24.2.2021   

PT

Jornal Oficial da União Europeia

C 64/7


Publicação de uma comunicação relativa à aprovação de uma alteração normalizada do caderno de especificações de uma denominação do setor vitivinícola a que se refere o artigo 17.o, n.os 2 e 3, do Regulamento Delegado (UE) 2019/33 da Comissão

(2021/C 64/06)

A presente comunicação é publicada nos termos do artigo 17.o, n.o 5, do Regulamento Delegado (UE) 2019/33 da Comissão (1).

COMUNICAÇÃO DA APROVAÇÃO DE UMA ALTERAÇÃO NORMALIZADA

«TAURASI»

PDO-IT-A0237-AM04

Data da comunicação: 16.11.2020

DESCRIÇÃO E MOTIVOS DA ALTERAÇÃO APROVADA

1.   Supressão do adjetivo «rosso» (tinto) após o nome taurasi

Trata-se de uma adaptação formal conforme à legislação em vigor e em consonância com a denominação do produto.

A alteração diz respeito aos artigos 1.o e 6.o do caderno de especificações e à secção 4 do documento único.

2.   Inclusão da possibilidade de rega complementar

Tendo em conta as alterações climáticas e o aumento das condições de stress hídrico e térmico das plantas, autoriza-se a rega complementar para garantir o prosseguimento regular das atividades fisiológicas.

A alteração diz respeito ao artigo 4.o do caderno de especificações e não se aplica ao documento único.

3.   Inclusão da menção «vigna»

Na denominação dos vinhos da DOP «Taurasi», é permitida a utilização de indicações toponímicas referentes à «vigna» (vinha). Pretende-se com isto precisar a descrição do vinho, sublinhando a origem exclusiva das uvas de determinadas vinhas, conforme a legislação em vigor.

A alteração diz respeito ao artigo 7.o do caderno de especificações e não se aplica ao documento único.

4.   Relação com a área geográfica retificação do caderno de especificações

O caderno de especificações e o documento único foram retificados e o seu conteúdo harmonizado.

Trata-se de uma retificação formal, que não invalida a ligação referida no artigo 93.o, n.o 1, alínea a), subalínea i), do Regulamento (UE) n.o 1308/2013.

A alteração diz respeito ao artigo 9.o do caderno de especificações e à secção 8 do documento único.

DOCUMENTO ÚNICO

1.   Nome do produto

Taurasi

2.   Tipo de indicação geográfica:

DOP — Denominação de origem protegida

3.   Categorias de produtos vitivinícolas

1.

Vinho

4.   Descrição dos vinhos:

Taurasi

Cor: vermelho-rubi intenso, tendendo para o vermelho-granada. Adquire reflexos alaranjados com o envelhecimento;

Nariz: característico, etéreo, agradável, de intensidade variável;

Boca: seco, pleno, harmonioso, equilibrado, com um fim de boca persistente;

Título alcoométrico volúmico total mínimo: 12%;

Extrato não redutor mínimo: 22 g/l.

Os parâmetros analíticos não indicados no quadro cumprem os limites estabelecidos na legislação nacional e da UE.

Características analíticas gerais

Título alcoométrico total máximo (% vol.):

 

Título alcoométrico adquirido mínimo (% vol.):

 

Acidez total mínima:

5 gramas por litro, expressa em ácido tartárico

Acidez volátil máxima (miliequivalentes por litro):

 

Teor máximo total de dióxido de enxofre (miligramas por litro):

 

Taurasi Riserva

Cor: vermelho-rubi intenso, tendendo para o vermelho-granada. Adquire reflexos alaranjados com o envelhecimento;

Nariz: característico, etéreo, agradável, de intensidade variável;

Boca: seco, pleno, harmonioso, equilibrado, com um fim de boca persistente;

Título alcoométrico volúmico total mínimo: 12,5%;

Extrato não redutor mínimo: 22 g/l.

Os parâmetros analíticos não indicados no quadro cumprem os limites estabelecidos na legislação nacional e da UE.

Características analíticas gerais

Título alcoométrico total máximo (% vol.):

 

Título alcoométrico adquirido mínimo (% vol.):

 

Acidez total mínima:

5,0 gramas por litro, expressa em ácido tartárico

Acidez volátil máxima (miliequivalentes por litro):

 

Teor máximo total de dióxido de enxofre (miligramas por litro):

 

5.   Práticas de vinificação

a)   Práticas enológicas específicas

Taurasi e Taurasi reserva — período mínimo de envelhecimento

Prática enológica específica

Os vinhos com denominação de origem controlada e garantida «Taurasi» são obrigatoriamente submetidos a um período mínimo de envelhecimento de três anos, um dos quais, pelo menos, em barrica de madeira.

