

2,5

± 0,4

± 0,2

γ1

50° mín.

γ2

23° mín.

γ3

50° mín.

Casquilho PX23tem conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-138A-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Tensão

V

12 (120)

12 (120)

Potência

W

45

40

45

40

Tensão de ensaio

V

13,2

13,2

Valores normais

Potência

W

50 máx.

45 máx.

50 máx.

45 máx.

Fluxo luminoso

lm

750

640

 

 

± %

15

15

 

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

550 lm

470 lm

13,2 V

750 lm

640 lm

CATEGORIA HS6 — Folha HS6/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Image

CATEGORIA HS6 — Folha HS6/2

Figura 2

Definição de eixo de referência (9)

Image

Figura 4

Desvio da ampola (8)

Image

Figura 3

Área não deformada (6) revestimento opaco (7)

Image

Figura 5

Luz ocultada na direcção do casquilho (9)

Image

(6)

A ampola de vidro não deve apresentar zonas de distorção óptica axial e cilíndrica no interior dos ângulos β e δ.Este requisito aplica-se a todo o perímetro da ampola no interior dos ângulos β e δ e não precisa de ser verificado na área abrangida pelo revestimento opaco.

(7)

O revestimento opaco deve estender-se, pelo menos, até à parte cilíndrica da ampola em todo o seu perímetro superior.Deve estender-se, pelo menos, até um plano paralelo ao plano de referência, em que γ intersecta a superfície exterior da ampola, conforme indicado na figura 3 (vista na direcção B, tal como indicado na folha HS6/1).

(8)

Desvio do filamento do feixe de cruzamento em relação ao eixo da ampola medido em dois planos paralelos ao plano de referência onde a projecção da parte exterior das espiras extremas mais próxima ou mais afastada do plano de referência intersecta o eixo do filamento do feixe de cruzamento.

(9)

A luz deve ser ocultada na extremidade do casquilho da ampola até ao ângulo θ.Este requisito aplica-se em todas as direcções em torno do eixo de referência.

CATEGORIA HS6 — Folha HS6/3

Figura 6

Posição e dimensões dos filamentos (10) (11) (12) (13) (14)

Image

CATEGORIA HS6 — Folha HS6/4

Dimensões em mm

Tolerância

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizada

d1 (13) (122)

1,4 máx.

d2 (13) (122)

1,4 máx.

e (121)

29,45

± 0,20

± 0,10

f1 (121)

4,4

± 0,50

± 0,25

f2 (121)

4,4

± 0,50

± 0,25

g (8) (122)

0,5 d1

± 0,50

± 0,30

h (8)

0

± 0,40

± 0,20

j (10)

2,5

± 0,30

± 0,20

k (10)

2,0

± 0,20

± 0,10

m (11)

0

± 0,24

± 0,20

n (11)

0

± 0,24

± 0,20

p (10)

0

± 0,30

± 0,20

β

42° mín.

δ

52° mín.

γ

43°

+ 0° / – 5°

+ 0° / – 5°

(9)

41°

± 4°

± 4°

Casquilho

:

PX26,4t em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-128-3)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS (123)

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

40

35

40

35

Tensão de ensaio

Volts

13,2

13,2

Valores normais

Watts

45 máx.

40 máx.

45 máx.

40 máx.

Fluxo luminoso

900 ± 15 %

600 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

630 / 420

13,2 V

900 / 600

CATEGORIA P13W — Folha P13W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Figura 1

Desenho principal

Image

Figura 2

Zona sem metal (3)

Image

(1)

O plano de referência é definido pelos pontos de contacto do encaixe do suporte do casquilho.

(2)

Não existem verdadeiras restrições no que se refere ao diâmetro do filamento, mas o objectivo é d máx. = 1,0 mm.

(3)

Na zona sombreada da figura 2 não devem situar-se quaisquer partes opacas para além das espiras do filamento. Este requisito aplica-se ao corpo rotativo situado no interior dos ângulos α1 + α2.

CATEGORIA P13W — Folha P13W/2

Dimensões em mm

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizadas

e (125)

25,0 (124)

25,0 ± 0,25

f (125)

4,3 (124)

4,3 ± 0,25

α1  (126)

30,0° mín.

