Accept Refuse

EUR-Lex Access to European Union law

Back to EUR-Lex homepage

This document is an excerpt from the EUR-Lex website

Document 62015TN0250

Processo T-250/15: Recurso interposto em 21 de maio de 2015 — Speciality Drinks/IHMI — William Grant (CLAN)

OJ C 245, 27.7.2015, p. 33–34 (BG, ES, CS, DA, DE, ET, EL, EN, FR, HR, IT, LV, LT, HU, MT, NL, PL, PT, RO, SK, SL, FI, SV)

27.7.2015   

PT

Jornal Oficial da União Europeia

C 245/33


Recurso interposto em 21 de maio de 2015 — Speciality Drinks/IHMI — William Grant (CLAN)

(Processo T-250/15)

(2015/C 245/39)

Língua em que o recurso foi interposto: inglês

Partes

Recorrente: Speciality Drinks Ltd (Londres, Reino Unido) (representante: G. Pritchard, Barrister)

Recorrido: Instituto de Harmonização do Mercado Interno (marcas, desenhos e modelos) (IHMI)

Outra parte no processo na Câmara de Recurso: William Grant & Sons Ltd (Dufftown, Reino Unido)

Dados relativos à tramitação no IHMI

Requerente: Recorrente

Marca controvertida em causa: Marca nominativa comunitária «CLAN» — Pedido de registo n.o 10 025 815

Tramitação no IHMI: Processo de oposição

Decisão impugnada: Decisão da Primeira Câmara de Recurso do IHMI de 5 de março de 2015 no processo R 220/2014-1

Pedidos

A recorrente conclui pedindo que o Tribunal Geral se digne:

anular a decisão impugnada e indeferir a oposição;

ordenar que a repartição das despesas seja efetuada em favor da recorrente e/ou que a condenação nas despesas pela Primeira Câmara de Recurso seja anulada.

Fundamentos invocados

A Câmara de Recurso errou na caracterização do nível de atenção do «consumidor relevante» na aceção do artigo 8.o, n.o 1, alínea b), do Regulamento n.o 207/2009;

A Câmara de Recurso não decidiu se «CLAN», quando usado em conjunto com «MACGREGOR», é um termo inventado (ou seja, sem significado) para o consumidor relevante ou, em alternativa, é um termo com um significado que aquele entende;

A Câmara de Recurso não analisou a semelhança das marcas de acordo com a base jurídica e/ou factual correta,

A Câmara de Recurso não analisou o risco de confusão de acordo com a base jurídica e/ou factual correta.


Top