EUR-Lex Access to European Union law

Back to EUR-Lex homepage

This document is an excerpt from the EUR-Lex website

A agricultura na UE - regras de financiamento, gestão e acompanhamento

A agricultura na UE - regras de financiamento, gestão e acompanhamento

 

SÍNTESE DE:

Regulamento (UE) n.o 1306/2013 relativo ao financiamento, à gestão e ao acompanhamento da Política Agrícola Comum

QUAL É O OBJETIVO DESTE REGULAMENTO?

Sendo um dos atos base da Política Agrícola Comum (PAC) da UE, o regulamento estabelece as regras de financiamento, gestão e acompanhamento ao abrigo dos 2 principais fundos da PAC.

Este regulamento foi alterado por diversas vezes, mais recentemente pelo Regulamento (UE) 2017/2393.

PONTOS-CHAVE

Âmbito

O regulamento estabelece as regras relativas:

  • ao financiamento das despesas no âmbito da PAC, incluindo as do desenvolvimento rural;
  • ao sistema de aconselhamento agrícola;
  • aos sistemas de gestão e de controlo a instituir pelos países da UE;
  • ao sistema de condicionalidade;
  • ao apuramento das contas.

Fundos de financiamento da PAC

Estrutura de governação

  • Ambos os fundos são administrados numa gestão partilhada entre a UE e os países da UE.
  • Organismos pagadores:
    • Serviços ou organismos dos países da UE.
    • São responsáveis pela gestão e pelo controlo das despesas.
    • Devem cumprir as regras estabelecidas pela Comissão Europeia.
  • Organismos de certificação:
    • Entidades públicas ou privadas designadas pelos países da UE.
    • Emitem pareceres, elaborados nos termos das normas de auditoria internacionalmente aceites, sobre:
      • a integralidade, exatidão e veracidade das contas anuais do organismo pagador;
      • o bom funcionamento do seu sistema interno de controlo;
      • a legalidade e regularidade das despesas cujo reembolso foi solicitado à Comissão.

Gestão financeira

O regulamento estabelece as regras para a gestão financeira de ambos os fundos, incluindo:

  • o FEAGA
    • financiamento de despesas — incluindo o limite máximo orçamental e procedimento para pagamentos
    • disciplina orçamental — incluindo um aviso inicial mensal e um sistema de acompanhamento;
  • o FEADER
    • financiamento de programas de desenvolvimento rural — incluindo contribuições financeiras do e para o FEADER e compromissos orçamentais
    • contribuição financeira para programas de desenvolvimento rural — incluindo acordos de pré-financiamento e pagamentos intercalares;
  • meios que permitam à Comissão concluir que foram efetuadas despesas nos termos das normas da UE - incluindo o poder para reduzir ou suspender os pagamentos.

Apuramento das contas

  • Verificações no local organizadas pela Comissão nos países da UE, a fim de verificar:
    • a conformidade das práticas administrativas com as normas da UE;
    • a existência dos documentos comprovativos necessários e a sua correspondência com as operações financiadas pelos fundos;
    • se as condições de financiamento pelo FEAGA ou pelo FEADER foram cumpridas e verificadas;
    • a acreditação dos organismos pagadores.
  • Acesso a informações e documentos — os países da UE devem facultar todas as informações e documentos necessários à Comissão.
  • Processo de apuramento das contas — a Comissão adota um procedimento consultivo que inclua a sua decisão relativamente à integralidade, exatidão e veracidade das contas anuais apresentadas pelos organismos pagadores acreditados.
  • Apuramento da conformidade — sempre que as despesas não estejam conformes com a legislação nacional e da UE aplicáveis, a Comissão determinará o montante a ser excluído do financiamento da UE.
  • Irregularidades — sempre que um pagamento indevido tenha sido efetuado na sequência de irregularidade ou negligência, os países da UE deverão pedir o reembolso aos beneficiários no prazo de 18 meses, juntamente com um relatório que declare que ocorreu uma irregularidade.