30,0° mín.

α2  (126)

58,0° mín.

58,0° mín.

Casquilho PG18.5d-1 em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-147-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Tensão

V

12

12

Potência

W

13

13

Tensão de ensaio

V

13,5

13,5

Valores normais

Potência

W

19 máx.

19 máx.

Fluxo luminoso

lm

250

 

±

+ 15 % / – 20 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente 13.5 V

250 lm

CATEGORIA P13W — Folha P13W/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

p

q

u1, u2

r, s

t, v

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

1,7

1,9

0,3

2,6

0,9

Lâmpadas de incandescência normalizadas

1,5

1,7

0,25

2,45

0,6

A posição do filamento é verificada em dois planos perpendiculares entre si, sendo um deles o plano definido pelos eléctrodos de alimentação.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 4/ da folha P13W/2, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

CATEGORIAS P19W, PY19W, PR19W, PS19W, PSY19W E PSR19W — Folha P19W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIAS P19W, PY19W, PR19W, PS19W, PSY19W E PSR19W — Folha P19W/2

Dimensões em mm (127)

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizadas

mín.

nom.

máx.

α (131)

e (128)  (129)

 

24,0

 

24,0

f (128)  (129)

 

4,0

 

4,0 ± 0,2

α (130)

58°

 

 

58° mín.

P19WCasquilho PGU20-1

PY19WCasquilho PGU20-2

PR19WCasquilho PGU20-5

PS19WCasquilho PGU20-1

PSY19WCasquilho PGU20-2

PSR19WCasquilho PGU20-5

Em conformidade com a publicação 60061

da CEI (folha 7004-127-2)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

19

19

Tensão de ensaio

Volts

13,5

13,5

Valores normais

Watts

20 máx.

20 máx.

Fluxo luminoso

P19W

PS19W

350 ± 15 %

 

PY19W

PSY19W

215 ± 20 %

 

PR19W

PSR19W

80 ± 20 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente 13,5 V

Branco: 350 lm

Âmbar: 215 lm

Vermelho: 80 lm

 

CATEGORIAS P19W, PY19W, PR19W, PS19W, PSY19W E PSR19W — Folha P19W/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

a1

a2

b1, b2

c1

c2

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

2,9

3,9

0,5

5,2

3,8

Lâmpadas de incandescência normalizadas

1,5

1,7

0,25

4,7

3,8

A posição do filamento é verificada em dois planos perpendiculares entre si, sendo um deles o plano definido pelos eléctrodos de alimentação.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 6/ da folha P19W/2, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

CATEGORIA P21W — Folha P21W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

Dimensões em mm

Dimensões em mm

Lâmpadas de incandescência normalizadas

mín.

nom.

máx.

 

e

6,12 V

 

31,8 (3)

 

31,8 ± 0,3

24 V

30,8

31,8

32,8

 

f

12 V

5,5

6,0

7,0

6,0 ± 0,5

6 V

 

 

7,0

 

Desvio lateral (1)

6,12 V

 

 

(3)

0,3 máx.

24 V

 

 

1,5

 

β

75°

90°

105°

90° ± 5°

Casquilho BA15s em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-11A-9) (2)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Volts

6

12

24

12

Watts

21

21

Tensão de ensaio

Volts

6,75

13,5

28,0

13,5

Valores normais

Watts

27,6 máx.

26,5 máx.

29,7 máx.

26,5 máx.

Fluxo luminoso

460 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência: 460 lm a aproximadamente 13,5 V

(1)

Desvio lateral máximo do centro do filamento em relação a dois planos perpendiculares entre si contendo o eixo de referência, e compreendendo um deles o eixo dos espigões.

(2)

As lâmpadas com casquilho BA15d podem ser utilizadas para fins especiais; têm as mesmas dimensões.

(3)

A controlar por meio de um «Box System»; folha P21W/2.

(4)

Nesta vista, o filamento do tipo de 24 V pode ser rectilíneo ou em forma de V. Tal deve ser indicado no pedido de homologação. Se for rectilíneo, aplicam-se as disposições relativas ao ecrã de controlo da folha P21W/2.Se for em forma de V, as extremidades do filamento devem situar-se à mesma distância, com uma tolerância de ± 3 mm, do plano de referência.

