EUR-Lex Access to European Union law

Back to EUR-Lex homepage

This document is an excerpt from the EUR-Lex website

Document 31996R2404

Regulamento (CE) nº 2404/96 da Comissão de 17 de Dezembro de 1996 que altera o Regulamento (CEE) nº 2282/90 que estabelece regras de execução das medidas destinadas a aumentar o consumo e a utilização de maçãs, bem como o consumo de citrinos

OJ L 327, 18.12.1996, p. 27–31 (ES, DA, DE, EL, EN, FR, IT, NL, PT, FI, SV)

No longer in force, Date of end of validity: 25/01/2002

ELI: http://data.europa.eu/eli/reg/1996/2404/oj

31996R2404

Regulamento (CE) nº 2404/96 da Comissão de 17 de Dezembro de 1996 que altera o Regulamento (CEE) nº 2282/90 que estabelece regras de execução das medidas destinadas a aumentar o consumo e a utilização de maçãs, bem como o consumo de citrinos

Jornal Oficial nº L 327 de 18/12/1996 p. 0027 - 0031


REGULAMENTO (CE) Nº 2404/96 DA COMISSÃO de 17 de Dezembro de 1996 que altera o Regulamento (CEE) nº 2282/90 que estabelece regras de execução das medidas destinadas a aumentar o consumo e a utilização de maçãs, bem como o consumo de citrinos

A COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia,

Tendo em conta o Regulamento (CEE) nº 1195/90 do Conselho, de 7 de Maio de 1990, relativo a medidas destinadas a aumentar o consumo e a utilização de maçãs (1), e, nomeadamente, o seu artigo 5º,

Tendo em conta o Regulamento (CEE) nº 1201/90 do Conselho, de 7 de Maio de 1990, relativo a medidas destinadas a aumentar o consumo de citrinos (2), e, nomeadamente, o seu artigo 4º,

Considerando que o Regulamento (CEE) nº 2282/90 da Comissão (3), com a última redacção que lhe foi dada pelo Regulamento (CE) nº 1907/94 (4), definiu as regras de execução das medidas destinadas a aumentar o consumo e a utilização de maçãs e o consumo de citrinos;

Considerando que, dada a experiência adquirida e para assegurar que as acções sejam estabelecidas com base nos dados mais recentes, é oportuno reduzir o período compreendido entre a data limite de apresentação dos pedidos de contribuição e o início da campanha de promoção; que, para esse efeito, é necessário adaptar o artigo 5º do Regulamento (CEE) nº 2282/90;

Considerando que é conveniente adaptar as condições de assinatura dos contratos e de pagamento a que se referem, respectivamente, os artigos 7º e 8º do mesmo regulamento, a fim de os harmonizar com as constantes do Regulamento (CEE) nº 3582/93 da Comissão (5), alterado pelo Regulamento (CE) nº 2134/96 (6), relativo à promoção do consumo de leite na Comunidade, e do Regulamento (CEE) nº 1318/93 (7), com a última redacção que lhe foi dada pelo Regulamento (CE) nº 715/96 (8), relativo à promoção de carne de bovino de qualidade;

Considerando que, por razões de boa gestão financeira, é necessário estabelecer a realização de uma avaliação independente das acções programadas em complemento da avaliação interna já inscrita no nº 4, terceiro travessão, do artigo 8º do Regulamento (CEE) nº 2282/90, assim como definir as regras de execução e de financiamento dessa avaliação externa;

Considerando que o Regulamento (CEE) nº 2282/90 estabelece, no ponto 6 do seu anexo II, que o custo do programa deve ser expresso em moeda nacional; que é igualmente necessário, por razões de harmonia com os outros regulamentos específicos de promoção, precisar que o custo do programa e o respectivo orçamento devem ser expressos em ecus;

Considerando que é necessário, por conseguinte, alterar o Regulamento (CEE) nº 2282/90;

Considerando que as medidas previstas no presente regulamento estão em conformidade com o parecer do Comité de gestão das frutas e produtos hortícolas,

ADOPTOU O PRESENTE REGULAMENTO:

Artigo 1º

O Regulamento (CEE) nº 2282/90 é alterado do seguinte modo:

1. No artigo 5º, as datas de «31 de Agosto», «30 de Setembro» e «31 de Outubro» são substituídas, respectivamente, pelas datas de «31 de Outubro», «30 de Novembro» e «31 de Dezembro».

