Help Print this page 

Summaries of EU Legislation

Title and reference
Acidentes e incidentes na aviação civil

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Multilingual display
Text

Acidentes e incidentes na aviação civil

 

SÍNTESE DE:

Regulamento (UE) n.o 996/2010 — Investigação e prevenção de acidentes e incidentes na aviação civil

PARA QUE SERVE ESTE REGULAMENTO?

  • O regulamento aqui apresentado visa reforçar a segurança da aviação, garantindo níveis de eficácia, de celeridade e de qualidade elevados nas investigações de segurança da aviação civil europeia.
  • Estabelece normas sobre a disponibilização atempada de informações relativas a todas as pessoas e mercadorias perigosas a bordo de uma aeronave envolvida num acidente.
  • Visa igualmente melhorar a assistência às vítimas de acidentes aéreos e aos seus familiares.

PONTOS-CHAVE

Âmbito de aplicação

  • Este regulamento aplica-se às investigações de segurança efetuadas a acidentes* e incidentes* graves:
    • ocorridos nos territórios dos países da União Europeia (UE);
    • ocorridos fora dos territórios dos países da UE, mas que envolvam aeronaves registadas num país da UE ou operadas por empresas estabelecidas num país da UE;
    • para os quais um país da UE tem direito (de acordo com as normas e práticas recomendadas internacionais) a designar um representante acreditado para participar na investigação;
    • em que um país terceiro que realiza a investigação autoriza um país da UE — que tenha um interesse especial em virtude de nacionais seus terem sofrido ferimentos graves ou mortais — a nomear um perito.
  • O regulamento não é aplicável às investigações de segurança de acidentes e incidentes graves com aeronaves que prestem serviços militares, aduaneiros, policiais ou similares.

Autoridades independentes responsáveis pelas investigações de segurança

  • Os países da UE devem garantir que as investigações de segurança aos acidentes e incidentes graves de aviação civil sejam realizadas sem interferências externas por uma autoridade nacional permanente responsável pelas investigações de segurança no setor da aviação civil («autoridade responsável pelas investigações de segurança»).
  • A autoridade responsável pelas investigações de segurança deve ser funcionalmente independente de qualquer outra autoridade ou parte que possa colidir com a sua missão ou influenciar a sua objetividade.
  • Deve ainda ser capaz de realizar uma investigação de segurança completa de forma independente. Os países da UE devem dotar as respetivas autoridades responsáveis pelas investigações de segurança dos meios e recursos financeiros — incluindo um orçamento — necessários para exercerem as suas atribuições de forma independente e disporem de recursos suficientes.
  • Mais concretamente, a autoridade responsável pelas investigações de segurança deve ter à sua disposição pessoal qualificado e instalações adequadas, incluindo escritórios e hangares que permitam armazenar e examinar as aeronaves, o seu conteúdo e os seus destroços.

Obrigação de investigação

  • Todos os acidentes ou incidentes graves que envolvam aeronaves não especificadas no anexo II do Regulamento (CE) n.o 216/2008 devem ser objeto de uma investigação no país da UE em cujo território ocorreu o acidente ou incidente grave.
  • As autoridades responsáveis pelas investigações de segurança podem decidir investigar outros incidentes para além dos referidos no parágrafo anterior, bem como os acidentes e incidentes graves com outros tipos de aeronaves, sempre que deles esperem colher ensinamentos em matéria de segurança.
  • As investigações de segurança não podem ter em caso algum por objetivo apurar culpas ou imputar responsabilidades. Devem ser independentes, distintas e sem prejuízo de eventuais processos judiciais ou administrativos que visem apurar culpas ou imputar responsabilidades.

Cooperação entre as autoridades responsáveis pelas investigações de segurança

O regulamento prevê a cooperação entre as autoridades responsáveis pelas investigações de segurança, bem como a possibilidade de delegação de funções.

Rede europeia de autoridades responsáveis pelas investigações de segurança na aviação civil (ENCASIA)

Os países da UE devem garantir que as suas autoridades responsáveis pelas investigações de segurança criem entre si uma rede europeia de autoridades responsáveis pelas investigações de segurança na aviação civil (ENCASIA) para:

  • melhorar a qualidade das investigações realizadas pelas autoridades responsáveis pelas investigações de segurança e reforçar a independência das autoridades;
  • encorajar normas de elevada qualidade no que diz respeito aos métodos de investigação e à formação dos investigadores.

Investigações

  • Sem prejuízo de eventuais investigações judiciais, o investigador responsável tem poderes para tomar as medidas necessárias para satisfazer as exigências da investigação de segurança. Nomeadamente, o investigador tem o direito de:
    • aceder imediata e livremente ao local do acidente ou incidente, bem como à aeronave, ao seu conteúdo ou aos seus destroços;
    • solicitar a obtenção de elementos de prova e a recolha dos destroços ou componentes para realização de análises;
    • solicitar autópsias e as perícias médicas efetuadas às pessoas envolvidas na operação da aeronave;
    • convocar testemunhas e requerer que apresentem elementos de prova.
  • Cabe ao país da UE em cujo território ocorreu o acidente ou o incidente grave garantir o tratamento seguro e a proteção de todos os elementos de prova.