CATEGORIA P21W — Folha P21W/2

Disposições relativas ao ecrã de controlo.

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada de incandescência cumpre os requisitos, verificando se é correcto o posicionamento do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência e se possui um eixo perpendicular, com uma aproximação de ± 15o, ao plano que passa pelo centro dos espigões (P21W) ou do espigão de referência (PY21W e PR21W) e pelo eixo de referência.

Vista lateral

Vista de frente

Image


Referência

a

b

h

k

Dimensões

3,5

3,0

9,0

1,0

Procedimentos de ensaio e requisitos

1.   A lâmpada de incandescência é colocada num suporte que pode rodar em torno do seu eixo, tendo este suporte ou um quadrante graduado ou batentes fixos correspondendo aos limites admissíveis do deslocamento angular. Roda-se então o suporte de forma a obter sobre o ecrã onde é projectada a imagem do filamento uma vista de topo do dito filamento. A vista de topo do filamento deve ser obtida dentro dos limites admissíveis do deslocamento angular.

2.   Vista lateral

Com a lâmpada de incandescência colocada com o casquilho para baixo e o eixo de referência vertical, e o filamento visto de topo: a projecção do filamento deve ficar inteiramente situada dentro de um rectângulo de altura «a» e largura «b» cujo centro corresponde à posição teórica do centro do filamento.

3.   Vista de frente

Com a lâmpada de incandescência colocada com o casquilho para baixo e o eixo de referência vertical, e sendo observada segundo uma direcção perpendicular ao eixo do filamento:

3.1.

A projecção do filamento deve ficar inteiramente situada no interior de um rectângulo de altura «a» e largura «h» com o centro situado na posição teórica do centro do filamento.

3.2.

O centro do filamento não se deve afastar do eixo de referência mais do que a distância «k».

CATEGORIA P21/4W — Folha P21/4W/

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

Dimensões em mm

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizadas

mín.

nom.

máx.

 

e

 

31,8 (1)

 

31,8 ± 0,3

f

 

 

7,0

7,0 + 0 / – 2

Desvio lateral

 

 

(1)

0,3 máx. (2)

x, y

(1)

2,8 ± 0,5

β

75° (1)

90° (1)

105° (1)

90° ± 5°

Casquilho BAZ15d em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-11C-3)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

24

12

Watts

21

4

21

4

21 / 4

Tensão de ensaio

Volts

13,5

28,0

13,5

Valores normais

Watts

26,5 máx.

5,5 máx.

29,7 máx.

8,8 máx.

26,5 / 5,5 máx.

Fluxo luminos ± %

440

15

440

20

 

15

20

15

20

 

Fluxo luminoso de referência: 440 e 15 lm a aproximadamente 13,5 V

(1)

Estas dimensões devem ser controladas por meio de um «Box System»3/ baseado nas dimensões e tolerâncias acima indicadas. «x» e «y» referem-se ao eixo do filamento principal e não ao eixo de referência. Está em estudo um aumento da precisão da posição dos filamentos e do conjunto casquilho-suporte.

(2)

Desvio lateral máximo do centro do filamento principal em relação a dois planos perpendiculares entre si contendo o eixo de referência, e compreendendo um deles o eixo do espigão de referência.

(3)

O «Box-System» é o mesmo que para a lâmpada de incandescência P21/5W.

CATEGORIA P21/5W — Folha PR21/5W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

Dimensões em mm

Lâmpadas de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizadas

mín.

nom.

máx.

 

e

6,12 V

 

31,8 (1)

 

31,8 ± 0,3

24 V

30,8

31,8

32,8

 

f

6,12 V

 

 

7,0

7,0 + 0 / – 2

Desvio lateral (2)

6,12 V

 

 

(1)

0,3 máx.

24 V

 

 

1,5

 

x, y

6,12 V

 

(1)

 

2,8 ± 0,3

x

24 V (3)

–1,0

0

1,0

 

y

24 V (3)

1,8

2,8

3,8

 

β

 

75°

90°

105°

90° ± 5°

Casquilho BAY15d em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-11B-7)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

6

12

24

12

Watts

21

5

21

5

21

5

21 / 5

Tensão de ensaio

Volts

6,75

13,5

28,0

13,5

Valores normais

Watts

27,6 máx.

