Help Print this page 
Title and reference
Proibição do comércio dos equipamentos de tortura

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html CS html DA html DE html EL html EN html FR html IT html HU html NL html PL html PT html RO html FI html SV
Multilingual display
Text

Proibição do comércio dos equipamentos de tortura

A fim de impedir a prática da tortura ou a aplicação da pena de morte ou de outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes nos países terceiros, o presente regulamento estabelece um regime comercial específico aplicável a determinados equipamentos e produtos suscetíveis de serem utilizados para estas finalidades, bem como à assistência técnica com eles relacionada.

ATO

Regulamento (CE) n.o1236/2005 do Conselho, de 27 de junho de 2005, relativo ao comércio de determinadas mercadorias suscetíveis de serem utilizadas para aplicar a pena de morte ou infligir tortura ou outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes.

SÍNTESE

Nos termos do presente regulamento, são proibidas todas as exportações ou importações de mercadorias que, na prática, só possam ser utilizadas para aplicar a pena de morte ou infligir a tortura ou outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. Além disso, ficam sujeitas a autorização as exportações de mercadorias suscetíveis de serem utilizadas para infligir tortura ou outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes, independentemente da sua origem.

As autoridades nacionais dos Estados-Membros competentes para decidir sobre os pedidos de autorização de importação ou de exportação deverão estabelecer uma distinção entre as mercadorias que não têm qualquer outra utilização prática para além de infligir a pena de morte, a tortura e outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes e as mercadorias suscetíveis de serem utilizadas para fins análogos. A exportação ou importação destas últimas poderá ser autorizada em função de critérios definidos no regulamento. As mercadorias objeto do presente regulamento são enumeradas nos Anexos II e III. As listas podem ser alteradas pela Comissão assim que aparecerem novos equipamentos no mercado.

As autoridades competentes poderão conceder uma derrogação à proibição de exportar ou importar mercadorias que, na prática, só possam ser utilizadas para infligir a pena de morte, tortura e outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes (Anexo II) no caso de se provar que, no país de destino, estas mercadorias serão utilizadas exclusivamente para fins de exposição pública num museu, atendendo ao seu valor histórico.

É exigida uma autorização para as mercadorias suscetíveis de serem utilizadas com vista a infligir a tortura ou outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes, enumeradas no Anexo III. Todavia, não é necessária qualquer autorização para as mercadorias que apenas transitem no território aduaneiro da Comunidade.

Não é obrigatória uma autorização para as exportações das mercadorias enumeradas no Anexo III para os territórios dos Estados-Membros que não façam parte do território aduaneiro da Comunidade (Anexo IV), desde que as mercadorias em causa sejam utilizadas por um agente da autoridade. Também não é necessária uma autorização para as exportações das mercadorias enumeradas no Anexo III que se destinem a ser utilizadas por pessoal militar ou civil de um Estado-Membro da União Europeia que participe numa operação da União Europeia ou da ONU de manutenção da paz ou de gestão de crises no país terceiro em causa, ou numa operação baseada em acordos celebrados entre os Estados-Membros e países terceiros no domínio da defesa.

As decisões sobre os pedidos de autorização de exportação são tomadas caso a caso pela autoridade competente do Estado-Membro em que o requerente se encontra estabelecido (Anexo I). A autoridade competente não concede uma autorização desde que haja fundamentos razoáveis para crer que os agentes da autoridade ou qualquer pessoa singular ou coletiva de um país terceiro poderão utilizar essas mercadorias enumeradas no Anexo III para infligir tortura ou outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes.

Um Estado-Membro pode introduzir uma derrogação a este regime relativamente a determinadas mercadorias enumeradas no Anexo III, adotando ou mantendo uma proibição total sobre a exportação ou a importação de imobilizadores da perna, correntes para a imobilização coletiva e dispositivos portáteis para aplicação de descargas elétricas.

A fim de harmonizar os procedimentos de autorização, as autorizações de exportação e de importação são emitidas através de um formulário conforme com o modelo que figura no Anexo V e são válidas em toda a UE. As autoridades competentes podem recusar conceder uma autorização de exportação e anular, suspender, alterar ou retirar uma autorização já concedida. Ao cumprir as formalidades aduaneiras, o exportador ou importador deve apresentar o formulário devidamente preenchido, como prova de obtenção da autorização necessária. Se não for concedida qualquer autorização, as autoridades aduaneiras apreenderão as mercadorias declaradas e chamarão a atenção para a possibilidade de solicitar uma autorização. Se a autorização não for solicitada no prazo de seis meses após a apreensão, as autoridades aduaneiras poderão destruir as mercadorias nos termos da legislação nacional.

As autoridades dos Estados-Membros devem notificar a Comissão e todas as outras autoridades dos Estados-Membros, caso tomem a decisão de recusar um pedido de autorização ou anulem uma autorização que já tenha sido concedida. A Comissão e os Estados-Membros devem manter-se mutuamente informados sobre as medidas adotadas ao abrigo do presente regulamento e sobre as autorizações concedidas ou recusadas.

Os Estados-Membros, se possível em cooperação com a Comissão, elaboram um relatório de atividades anual público.

A Comissão é assistida pelo Comité para o regime comum aplicável às exportações de produtos, instituído pelo Regulamento (CEE) n.o2603/69. Este Comité examina qualquer questão relativa à aplicação do presente regulamento.

Os Estados-Membros estabelecem as normas relativas às sanções aplicáveis em caso de infração do presente regulamento. Estas normas devem ser notificadas à Comissão até 29 de agosto de 2006.

O presente regulamento é aplicável ao território aduaneiro da Comunidade, aos territórios Espanhóis de Ceuta e Melilha e ao território alemão da Heligolândia.

REFERÊNCIAS

Ato

Entrada em vigor

Prazo de transposição nos Estados-Membros

Jornal Oficial

Regulamento (CE) n.o1236/2005

30.7.2006

-

JO L 200 de 30.7.2005

Ato

Entrada em vigor

Prazo de transposição nos Estados-Membros

Jornal Oficial

Regulamento de Execução (UE) n.o1352/2011 da Comissão

21.12.2011

-

JO L 338 de 21.12.2011

As sucessivas alterações e correções do Regulamento (CE) n.o1236/2005 foram integradas no texto de base. A versão consolidada apenas tem valor documental.

ÚLTIMAS MODIFICAÇÕES DE ANEXOS

Regulamento de Execução (UE) n.o1352/2011 da Comissão, de 20 de dezembro de 2011, que altera o Regulamento (CE) n.o 1236/2005 do Conselho [Jornal Oficial L 338 de 21.12.2011]

O Anexo II e o Anexo III do Regulamento (CE) n.o 1236/2005 foram substituídos pelos textos dos anexos I e II deste ato de execução.

A. lista das mercadorias sujeitas a restrições comerciais foi alargada a fim de evitar a utilização de determinados medicamentos para a pena de morte e assegurar que todos os exportadores de medicamentos da UE estão sujeitos a condições uniformes a este respeito.

Contudo, uma vez que os medicamentos em causa foram desenvolvidos, nomeadamente, para efeitos de anestesia e sedação, a sua exportação não deve estar sujeita a uma proibição integral.

A proibição do comércio de cintos elétricos foi alargada a fim de cobrir dispositivos corporais semelhantes, como mangas e algemas elétricas.

O comércio de matracas de picos foi proibido.

Anexo I – Lista das autoridades

Regulamento (UE) n.o1226/2010 [JO L 336 de 21.12.2010].

Última modificação: 10.01.2014

Top