2. No primeiro parágrafo do artigo 6º, a expressão «no mais breve prazo possível» é substituída pela expressão «antes de 15 de Julho do ano seguinte ao da apresentação.».

3. O artigo 7º passa a ter a seguinte redacção:

«Artigo 7º

1. Os interessados serão informados com a maior brevidade pelo organismo competente contratante do seguimento dado aos seus pedidos de contribuição.

2. Os organismos competentes contratantes celebrarão com os interessados, no prazo de dois meses a contar da notificação da lista, os contratos relativos às acções seleccionadas.

Para esse efeito, os organismos utilizarão contratos-tipo que a Comissão porá à sua disposição. Estes contratos incluirão as condições gerais aplicáveis que o contratante deve conhecer e aceitar.

3. O contrato só produz efeitos após constituição, a favor do organismo competente, de uma garantia igual a 15 % do montante do financiamento pela Comunidade, destinada a garantir a execução do contrato.

Quando a prova da constituição da garantia não for transmitida ao organismo competente nas duas semanas seguintes à data de celebração do contrato, o contrato torna-se inexistente por falta de objecto.

A garantia será constituída nas condições enunciadas no título III do Regulamento (CEE) nº 2220/85 da Comissão (*).

A exigência principal, na acepção do artigo 20º do referido regulamento, consiste na execução, nos prazos previstos, nas medidas constantes do contrato.

A liberação da garantia efectuar-se-á nos prazos e nas condições referidas nos pontos 4 e 6 do artigo 8º do presente regulamento.

(*) JO nº L 205 de 3. 8. 1985, p. 5.».

4. O artigo 8º passa a ter a seguinte redacção:

«Artigo 8º

Os interessados apresentarão os pedidos de pagamento ao organismo competente contratante nas seguintes condições:

1. O interessado poderá apresentar um pedido de adiantamento a partir da data do início da produção de efeitos do contrato.

O adiantamento poderá ascender a, no máximo, 30 % do montante do financiamento comunitário.

O pagamento do adiantamento fica sujeito à constituição, em favor do organismo competente e nas condições constantes do Regulamento (CEE) nº 2220/85, de uma garantia de montante igual a 110 % do adiantamento.

2. Os pagamentos efectuar-se-ão com base em facturas trimestrais, acompanhadas dos documentos comprovativos e de um relatório intercalar de execução do contrato.

Todavia, os pagamentos e o adiantamento a que se refere o nº 1 não poderão exceder, globalmente, 75 % da totalidade da contribuição financeira comunitária.

3. O pedido de pagamento do saldo deve ser apresentado até ao fim do quarto mês seguinte à data de conclusão das acções previstas no contrato. O pedido deve ser acompanhado de:

- documentos comprovativos adequados,

- mapa recapitulativo das realizações,

- relatório de avaliação dos resultados obtidos, verificáveis à data do relatório, e da exploração que deles poderá ser feita.

Salvo caso de força maior, a apresentação tardia do pedido de pagamento do saldo, acompanhado da documentação, implica uma redução do saldo em 3 % por cada mês de atraso.

4. O pagamento do saldo fica sujeito à verificação dos documentos referidos no nº 3.

O saldo será reduzido proporcionalmente ao incumprimento da exigência principal a que se refere o nº 3 do artigo 7º

5. A garantia referida no nº 1 será liberada na medida em que o direito definitivo ao montante adiantado tenha sido estabelecido no momento do pagamento do saldo.

6. O organismo competente contratante efectuará os pagamentos previstos no presente artigo no prazo de três meses a contar da recepção do pedido. Todavia, o mesmo organismo pode diferir os pagamentos referidos nos nºs 2 e 4 caso sejam necessárias verificações complementares.

7. O organismo competente contratante transmitirá o mais depressa possível à Comissão os relatórios de avaliação referidos no nº 3.