6,6 máx.

26,5 máx.

6,6 máx.

29,7 máx.

11,0 máx.

26,5 e 6,6 máx.

Fluxo luminoso ± %

440

35

440

35

440

40

 

15

20

15

20

15

20

 

Fluxo luminoso de referência: 440 e 35 lm a cerca de 13,5 V

Para as notas ver folha P21/5W/2.

CATEGORIA P21/5W — Folha P21/5W/2

Notas

(1)

Estas dimensões devem ser controladas por meio de um «Box System». Ver folhas P21/5W/2 e P21/5W/3. «x» e «y» referem-se ao eixo do filamento principal e não ao eixo de referência.

(2)

Desvio lateral máximo do centro do filamento principal (alta potência) em relação a dois planos perpendiculares entre si contendo o eixo de referência, e compreendendo um deles o eixo do espigão de referência,

(3)

Nesta vista os filamentos do tipo de 24 V podem ser rectilíneos ou em forma de V. Tal deve ser indicado no pedido de homologação. Se os filamentos forem rectilíneos, aplicam-se as disposições relativas ao ecrã de controlo. Se forem em forma de V, as extremidades de cada filamento devem situar-se à mesma distância, com uma tolerância de ± 3 mm, do plano de referência.

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada cumpre os requisitos, através de controlo de:

a)

posicionamento correcto do filamento principal (alta potência) em relação ao eixo de referência e ao plano de referência e perpendicularidade do eixo do filamento, com uma aproximação de ± 15o, ao plano que passa pelos centros dos espigões e do eixo de referência; e se

b)

posicionamento correcto do filamento auxiliar (baixa potência) em relação ao filamento principal (alta potência).

Método de ensaio e prescrições:

1.   A lâmpada de incandescência é colocada num suporte que pode rodar em torno do seu eixo, tendo este suporte ou um quadrante graduado ou batentes fixos correspondendo aos limites admissíveis do deslocamento angular ( ou seja 15°). Roda-se então o suporte de forma a obter sobre o ecrã onde é projectada a imagem do filamento principal uma vista de topo do dito filamento. A vista de topo do filamento deve ser obtida dentro dos limites admissíveis do deslocamento angular.

2.   Vista lateral

Com a lâmpada colocada com o casquilho para baixo, o eixo de referência vertical, o espigão de referência para a direita e o filamento principal visto do topo:

2.1.

A projecção do filamento principal deve ficar inteiramente situada no interior de um rectângulo de altura «a» e largura «b» com o centro situado na posição teórica do centro do filamento.

2.2.

A projecção do filamento auxiliar deve ficar inteiramente situada:

2.2.1.

no interior de um rectângulo de largura «c» e de altura «d» com o centro situado às distâncias «v» à direita e «u» acima da posição teórica do centro do filamento principal;

2.2.2.

acima de uma recta tangente ao bordo superior da projecção do filamento principal e subindo da esquerda para a direita segundo um ângulo de 25°;

2.2.3.

à direita da projecção do filamento principal.

3.   Vista de frente

Com a lâmpada de incandescência colocada com o casquilho para baixo e o eixo de referência vertical, e sendo observada segundo uma direcção perpendicular ao eixo do filamento principal:

3.1.

A projecção do filamento principal deve ficar inteiramente situada dentro de um rectângulo de altura «a» e largura «h» centrado na posição teórica do centro do filamento;

3.2.

O centro do filamento principal não se deve afastar do eixo de referência mais do que a distância «k».

3.3.

O centro do filamento auxiliar não se deve afastar do eixo de referência mais de ± 2 mm ( ± 0,4 mm para as lâmpadas de incandescência normalizadas).

CATEGORIA P21/5W — Folha P21/5W/3

(Dimensões em mm)

Vista lateral

Image

Referência

a

b

c

d

u

v

Dimensões

3,5

3,0

4,8

2,8

Vista de frente

Image

Referência

a

h

k

Dimensões

3,5

9,0

1,0

CATEGORIAS P24W, PX24W, PY24W, PR24W, PS24W, PSX24W, PSY24W E PSR24W — Folha P24W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIAS P24W, PX24W, PY24W, PR24W, PS24W, PSX24W, PSY24W E PSR24W — Folha P24W/2

Dimensões em mm (132)

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizadas

mín.

nom.

mín.

