Help Print this page 
Title and reference
Gestão do tráfego: A criação do céu único europeu

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html DA html DE html EL html EN html FR html IT html NL html PT html FI html SV
Multilingual display
Text

Gestão do tráfego: A criação do céu único europeu

A Comissão aponta pistas para optimizar a gestão do tráfego aéreo e satisfazer todos os utilizadores - civis e militares - do espaço aéreo, bem comum que deve ser gerido de forma colectiva, sem atender a fronteiras.

ACTO

Comunicação da Comissão de 1 de Dezembro de 1999, ao Conselho e ao Parlamento Europeu: "A criação do céu único europeu" [COM(1999) 614 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A Comissão considera que devem ainda ser lançadas importantes acções para garantir que a gestão do tráfego aéreo satisfaça o princípio comunitário do bom funcionamento do mercado interno e garanta assim a criação de um verdadeiro céu único europeu.

O congestionamento do tráfego aéreo que caracteriza actualmente o espaço aéreo é um dos aspectos mais evidentes da necessidade destas acções. Os atrasos que se registam em diversos voos na Europa, nomeadamente, constituem, muitas vezes, o resultado da saturação do espaço aéreo e das infra-estruturas.

Esse congestionamento exige assim a aplicação de medidas, a fim de evitar situações de crise para todos os utilizadores.

Neste contexto, a Comissão considera que a criação de um céu único europeu não passa exclusivamente por medidas técnicas e operacionais comuns, mas pressupõe uma gestão colectiva do espaço aéreo que deve permitir uma reorganização substancial das suas estruturas e da sua utilização.

Essa reorganização deve apoiar-se em orientações precisas:

  • A subdivisão dos sectores e o estabelecimento das rotas devem ser feitos independentemente das fronteiras. Deste modo, a utilização do espaço aéreo passará a obedecer a critérios de eficiência.
  • A repartição do espaço aéreo entre utilizações civis e militares deve ter em conta as novas realidades geopolíticas e inserir-se num quadro coerente e eficaz.

Ao propor estas orientações, a Comissão está ciente de que qualquer acção e qualquer evolução dependem da cooperação dos interessados. O EUROCONTROL (que agrupa actualmente 28 Estados-Membros, entre os quais os Estados-Membros da Comunidade menos a Finlândia, que está a negociar a sua adesão), nomeadamente, deverá continuar a desempenhar um papel indispensável na realização destas acções, atendendo às competências de que dispõe. Porém, não se exclui a possibilidade de os Estados-Membros do Eurocontrol, não Membros da Comunidade, não pretenderem avançar com estes esforços de reorganização.

Nesse caso, a Comunidade deverá apresentar as propostas adequadas a fim de realizar os objectivos do Tratado recorrendo a outros meios.

É nomeadamente a fim de evitar os obstáculos que poderão surgir na execução destas orientações que a Comissão introduziu dois quadros de trabalho específicos:

  • Será aberto um diálogo com os parceiros sociais. São eles efectivamente que utilizarão e farão funcionar o céu único.
  • Será constituído um grupo de alto nível sob a presidência do membro da Comissão responsável pelos transportes. Este grupo reunirá os responsáveis pela gestão do tráfego aéreo dos Estados-Membros e trabalhará nomeadamente com base nas propostas de acções contidas nos anexos desta comunicação.Essas acções prevêem designadamente:

- a avaliação dos desempenhos do sistema europeu de gestão do tráfego aéreo;

- o desenvolvimento da capacidade da infra-estrutura aeronáutica;

- o planeamento das capacidades;

- medidas de incentivo;

- investigação e desenvolvimento tecnológico;

- a normalização dos sistemas.

A Comissão apresentará um relatório num prazo de 6 meses a fim de permitir o acompanhamento da execução das orientações propostas na presente comunicação.

Última modificação: 24.01.2007

Top