Coordenação com outras autoridades

  • Os países da UE devem assegurar que as autoridades responsáveis pelas investigações de segurança e outras autoridades (como sejam as autoridades judiciais, da aviação civil, de busca e salvamento envolvidas na investigação de segurança) cooperem entre si mediante a celebração de acordos antecipados, desde que esses acordos não comprometam a independência das autoridades responsáveis pelas investigações de segurança.
  • Os países da UE devem comunicar esses acordos à Comissão Europeia, que os transmite, para conhecimento, ao presidente da ENCASIA, ao Parlamento Europeu e ao Conselho da União Europeia.

Confidencialidade e utilização adequada das informações

  • O regulamento estabelece uma lista dos registos que não podem ser disponibilizados nem utilizados para fins distintos da investigação de segurança (por exemplo, dados do registador de voo, projetos de relatórios, identidade das pessoas que tenham fornecido elementos de prova, notas dos investigadores).
  • As regras previstas no regulamento relativamente à utilização confidencial de informações, incluindo as informações que permitem identificar diretamente a aeronave objeto de um relatório de ocorrência, tais como os seus números de série e de registo, são alteradas pelo Regulamento (UE) n.o 376/2014. O regulamento reconhece também que a administração da justiça ou a autoridade competente pode decidir acerca da divulgação dos registos de acordo com o direito nacional. Os países da UE podem decidir limitar os casos em que uma tal decisão de divulgação pode ser tomada, em conformidade com os atos jurídicos da UE.

Assistência às vítimas e aos seus familiares

  • Os países da UE devem ter um plano de emergência nacional para acidentes de aviação civil que preveja a assistência às vítimas de acidentes e aos seus familiares. Devem também assegurar que as companhias aéreas tenham um plano próprio de assistência às vítimas e aos seus familiares, tendo especialmente em conta o apoio psicológico.
  • Os países da UE devem encorajar igualmente as companhias aéreas dos países não pertencentes à UE que operam na UE a adotar um plano semelhante.
  • Cada país da UE implicado num acidente deve designar uma pessoa incumbida de ser o ponto de contacto e de informação das vítimas e dos seus familiares.
  • As companhias aéreas devem proporcionar aos viajantes a oportunidade de indicarem os dados de contacto de uma pessoa a contactar em caso de acidente. Os nomes das pessoas a bordo só devem ser tornados públicos depois de os familiares dessas pessoas terem sido informados.

Relatório e recomendações de segurança

  • Durante a investigação, a autoridade responsável pelas investigações de segurança recomendará qualquer medida imediata que considerar necessária para melhorar a segurança da aviação civil às pessoas responsáveis pelo fabrico ou pela manutenção das aeronaves ou do seu equipamento aeronáutico e aos operadores de aeronaves ou responsáveis pela formação do pessoal.
  • A investigação é concluída por um relatório que contém recomendações de segurança, após consultas finais às autoridades em causa, incluindo a Agência Europeia para a Segurança da Aviação. O relatório final é publicado com a maior brevidade, se possível, num prazo não superior a 12 meses a contar da data do acidente ou incidente. A autoridade irá também registar as medidas tomadas em resposta às suas recomendações.
  • As partes que receberem uma recomendação de segurança, incluindo as autoridades responsáveis pela segurança ao nível nacional e da UE, devem também controlar os progressos das medidas tomadas em resposta às recomendações de segurança recebidas.
  • O regulamento revoga a Diretiva 94/56/CE.

A PARTIR DE QUANDO É APLICÁVEL O REGULAMENTO?

A partir de 2 de dezembro de 2010.

CONTEXTO

Para mais informações, consulte:

* PRINCIPAIS TERMOS

Acidente: um acontecimento ligado à operação de uma aeronave que se produz entre o momento em que uma pessoa embarca na aeronave com a intenção de efetuar o voo e o momento em que todas as pessoas são desembarcadas e no qual alguma pessoa morra ou sofra um ferimento grave, ou no qual a aeronave sofra danos significativos.

Incidente: uma ocorrência, que não seja um acidente, associada à operação de uma aeronave e que afete ou possa afetar a segurança das operações.

PRINCIPAL DOCUMENTO

Regulamento (UE) n.o 996/2010 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de outubro de 2010, relativo à investigação e prevenção de acidentes e incidentes na aviação civil e que revoga a Diretiva 94/56/CE (JO L 295 de 12.11.2010, p. 35-50)

As sucessivas alterações do Regulamento (UE) n.o 996/2010 foram integradas no texto de base. A versão consolidada apenas tem valor documental.

DOCUMENTOS RELACIONADOS

Regulamento (UE) n.o 376/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 3 de abril de 2014, relativo à comunicação, à análise e ao seguimento de ocorrências na aviação civil, que altera o Regulamento (UE) n.o 996/2010 do Parlamento Europeu e do Conselho e revoga a Diretiva 2003/42/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, e os Regulamentos (CE) n.o 1321/2007 e (CE) n.o 1330/2007 da Comissão (JO L 122 de 24.4.2014, p. 18-43)

última atualização 08.11.2016

Top