 (136)

e (133)  (134)

 

24,0

 

24,0

f (133)  (134)

P24W, PY24W, PR24W, PS24W, PSY24W, PSR24W

 

4,0

 

4,0

PX24W, PSX24W

 

4,2

 

4,2

α (135)

58,0°

 

 

58,0° mín.

P24W

Casquilho PGU20-3

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-127-2)

PX24W

Casquilho PGU20-7

PY24W

Casquilho PGU20-4

PR24W

Casquilho PGU20-6

PS24W

Casquilho PGU20-3

PSX24W

Casquilho PGU20-7

PSY24W

Casquilho PGU20-4

PSR24W

Casquilho PGU20-

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

24

24

Tensão de ensaio

Volts

13,5

13,5

Valores normais

Watts

25 máx.

25 máx.

Fluxo luminoso

P24W PS24W

500 + 10 / – 20 %

 

PX24W PSX24W

500 + 10 / – 15 %

 

PY24W PSY24W

300 + 15 / – 25 %

 

PR24W PSR24W

115 + 15 / – 25 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

12 V

Branco:345 lm

13,2 V

Branco: 465 lm

13,5 V

Branco: 500 lm

Âmbar: 300 lm

Vermelho: 115 lm

CATEGORIAS P24W, PX24W, PY24W, PR24W, PS24W, PSX24W, PSY24W E PSR24W — Folha P24W/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

P24W, PY24W, PR24W, PS24W, PSY24W, PSR24W

a1

a2

b1, b2

c1

c2

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

2,9

3,9

0,5

5,2

3,8

Lâmpadas de incandescência normalizadas

1,5

1,7

0,25

4,7

3,8


PX24W, PSX24W

a1

a2

b1, b2

c1

c2

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

1,9

1,9

0,35

5,0

4,0

Lâmpadas de incandescência normalizadas

1,5

1,5

0,25

4,7

4,0

A posição do filamento é verificada em dois planos perpendiculares entre si, sendo um deles o plano definido pelos eléctrodos de alimentação.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 6/ da folha P24W/2, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 6/ da folha P24W/2, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

CATEGORIA P27W — Folha P27W/1

O eixo de referência é definido em relação às cavilhas de referência e é perpendicular ao plano de referência.

Image

Dimensões em mm

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizadas

mín.

nom.

máx.

 

e

 

27,9 (3)

 

27,9 ± 0,3

f

 

 

9,9

9,9 + 0 / – 2

Desvio lateral (2)

 

 

(3)

0,0 ± 0,4

β

75° (3)

90°

105° (3)

90° ± 5°

Casquilho W2.5x16d em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-104-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

27

27

Tensão de ensaio

Volts

13,5

13,5

Valores normais

Watts

32,1 máx.

32,1 máx.

Fluxo luminoso

475 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência: 475 lm a aproximadamente 13,5 V

(1)

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

(2)

Desvio lateral máximo do centro do filamento em relação a dois planos perpendiculares entre si contendo o eixo de referência, e compreendendo um deles o eixo que passa pelas cavilhas de referência.

(3)

A controlar por meio de um «Box System»; folha P27W/2.

CATEGORIA P27W — Folha P27W/2

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada de incandescência cumpre os requisitos, verificando se é correcto o posicionamento do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência e se possui um eixo perpendicular, com uma aproximação de ± 15°, ao plano que passa pelo centro das cavilhas e pelo eixo de referência.

Image

Referência

a

b

h

k

Dimensões

3,5

3,0

11,9

1,0

Procedimentos de ensaio e requisitos

1.   A lâmpada de incandescência é colocada num suporte que pode rodar em torno do seu eixo, tendo este suporte ou um quadrante graduado ou batentes fixos correspondendo aos limites admissíveis do deslocamento angular. Roda-se então o suporte de forma a obter sobre o ecrã onde é projectada a imagem do filamento uma vista de topo do dito filamento. A vista de topo do filamento deve ser obtida dentro dos limites admissíveis do deslocamento angular.

