Help Print this page 

Summaries of EU Legislation

Title and reference
Estatísticas da UE sobre asilo e migração

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
Multilingual display
Text

Estatísticas da UE sobre asilo e migração

SÍNTESE DE:

Regulamento (CE) n.o 862/2007 — Estatísticas da UE sobre migração e proteção internacional

SÍNTESE

PARA QUE SERVE ESTE REGULAMENTO?

O regulamento institui regras à escala da União Europeia (UE) para a recolha e o tratamento pelos países da UE e da EFTA de estatísticas sobre migração [emigração (*) e imigração (*)], proteção internacional (asilo), migração legal e ilegal (*) e afastamentos.

PONTOS-CHAVE

Requisitos estatísticos

O regulamento define os requisitos estatísticos para diferentes categorias de dados.

No que diz respeito à migração internacional, os países da UE devem transmitir ao Eurostat estatísticas sobre:

os imigrantes que entram no seu território;

os emigrantes que saem do seu território

os indivíduos que possuem a sua residência habitual no seu território

os indivíduos que adquiriram a nacionalidade do país.

No tocante às autorizações de residência e permanência de cidadãos não pertencentes à UE, os países da UE devem transmitir ao Eurostat estatísticas sobre:

as autorizações de residência emitidas, bem como as autorizações emitidas em consequência da alteração do estatuto de imigrante ou da razão da estadia; e

o número de autorizações de residência válidas e de autorizações de residência de longa duração.

No que diz respeito à proteção internacional, os países da UE devem transmitir ao Eurostat estatísticas sobre o número de:

indivíduos que tenham apresentado um pedido de proteção internacional

menores não acompanhados que tenham apresentado um pedido de proteção internacional;

pedidos de proteção internacional em apreciação;

pedidos de asilo retirados;

pedidos de proteção internacional indeferidos;

concessões dos estatutos de refugiado, de proteção subsidiária, de proteção nacional humanitária e temporária;

pedidos, decisões e transferências ao abrigo do Regulamento de Dublim III;

beneficiários de reinstalação (*).

No que diz respeito à prevenção de entrada e permanência ilegais e de afastamentos, os países da UE devem fornecer estatísticas sobre o número de:

cidadãos não pertencentes à UE a quem tenha sido recusada a entrada nas suas fronteiras externas;

cidadãos não pertencentes à UE detetados em situação ilegal no seu território;

decisões administrativas ou judiciais que imponham a obrigação de abandonar o seu território;

cidadãos não pertencentes à UE que abandonaram o seu território na sequência de uma ordem de expulsão.

Fontes

As estatísticas baseiam-se em várias fontes, nomeadamente em:

registos dos processos administrativos e judiciais;

registos de população ou relativos aos processos administrativos;

recenseamentos;

inquéritos por amostragem.

Em geral, os dados estatísticos são discriminados por idade, sexo, nacionalidade ou país de nascimento. No entanto, também são recolhidos dados pertencentes a outras categorias, como os motivos para a concessão de uma autorização de residência ou os países de residência anterior ou futura para dados relativos à migração.

Aplicação

A cada três anos, a Comissão apresenta um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho sobre a aplicação do regulamento. O relatório de 2015 constatou melhorias em termos de disponibilidade, exaustividade, qualidade e atualidade dos dados.

A PARTIR DE QUANDO É APLICÁVEL O REGULAMENTO?

O regulamento entrou em vigor em 20 de agosto de 2007.

CONTEXTO

PRINCIPAIS TERMOS

(*) Emigração: a ação pela qual um indivíduo que residia habitualmente no território de um país da UE altera o seu país de residência por um período cuja duração real ou prevista é, no mínimo, de doze meses.

(*) Imigração: a ação pela qual um indivíduo estabelece a sua residência no território de outro país pertencente ou não à UE por um período cuja duração real ou prevista é, no mínimo, de doze meses.

(*) Migração ilegal: a circulação de pessoas através de fronteiras de uma forma não consentânea com as normas administrativas ou legislativas do país de origem, de trânsito ou de acolhimento.

(*) Reinstalação: a transferência de cidadãos de países não pertencentes à UE para um país da UE onde são autorizados a residir para fins de proteção internacional.

ATO

Regulamento (CE) 862/2007 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de julho de 2007, relativo às estatísticas comunitárias sobre migração e proteção internacional e que revoga o Regulamento (CEE) n.o 311/76 do Conselho relativo ao estabelecimento de estatísticas sobre trabalhadores estrangeiros (JO L 199 de 31.7.2007, p. 23-29)

ATOS RELACIONADOS

Regulamento (UE) n.o 351/2010 da Comissão, de 23 de abril de 2010, que aplica o Regulamento (CE) n.o 862/2007 do Parlamento Europeu e do Conselho relativo às estatísticas comunitárias sobre migração e proteção internacional, no que diz respeito às definições das categorias dos grupos de países de nascimento, grupos de países de residência habitual anterior, grupos de países de residência habitual futura e de grupos de nacionalidades (JO L 104 de 24.4.2010, p. 37-39)

Regulamento (UE) n.o 216/2010 da Comissão, de 15 de março de 2010, que aplica o Regulamento (CE) n.o 862/2007 do Parlamento Europeu e do Conselho relativo às estatísticas comunitárias sobre migração e proteção internacional, no que diz respeito à definição das categorias de motivos para a concessão de autorização de residência (JO L 66 de 16.3.2010, p. 1-2)

Relatório da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho sobre a aplicação do Regulamento (CE) n.o 862/2007 relativo às estatísticas comunitárias sobre migração e proteção internacional [COM(2015) 374 final de 30 de julho de 2015]

última atualização 04.01.2016

Top