8. A taxa de conversão agrícola aplicável rege-se pelas disposições do Regulamento (CEE) nº 1068/93 da Comissão (*).

(*) JO nº L 108 de 1. 5. 1993, p. 106.».

5. É aditado o seguinte artigo:

«Artigo 9ºA

O interessado encarregará um organismo independente da realização de uma avaliação externa das acções programadas e aprovadas. O interessado indicará no seu pedido o nome do organismo escolhido com base num concurso (três propostas, no mínimo) e os motivos da sua escolha.

A avaliação externa deve incluir:

- uma análise ex ante da adequação das acções aprovadas aos objectivos gerais e específicos fixados no programa,

- um acompanhamento das acções programadas com base numa amostra significativa,

- uma avaliação ex post dos resultados obtidos em relação aos objectivos estabelecidos,

- uma medição da relação custo/eficácia, acção por acção, e para o conjunto do programa, com base em indicadores de execução (resultado e impacto).

O financiamento desta avaliação será assegurado nas mesmas condições que o conjunto das acções programadas.».

6. O artigo 10º passa a ter a seguinte redacção:

«Artigo 10º

1. Em caso de pagamento indevido, o beneficiário será obrigado a reembolsar os montantes em causa, acrescidos de juros calculados em função do prazo decorrido entre o pagamento e o reembolso pelo beneficiário.

A taxa de juro será a aplicada pelo Fundo europeu de cooperação Monetária às suas operações em ecus, publicada no Jornal Oficial das Comunidades Europeias, série C, em vigor à data do pagamento indevido, majorada de 3 %.

2. Os montantes recuperados, assim como os juros, serão pagos aos organismos ou serviços pagadores e por estes deduzidos das despesas financiadas pelo Fundo europeu de orientação e garantia agrícola, na proporção da participação financeira comunitária.».

7. Nos pontos I.6 e III.1 do anexo II, os termos «moeda nacional» são substituídos por «ECU».

8. O anexo do presente regulamento é aditado como anexo III.

Artigo 2º

O presente regulamento entra em vigor no sétimo dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial das Comunidades Europeias.

O presente regulamento só é aplicável aos pedidos apresentados a partir da data da sua entrada em vigor.

O presente regulamento é obrigatório em todos os seus elementos e directamente aplicável em todos os Estados-membros.

Feito em Bruxelas, em 17 de Dezembro de 1996.

Pela Comissão

Franz FISCHLER

Membro da Comissão

ANEXO

«ANEXO III

LISTA DOS ORGANISMOS COMPETENTES

>POSIÇÃO NUMA TABELA>

REGULAMENTO (CE) Nº 2404/96 DA COMISSÃO de 17 de Dezembro de 1996 que altera o Regulamento (CEE) nº 2282/90 que estabelece regras de execução das medidas destinadas a aumentar o consumo e a utilização de maçãs, bem como o consumo de citrinos

A COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia,

Tendo em conta o Regulamento (CEE) nº 1195/90 do Conselho, de 7 de Maio de 1990, relativo a medidas destinadas a aumentar o consumo e a utilização de maçãs (1), e, nomeadamente, o seu artigo 5º,

Tendo em conta o Regulamento (CEE) nº 1201/90 do Conselho, de 7 de Maio de 1990, relativo a medidas destinadas a aumentar o consumo de citrinos (2), e, nomeadamente, o seu artigo 4º,

Considerando que o Regulamento (CEE) nº 2282/90 da Comissão (3), com a última redacção que lhe foi dada pelo Regulamento (CE) nº 1907/94 (4), definiu as regras de execução das medidas destinadas a aumentar o consumo e a utilização de maçãs e o consumo de citrinos;

Considerando que, dada a experiência adquirida e para assegurar que as acções sejam estabelecidas com base nos dados mais recentes, é oportuno reduzir o período compreendido entre a data limite de apresentação dos pedidos de contribuição e o início da campanha de promoção; que, para esse efeito, é necessário adaptar o artigo 5º do Regulamento (CEE) nº 2282/90;