2.   Vista lateral

Com a lâmpada de incandescência colocada com o casquilho para baixo e o eixo de referência vertical, e o filamento visto de topo: a projecção do filamento deve ficar inteiramente situada dentro de um rectângulo de altura «a» e largura «b» cujo centro corresponde à posição teórica do centro do filamento.

3.   Vista de frente

Com a lâmpada de incandescência colocada com o casquilho para baixo e o eixo de referência vertical, e sendo observada segundo uma direcção perpendicular ao eixo do filamento:

3.1.

A projecção do filamento deve ficar inteiramente situada no interior de um rectângulo de altura «a» e largura «h» com o centro situado na posição teórica do centro do filamento.

3.2.

O centro do filamento não se deve afastar do eixo de referência mais do que a distância «k».

CATEGORIA P27/7W — Folha P27/7W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

Dimensões em mm

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizadas

mín.

nom.

máx.

 

e

 

27,9 (3)

 

27,9 ± 0,3

f

 

 

9,9

9,9 + 0 / – 2

Desvio lateral (2)

 

 

(3)

0,0 ± 0,4

x (4)

 

5,1 (3)

 

5,1 ± 0,5

y (4)

 

0,0 (3)

 

0,0 ± 0,5

β

75° (3)

90°

105° (3)

90° ± 5°

Casquilho W2.5x16q em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-104-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

27

7

27

7

Tensão de ensaio

Volts

13,5

13,5

Valores normais

Watts

32,1 máx.

8,5 máx.

32,1 máx.

8,5 máx.

Fluxo luminoso

475 ± 15 %

36 ± 15 %

 

Fluxo luminoso de referência: 475 e 36 lm a aproximadamente 13,5 V

(1)

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

(2)

O eixo de referência é definido em relação às cavilhas de referência e é perpendicular ao plano de referência.2/Desvio lateral máximo do centro do filamento principal (alta potência) em relação a dois planos perpendiculares entre si contendo o eixo de referência, e compreendendo um deles o eixo que passa pelas cavilhas de referência.

(3)

A controlar por meio de um «Box System»; folhas P27/7W/2 e 3.

(4)

«x» e «y» indicam o desvio do eixo do filamento auxiliar (baixa potência) em relação ao eixo do filamento principal (alta potência).

CATEGORIA P27/7W — Folha P27/7W/2

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada cumpre os requisitos, através de controlo de:

a)

correcto posicionamento do filamento principal (alta potência) em relação ao eixo de referência e ao plano de referência e perpendicularidade do eixo do filamento, com uma aproximação de ± 15°, ao plano que passa pelos centros das cavilhas e do eixo de referência; e de

b)

correcto posicionamento do filamento auxiliar (baixa potência) em relação ao filamento principal (alta potência).

Procedimento de ensaio e requisitos

1.   A lâmpada de incandescência é colocada num suporte que pode rodar em torno do seu eixo, tendo este suporte ou um quadrante graduado ou batentes fixos correspondendo aos limites admissíveis do deslocamento angular. Roda-se então o suporte de forma a obter sobre o ecrã onde é projectada a imagem do filamento principal uma vista de topo do dito filamento. A vista de topo do filamento deve ser obtida dentro dos limites admissíveis do deslocamento angular.

2.   Vista lateral

Com a lâmpada colocada com o casquilho para baixo, o eixo de referência vertical, a cavilha de referência para a direita e o filamento principal visto do topo:

2.1.

A projecção do filamento principal deve ficar inteiramente situada no interior de um rectângulo de altura «a» e largura «b» com o centro situado na posição teórica do centro do filamento.

2.2.

A projecção do filamento auxiliar deve ficar inteiramente situada no interior de um rectângulo de largura «c» e altura «d» com o centro situado à distância «u» acima da posição teórica do centro do filamento.

3.   Vista de frente

Com a lâmpada de incandescência colocada com o casquilho para baixo e o eixo de referência vertical, e sendo observada segundo uma direcção perpendicular ao eixo do filamento principal:

3.1.