Controlos

  • De modo a garantir que o apoio é atribuído corretamente aos beneficiários, os países da UE deverão instaurar sistemas de gestão eficientes. Os países da UE deverão criar e utilizar um sistema de gestão e controlo para determinados pagamentos a agricultores, o Sistema integrado de gestão e controlo.
  • Os requisitos de controlo serão reduzidos nas regiões em que os controlos anteriormente efetuados tenham tido bons resultados e aumentados nas regiões onde existam problemas.
  • Controlo das transações. O regulamento estabelece regras específicas aplicáveis ao controlo dos documentos comerciais dos organismos pagadores ou dos beneficiários (ou seus representantes) que estão direta ou indiretamente associados ao sistema de financiamento pelo FEAGA, a fim de verificar se as transações foram efetivamente registadas no sistema e executadas de forma correta.

Sanções

O regulamento estabelece que, além do não pagamento ou da retirada de um pagamento, os países da UE devem impor sanções administrativas aos beneficiários que não cumpram as obrigações, compromissos e critérios de elegibilidade.

Controlo da condicionalidade

Todos os pagamentos diretos, determinados pagamentos respeitantes ao desenvolvimento rural e ao setor vitivinícola estão sujeitos ao cumprimento de um conjunto de requisitos mínimos legais relativos:

  • ao ambiente;
  • às alterações climáticas;
  • às condições agrícolas dos solos;
  • à saúde pública, saúde animal e fitossanidade, e
  • ao bem-estar dos animais

Sistema de aconselhamento agrícola

Os países da UE devem estabelecer um sistema de aconselhamento agrícola para aconselhar os beneficiários sobre a gestão dos solos e a gestão das explorações agrícolas.

O sistema de aconselhamento agrícola abrange, pelo menos:

  • os requisitos e normas de controlo da condicionalidade;
  • as práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente, e a manutenção da superfície agrícola;
  • as medidas a nível da exploração previstas nos programas de desenvolvimento rural tendo em vista a modernização das explorações, a consolidação da competitividade, a integração setorial, a inovação e a orientação para o mercado, bem como a promoção do empreendedorismo;
  • a garantia de que os consultores possuem qualificações adequadas e recebem formação.

Regras comuns

O regulamento estabelece ainda uma série de regras comuns que abrangem questões como:

  • a informação apresentada à Comissão pelos países da UE e a sua utilização;
  • a utilização do euro e a taxa de câmbio aplicada;
  • a definição de um quadro de acompanhamento e avaliação destinado a avaliar o desempenho da PAC;
  • o requisito para a transparência de todos os beneficiários, com exceção das explorações abrangidas pelo regime aplicável aos pequenos agricultores.

Pandemia de COVID-19

Na sequência da pandemia causada pela COVID-19, o Regulamento (UE) 2020/531 veio permitir aos países da UE efetuarem um nível de adiantamento mais elevado relativamente aos pagamentos diretos aos beneficiários durante o ano de 2020. Essa medida visa compensar os potenciais atrasos nos pagamentos da ajuda, resultantes de dificuldades administrativas excecionais suscetíveis de atrasar a realização dos controlos.

A PARTIR DE QUANDO É APLICÁVEL O REGULAMENTO?

O regulamento é aplicável desde 1 de janeiro de 2014.

CONTEXTO

Para mais informações, consulte:

PRINCIPAL DOCUMENTO

Regulamento (UE) n.o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, relativo ao financiamento, à gestão e ao acompanhamento da Política Agrícola Comum e que revoga os Regulamentos (CEE) n.o 352/78, (CE) n.o 165/94, (CE) n.o 2799/98, (CE) n.o 814/2000, (CE) n.o 1290/2005 e (CE) n.o 485/2008 do Conselho (JO L 347 de 20.12.2013, p. 549-607).

As sucessivas alterações do Regulamento (UE) n.o 1306/2013 foram integradas no texto de base. A versão consolidada tem apenas valor documental.

DOCUMENTOS RELACIONADOS

Regulamento Delegado (UE) 2020/760 da Comissão, de 17 de dezembro de 2019, que complementa o Regulamento (UE) n.o 1308/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no respeitante às normas de gestão dos contingentes pautais de importação e de exportação sujeitos a certificados e que complementa o Regulamento (UE) n.o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no respeitante à constituição de garantias no âmbito da gestão de contingentes pautais (JO L 185 de 12.6.2020, p. 1-23).

Regulamento de Execução (UE) 2020/761 da Comissão, de 17 de dezembro de 2019, que estabelece normas de execução dos Regulamentos (UE) n.o 1306/2013, (UE) n.o 1308/2013 e (UE) n.o 510/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho no respeitante ao sistema de gestão dos contingentes pautais com certificados (JO L 185 de 12.6.2020, p. 24-252).