Considerando que é conveniente adaptar as condições de assinatura dos contratos e de pagamento a que se referem, respectivamente, os artigos 7º e 8º do mesmo regulamento, a fim de os harmonizar com as constantes do Regulamento (CEE) nº 3582/93 da Comissão (5), alterado pelo Regulamento (CE) nº 2134/96 (6), relativo à promoção do consumo de leite na Comunidade, e do Regulamento (CEE) nº 1318/93 (7), com a última redacção que lhe foi dada pelo Regulamento (CE) nº 715/96 (8), relativo à promoção de carne de bovino de qualidade;

Considerando que, por razões de boa gestão financeira, é necessário estabelecer a realização de uma avaliação independente das acções programadas em complemento da avaliação interna já inscrita no nº 4, terceiro travessão, do artigo 8º do Regulamento (CEE) nº 2282/90, assim como definir as regras de execução e de financiamento dessa avaliação externa;

Considerando que o Regulamento (CEE) nº 2282/90 estabelece, no ponto 6 do seu anexo II, que o custo do programa deve ser expresso em moeda nacional; que é igualmente necessário, por razões de harmonia com os outros regulamentos específicos de promoção, precisar que o custo do programa e o respectivo orçamento devem ser expressos em ecus;

Considerando que é necessário, por conseguinte, alterar o Regulamento (CEE) nº 2282/90;

Considerando que as medidas previstas no presente regulamento estão em conformidade com o parecer do Comité de gestão das frutas e produtos hortícolas,

ADOPTOU O PRESENTE REGULAMENTO:

Artigo 1º

O Regulamento (CEE) nº 2282/90 é alterado do seguinte modo:

1. No artigo 5º, as datas de «31 de Agosto», «30 de Setembro» e «31 de Outubro» são substituídas, respectivamente, pelas datas de «31 de Outubro», «30 de Novembro» e «31 de Dezembro».

2. No primeiro parágrafo do artigo 6º, a expressão «no mais breve prazo possível» é substituída pela expressão «antes de 15 de Julho do ano seguinte ao da apresentação.».

3. O artigo 7º passa a ter a seguinte redacção:

«Artigo 7º

1. Os interessados serão informados com a maior brevidade pelo organismo competente contratante do seguimento dado aos seus pedidos de contribuição.

2. Os organismos competentes contratantes celebrarão com os interessados, no prazo de dois meses a contar da notificação da lista, os contratos relativos às acções seleccionadas.

Para esse efeito, os organismos utilizarão contratos-tipo que a Comissão porá à sua disposição. Estes contratos incluirão as condições gerais aplicáveis que o contratante deve conhecer e aceitar.

3. O contrato só produz efeitos após constituição, a favor do organismo competente, de uma garantia igual a 15 % do montante do financiamento pela Comunidade, destinada a garantir a execução do contrato.

Quando a prova da constituição da garantia não for transmitida ao organismo competente nas duas semanas seguintes à data de celebração do contrato, o contrato torna-se inexistente por falta de objecto.

A garantia será constituída nas condições enunciadas no título III do Regulamento (CEE) nº 2220/85 da Comissão (*).

A exigência principal, na acepção do artigo 20º do referido regulamento, consiste na execução, nos prazos previstos, nas medidas constantes do contrato.

A liberação da garantia efectuar-se-á nos prazos e nas condições referidas nos pontos 4 e 6 do artigo 8º do presente regulamento.

(*) JO nº L 205 de 3. 8. 1985, p. 5.».

4. O artigo 8º passa a ter a seguinte redacção:

«Artigo 8º

Os interessados apresentarão os pedidos de pagamento ao organismo competente contratante nas seguintes condições:

1. O interessado poderá apresentar um pedido de adiantamento a partir da data do início da produção de efeitos do contrato.

O adiantamento poderá ascender a, no máximo, 30 % do montante do financiamento comunitário.

O pagamento do adiantamento fica sujeito à constituição, em favor do organismo competente e nas condições constantes do Regulamento (CEE) nº 2220/85, de uma garantia de montante igual a 110 % do adiantamento.

2. Os pagamentos efectuar-se-ão com base em facturas trimestrais, acompanhadas dos documentos comprovativos e de um relatório intercalar de execução do contrato.