A projecção do filamento principal deve ficar inteiramente situada dentro de um rectângulo de altura «a» e largura «h» centrado na posição teórica do centro do filamento;

3.2.

O centro do filamento principal não se deve afastar do eixo de referência mais do que a distância «k»;

3.3.

O centro do filamento auxiliar não se deve afastar do eixo de referência mais de ± 2 mm ( ± 0,4 mm para as lâmpadas de incandescência normalizadas).

CATEGORIA P27/7W — Folha P27/7W/3

Vista lateral

Image

Referência

a

b

c

d

u

Dimensões

3,5

3,0

4,8

5,1

Vista de frente

Image

Referência

a

h

k

Dimensões

3,5

11,9

1,0

CATEGORIAS PC16W, PCY16W E PCR16W — Folha PC16W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

CATEGORIAS PC16W, PCY16W E PCR16W — Folha PC16W/2

Dimensões em mm

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizadas

mín.

nom.

máx.

 (140)

e (137)  (138)

 

18,5

 

18,5

f (137)  (138)

 

4,0

 

4,0 ± 0,2

α (139)

54°

 

 

54° mín.

PC16W

Casquilho PU20d-1

Em conformidade com a publicação 60061 da CEI (folha 7004-157-1)

PCY16W

Casquilho PU20d-2

PCR16W

Casquilho PU20d-7

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

12

Watts

16

16

Tensão de ensaio

Volts

13,5

13,5

Valores normais

Watts

17 máx.

17 máx.

Fluxo luminoso

PC16W

300 ± 15 %

 

PCY16W

180 ± 20 %

 

PCR16W

70 ± 20 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente

13,5 V

Branco:300 lm

Âmbar:180 lm

Vermelho:70 lm

CATEGORIAS PC16W, PCY16W E PCR16W — Folha PC16W/3

Disposições relativas ao ecrã de controlo

Este ensaio permite determinar se uma lâmpada obedece aos requisitos, verificando-se se é correcta a posição do filamento em relação ao eixo de referência e ao plano de referência.

Image

 

a1

a2

b1, b2

c1

c2

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

2,9

3,9

0,5

5,2

3,8

Lâmpadas de incandescência normalizadas

1,5

1,7

0,25

4,7

3,8

A posição do filamento é verificada em dois planos perpendiculares entre si, sendo um deles o plano definido pelos eléctrodos de alimentação.

As extremidades do filamento, tal como definidas na nota 5/ da folha PC16W/2, devem ficar, respectivamente, entre as linhas Z1 e Z2 e entre as linhas Z3 e Z4.

O filamento deve estar situado inteiramente dentro dos limites indicados.

CATEGORIA PR21W — Folha PR21W/1

Os desenhos destinam-se apenas a ilustrar as dimensões essenciais (em mm) da lâmpada de incandescência.

Image

Dimensões em mm

Lâmpadas de incandescência de fabrico corrente

Lâmpadas de incandescência normalizadas

mín.

nom.

máx.

(4)

e

12 V

 

31,8 (3)

 

31,8 ± 0,3

24 V

30,8

31,8

32,8

 

f

12 V

5,5

6,0

7,0

6,0 ± 0,5

Desvio lateral (1)

12 V

 

 

(3)

0,3 máx

24 V

 

 

1,5

 

β

75°

90°

105°

90° ± 5°

Casquilho BAW15s em conformidade com a publicação CEI 60061 (folha 7004-11E-1)

CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS E FOTOMÉTRICAS

Valores nominais

Volts

12

24

12

Watts

21

21

Tensão de ensaio

Volts

13,5

28,0

 

Valores normais

Watts

26,5 máx.

29,7 máx.

26,5 máx.

Fluxo luminoso

110 ± 20 %

 

Fluxo luminoso de referência a aproximadamente 13,5 V

Branco:460 lm

Vermelho: 110 lm

 

(1)

Desvio lateral máximo do centro do filamento em relação a dois planos perpendiculares entre si contendo o eixo de referência, e compreendendo um deles o eixo do espigão de referência.

(2)

A luz emitida pelas lâmpadas de fabrico corrente deve ser vermelha (ver igualmente nota 4/).

(3)

A controlar por meio de um «Box System»; folha P21W/2.

(4)

A luz e