Help Print this page 
Title and reference
Luta contra a contrafacção e a pirataria no mercado interno

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html CS html DA html DE html EL html EN html FR html IT html HU html NL html PL html PT html RO html FI html SV
Multilingual display
Text

Luta contra a contrafacção e a pirataria no mercado interno

A comunicação anuncia, sob forma de um plano de acção, as diferentes medidas e iniciativas que a Comissão pretende tomar para melhorar e reforçar a luta contra a contrafacção e a pirataria no mercado interno. A comunicação dá seguimento ao Livro Verde da Comissão de Outubro de 1998, que lançou uma consulta geral sobre a matéria.

ACTO

Comunicação da Comissão, de 30 de Novembro de 2000 - Seguimento do Livro Verde sobre o combate à contrafacção e à pirataria no mercado interno [COM(2000) 789 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Contexto

A contrafacção e a pirataria tornaram-se fenómenos de dimensão internacional com repercussões importantes no plano económico e social. Estes fenómenos afectam o bom funcionamento do mercado interno e a defesa do consumidor, em especial a saúde e a segurança pública. Esta situação provoca desvios de tráfego e distorções de concorrência, conduzindo a uma perda de confiança dos operadores no mercado interno e a uma diminuição dos investimentos.

Estima-se que estas actividades representam entre 5 e 7 % do comércio mundial e causam uma perda global de 200 000 postos de trabalho por ano. Além disso, considera-se que as empresas da União Europeia (UE) que estão envolvidas em actividades internacionais perdem entre 400 e 800 milhões de euros no mercado interno e cerca de 2 000 milhões de euros fora da União. O sector informático é particularmente afectado.

Respostas ao Livro Verde

As respostas ao Livro Verde confirmaram a amplitude do problema e os efeitos prejudiciais para o bom funcionamento do mercado interno. Os meios interessados citaram os diferentes factores que facilitam este tipo de situação, designadamente as actuais disparidades nos regimes de sanções e outros meios de fazer respeitar os direitos de propriedade intelectual entre os Estados-Membros. Por esse motivo, os meios interessados, incluindo os Estados-Membros, desejam que o problema seja abordado a nível da UE. Além disso, as respostas põem em evidência um consenso quanto à necessidade de melhorar a cooperação administrativa entre os Estados-Membros. A Comissão sublinhou que, mesmo que seja desejável que desempenhe um papel importante na matéria, a prioridade nesta área incumbe aos titulares dos direitos de propriedade intelectual os quais devem ser, eles próprios, vigilantes.

Plano de acção

A comunicação contém um plano de acção que apresenta:

  • Acções urgentes para as quais serão apresentadas rapidamente propostas da Comissão.
  • Acções previstas pela Comissão a médio prazo.
  • Outras iniciativas que implicam os poderes públicos e o sector privado.

Estas acções devem integrar-se nas iniciativas de carácter horizontal nos domínios da justiça e dos assuntos internos.

Acções urgentes

As acções urgentes cobrem as seguintes medidas:

  • Uma proposta de directiva que visa reforçar os meios de fazer respeitar os direitos de propriedade intelectual e definir um quadro geral para o intercâmbio de informações. Esta iniciativa tem por objectivo harmonizar as disposições legislativas, regulamentares e administrativas dos Estados-Membros sobre a matéria. As acções visam apenas melhoramentos complementares do acordo ADPIC.
  • O desenvolvimento, partindo de programas existentes, de acções de formação para os funcionários dos serviços repressivos, incluindo os dos países candidatos, bem como acções de informação e de sensibilização do público.
  • A Comissão continuará a dar prioridade à luta contra a contrafacção e a pirataria no âmbito das negociações do alargamento.
  • O lançamento de um estudo que visa definir uma metodologia para a recolha, análise e comparação de dados.
  • A identificação de um ponto de contacto a nível da Comissão que assegure a ligação entre os diferentes serviços relativamente aos trabalhos desenvolvidos na matéria. Esse ponto de contacto facilitará também a transparência para com o mundo exterior.

Acções a médio prazo

A médio prazo a Comissão examinará:

  • A oportunidade de estabelecer mecanismos complementares de cooperação administrativa para lutar contra a contrafacção e a pirataria, designadamente entre as autoridades nacionais competentes, mas também entre estas e a Comissão.
  • Necessidade de apresentar propostas para a harmonização dos limiares mínimos das sanções penais, para o alargamento das competências do Europol nesta matéria, bem como para a criação de uma estrutura que permita aceder, por exemplo, através de um sítio Internet, às decisões judiciais proferidas pelas jurisdições nacionais na matéria.

Outras iniciativas

A Comissão formula recomendações que visam, designadamente, uma melhor utilização dos sistemas de informação existentes e o reforço da cooperação e do intercâmbio de informações entre o sector privado e os poderes públicos. Trata-se em especial de:

  • Melhorar a cooperação entre o sector privado e as autoridades públicas, por exemplo assegurando a compatibilidade das bases de dados existentes, a fim de lhes dar uma melhor utilização.
  • Melhorar a cooperação judicial europeia através de instrumentos existentes e de instrumentos que se encontram a ser desenvolvidos a nível comunitário.
  • Explorar as possibilidades oferecidas pelo Quinto Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento (I&D) para o desenvolvimento de novas tecnologias e de novos dispositivos técnicos.

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão, de 11 de Outubro de 2005, ao Conselho, ao Parlamento Europeu e ao Comité Económico e Social Europeu sobre a resposta dos serviços aduaneiros às tendências mais recentes em matéria de contrafacção e de mercadorias-pirata [COM(2005) 479 final - Não publicada no Jornal Oficial]. Esta comunicação propõe um conjunto de medidas destinadas a reforçar a protecção da UE contra a contrafacção e pirataria no sector aduaneiro. As medidas consistem essencialmente numa melhoria legislativa, no reforço da parceria entre as alfândegas e os operadores económicos, bem como numa cooperação internacional reforçada.

Directiva 2004/48/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004, relativa ao respeito dos direitos de propriedade intelectual [Jornal Oficial L 157 de 30.04.2004]. Esta directiva visa criar condições de igualdade para a aplicação dos direitos de propriedade intelectual nos Estados-Membros, alinhando as medidas de execução em toda a União. Harmoniza também as legislações dos Estados-Membros, a fim de assegurar um nível equivalente de protecção da propriedade intelectual no mercado interno.

Última modificação: 08.05.2006

Top