Regulamento de Execução (UE) 2020/531 da Comissão, de 16 de abril de 2020, que estabelece, no respeitante ao ano de 2020, uma derrogação ao artigo 75.o, n.o 1, terceiro parágrafo, do Regulamento (UE) n.o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, no que se refere ao nível dos adiantamentos relativos aos pagamentos diretos e às medidas de desenvolvimento rural relacionadas com a superfície e com animais, e ao artigo 75.o, n.o 2, primeiro parágrafo, do mesmo regulamento, no que se refere aos pagamentos diretos (JO L 119 de 17.4.2020, p. 1-2).

Regulamento de Execução (UE) n.o 908/2014 da Comissão, de 6 de agosto de 2014, que estabelece as normas de execução do Regulamento (UE) n.o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito aos organismos pagadores e outros organismos, gestão financeira, apuramento das contas, controlos, garantias e transparência (JO L 255 de 28.8.2014, p. 59-124).

Consulte a versão consolidada.

Regulamento de Execução (UE) n.o 809/2014 da Comissão, de 17 de julho de 2014, que estabelece as normas de execução do Regulamento (UE) n.o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito ao sistema integrado de gestão e de controlo, às medidas de desenvolvimento rural e à condicionalidade (JO L 227 de 31.7.2014, p. 69-124).

Consulte a versão consolidada.

Regulamento Delegado (UE) n.o 640/2014 da Comissão, de 11 de março de 2014, que completa o Regulamento (UE) n.o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito ao sistema integrado de gestão e de controlo e às condições de recusa ou retirada de pagamentos, bem como às sanções administrativas aplicáveis aos pagamentos diretos, ao apoio ao desenvolvimento rural e à condicionalidade (JO L 181 de 20.6.2014, p. 48-73).

Consulte a versão consolidada.

Regulamento Delegado (UE) n.o 906/2014 da Comissão, de 11 de março de 2014, que complementa o Regulamento (UE) n.o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito às despesas de intervenção pública (JO L 255 de 28.8.2014, p. 1-17).

Consulte a versão consolidada.

Regulamento Delegado (UE) n.o 907/2014 da Comissão, de 11 de março de 2014, que completa o Regulamento (UE) n.o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que se refere aos organismos pagadores e outros organismos, à gestão financeira, ao apuramento das contas, às garantias e à utilização do euro (JO L 255 de 28.8.2014, p. 18-58).

Consulte a versão consolidada.

Regulamento (UE) n.o 1305/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (Feader) e que revoga o Regulamento (CE) n.o 1698/2005 do Conselho (JO L 347 de 20.12.2013, p. 487-548).

Consulte a versão consolidada.

Regulamento (UE) n.o 1307/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, que estabelece regras para os pagamentos diretos aos agricultores ao abrigo de regimes de apoio no âmbito da política agrícola comum e que revoga o Regulamento (CE) n.o 637/2008 do Conselho e o Regulamento (CE) n.o 73/2009 do Conselho (JO L 347 de 20.12.2013, p. 608-670).

Consulte a versão consolidada.

Regulamento (UE) n.o 1308/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, que estabelece uma organização comum dos mercados dos produtos agrícolas e que revoga os Regulamentos (CEE) n.o 922/72, (CEE) n.o 234/79, (CE) n.o 1037/2001, (CE) n.o 1234/2007 do Conselho (JO L 347 de 20.12.2013, p. 671-854).

Consulte a versão consolidada.

Regulamento Delegado (UE) n.o 906/2014 da Comissão, de 11 de março de 2014, que complementa o Regulamento (UE) n.o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito às despesas de intervenção pública (JO L 255 de 28.8.2014, p. 1-17).

Consulte a versão consolidada.

Regulamento Delegado (UE) n.o 907/2014 da Comissão, de 11 de março de 2014, que completa o Regulamento (UE) n.o 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que se refere aos organismos pagadores e outros organismos, à gestão financeira, ao apuramento das contas, às garantias e à utilização do euro (JO L 255 de 28.8.2014, p. 18-58).

Consulte a versão consolidada.

última atualização 14.08.2020

Top