Todavia, os pagamentos e o adiantamento a que se refere o nº 1 não poderão exceder, globalmente, 75 % da totalidade da contribuição financeira comunitária.

3. O pedido de pagamento do saldo deve ser apresentado até ao fim do quarto mês seguinte à data de conclusão das acções previstas no contrato. O pedido deve ser acompanhado de:

- documentos comprovativos adequados,

- mapa recapitulativo das realizações,

- relatório de avaliação dos resultados obtidos, verificáveis à data do relatório, e da exploração que deles poderá ser feita.

Salvo caso de força maior, a apresentação tardia do pedido de pagamento do saldo, acompanhado da documentação, implica uma redução do saldo em 3 % por cada mês de atraso.

4. O pagamento do saldo fica sujeito à verificação dos documentos referidos no nº 3.

O saldo será reduzido proporcionalmente ao incumprimento da exigência principal a que se refere o nº 3 do artigo 7º

5. A garantia referida no nº 1 será liberada na medida em que o direito definitivo ao montante adiantado tenha sido estabelecido no momento do pagamento do saldo.

6. O organismo competente contratante efectuará os pagamentos previstos no presente artigo no prazo de três meses a contar da recepção do pedido. Todavia, o mesmo organismo pode diferir os pagamentos referidos nos nºs 2 e 4 caso sejam necessárias verificações complementares.

7. O organismo competente contratante transmitirá o mais depressa possível à Comissão os relatórios de avaliação referidos no nº 3.

8. A taxa de conversão agrícola aplicável rege-se pelas disposições do Regulamento (CEE) nº 1068/93 da Comissão (*).

(*) JO nº L 108 de 1. 5. 1993, p. 106.».

5. É aditado o seguinte artigo:

«Artigo 9ºA

O interessado encarregará um organismo independente da realização de uma avaliação externa das acções programadas e aprovadas. O interessado indicará no seu pedido o nome do organismo escolhido com base num concurso (três propostas, no mínimo) e os motivos da sua escolha.

A avaliação externa deve incluir:

- uma análise ex ante da adequação das acções aprovadas aos objectivos gerais e específicos fixados no programa,

- um acompanhamento das acções programadas com base numa amostra significativa,

- uma avaliação ex post dos resultados obtidos em relação aos objectivos estabelecidos,

- uma medição da relação custo/eficácia, acção por acção, e para o conjunto do programa, com base em indicadores de execução (resultado e impacto).

O financiamento desta avaliação será assegurado nas mesmas condições que o conjunto das acções programadas.».

6. O artigo 10º passa a ter a seguinte redacção:

«Artigo 10º

1. Em caso de pagamento indevido, o beneficiário será obrigado a reembolsar os montantes em causa, acrescidos de juros calculados em função do prazo decorrido entre o pagamento e o reembolso pelo beneficiário.

A taxa de juro será a aplicada pelo Fundo europeu de cooperação Monetária às suas operações em ecus, publicada no Jornal Oficial das Comunidades Europeias, série C, em vigor à data do pagamento indevido, majorada de 3 %.

2. Os montantes recuperados, assim como os juros, serão pagos aos organismos ou serviços pagadores e por estes deduzidos das despesas financiadas pelo Fundo europeu de orientação e garantia agrícola, na proporção da participação financeira comunitária.».

7. Nos pontos I.6 e III.1 do anexo II, os termos «moeda nacional» são substituídos por «ECU».

8. O anexo do presente regulamento é aditado como anexo III.

Artigo 2º

O presente regulamento entra em vigor no sétimo dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial das Comunidades Europeias.

O presente regulamento só é aplicável aos pedidos apresentados a partir da data da sua entrada em vigor.

O presente regulamento é obrigatório em todos os seus elementos e directamente aplicável em todos os Estados-membros.

Feito em Bruxelas, em 17 de Dezembro de 1996.

Pela Comissão

Franz FISCHLER

Membro da Comissão

ANEXO

«ANEXO III

LISTA DOS ORGANISMOS COMPETENTES

>POSIÇÃO NUMA TABELA>

Top