Os vinhos com denominação de origem controlada e garantida «Taurasi» do tipo «reserva» são obrigatoriamente submetidos a um período mínimo de envelhecimento de quatro anos, passando, pelo menos, dezoito meses em barrica de madeira.

b)   Rendimentos máximos

Taurasi e Taurasi Riserva

10 000 quilogramas de uvas por hectare

6.   Área geográfica delimitada

A área de produção compreende todo o território administrativo dos seguintes municípios da província de Avellino: Bonito, Castelfranci, Castelvetere sul Calore, Fontanarosa, Lapio, Luogosano, Mirabella Eclano, Montefalcione, Montemarano, Montemileto, Paternopoli, Pietradefusi, Sant’Angelo all’Esca, San Mango sul Calore, Torre le Nocelle e Venticano.

7.   Principais castas de uva de vinho

Aglianico N. – Ellenica

Aglianico N. – Ellenico

Aglianico N. – Glianica

Aglianico N. – Glianico

8.   Descrição da(s) relação(ões)

«Taurasi e Taurasi Riserva DOP — Vinho»

Fatores naturais:

 

A área de delimitação da DOP «Taurasi» é constituída por colinas e faldas que seguem o curso do rio Calore e fazem parte da dorsal meridional dos Apeninos. Situada no planalto irpinio, esta área caracteriza-se por ter condições climáticas e pedológicas muito heterogéneas; em algumas áreas de colina, as vinhas alternam com zonas arborizadas (castanheiros e faias) e pomares (pêssegos, avelãs e figos). O clima caracteriza-se por fortes variações de temperatura entre o dia e a noite, com invernos muito frios, não sendo raras as quedas de neve na região da Irpinia, facto pouco habitual a estas altitudes.

 

Na composição do solo, observam-se também quantidades significativas de materiais piroclásticos provenientes de erupções vulcânicas da Antiguidade. Esta zona de colinas altas está coberta de viçosos vinhedos da casta aglianico, com uma história muito antiga, provavelmente originária da Grécia, de onde provém o seu antigo nome ellenico. Introduzida em Itália por volta do século VII-VI a.C., encontrou o seu habitat ideal nas zonas frias dos Apeninos do Sul, em especial na Campânia.

Fatores históricos e humanos:

 

A cultura antiga e generalizada da vinha nesta área deu origem ao desenvolvimento de um sistema particular de condução, conhecido como «alberata taurasina» ou «antico sistema taurasino», que remonta à época etrusca.

 

No século XIX, a área foi poupada, durante algum tempo, à filoxera que destruiu os vinhedos europeus; em consequência, a produção da época — estimada em mais de um milhão de hectolitros — permitiu difundir e aumentar o comércio de vinhos da Irpinia para o norte da Itália e para o resto da Europa, tanto que a linha férrea que atravessa Taurasi ficou conhecida como «Ferrovia del vino».

 

Em 1879, graças à forte determinação de Francesco de Sanctis, a abertura do Instituto Agrícola e Enológico de Avellino permitiu preservar e melhorar, através de estudos experimentais sobre técnicas enológicas, o potencial varietal da casta aglianico.

 

Foi, assim, possível desenvolver o setor vitivinícola, plantando novas vinhas que substituíram, ao longo do tempo, a tradicional condução em «alberata taurasina» pelos sistemas mais racionais de espaldeira, com poda em Guyot e cordão Royat, reduzindo o rendimento da produção e enobrecendo a qualidade dos vinhos produzidos.

 

A DOP «Taurasi» está ligada à casta aglianico. Os «Taurasi», nos seus diferentes tipos, «Taurasi» e «Taurasi Riserva», são vinhos estruturados, elegantes, austeros, mas equilibrados, tânicos, fechados quando jovens, com capacidade para envelhecer muito tempo, com grande mineralidade, bom teor alcoólico, corpo e plenitude, que encontram o seu equilíbrio em garrafa.

 

Os fatores naturais acima descritos e a tradição vitícola milenar estão ligados ao desenvolvimento sócio-económico desta zona na província de Avellino, que continua a comercializar os vinhos da DOP «Taurasi» no mercado nacional e internacional, graças às melhores práticas culturais e tecnológicas.

9.   Outras condições essenciais (acondicionamento, rotulagem, outros requisitos)

«Taurasi» e «Taurasi» reserva — DOP

Quadro jurídico:

Legislação nacional

Tipo de condição adicional:

Disposições adicionais relativas à rotulagem

Descrição das condições:

Os vinhos DOP «Taurasi» devem ser comercializados em garrafas de vidro ou outros recipientes com uma capacidade máxima de 5 litros; as garrafas devem ter a forma bordalesa ou borgonhesa; devem ser feitas de vidro escuro e vedadas com rolha de cortiça.

Hiperligação para o caderno de especificações

https://www.politicheagricole.it/flex/cm/pages/ServeBLOB.php/L/IT/IDPagina/16175


(1)  JO L9 de 11.1.2019, p. 2.