Help Print this page 
Title and reference
Estatuto das agências de execução da União

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html CS html DA html DE html EL html EN html FR html IT html HU html NL html PL html PT html RO html FI html SV
Multilingual display
Text

Estatuto das agências de execução da União

O presente regulamento define o estatuto das agências de execução encarregadas da gestão de programas comunitários. Estabelece, designadamente, certos aspectos essenciais relativos à estrutura, às funções, ao modo de funcionamento, ao regime orçamental, ao pessoal, aos controlos e à responsabilidade.

ACTO

Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho, de 19 de Dezembro de 2002, que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários.

SÍNTESE

Incumbe à Comissão a concretização dos programas comunitários. A fim de se concentrar nas suas missões institucionais, a Comissão decidiu delegar a execução de determinados programas comunitários noutras entidades, denominadas agências de execução. O presente regulamento tem por objectivo estabelecer o estatuto dessas agências. A Comissão, enquanto instituição responsável pela execução dos programas comunitários, deve poder enquadrar de perto a acção das agências.

Tem, portanto, competência para decidir da criação, da prorrogação ou da supressão de uma agência de execução, com base numa análise de custos/benefícios. A referida análise tem em conta vários factores como, por exemplo:

  • A identificação das funções que justificam uma externalização.
  • A avaliação dos benefícios e dos custos, incluindo os relacionados com os recursos humanos.
  • A eficácia e a flexibilidade na realização.
  • A simplificação dos processos utilizados.
  • A proximidade da acção externalizada dos beneficiários finais.

Se a Comissão verificar que uma agência deixa de ser necessária ou deixa de respeitar os princípios da boa gestão financeira, pode decidir suprimi-la.

A Comissão deve informar a autoridade orçamental da sua intenção de criar uma agência de execução, por ocasião da aprovação do programa comunitário em questão.

Estatuto

A agência de execução é um organismo comunitário investido de uma missão de serviço público, dotado de personalidade jurídica.

Funções

A agência de execução é responsável pela execução de um ou vários programas comunitários. Pode ser encarregada, nomeadamente, das seguintes funções:

  • Gestão e controlo das fases do projecto.
  • Adopção dos actos de execução orçamental e atribuição dos contratos e das subvenções.
  • Recolha, análise e transmissão à Comissão de informações relativas à execução dos programas.

Não pode exercer funções que impliquem uma escolha política.

No acto de delegação, a Comissão define as condições, os critérios, os parâmetros e as modalidades da acção das agências.

Estrutura interna

A agência de execução é gerida por um comité de direcção e por um director.

O comité de direcção é composto por cinco membros designados pela Comissão por dois anos (renováveis). Estabelece o programa de trabalho anual, aprova o orçamento de funcionamento, adopta o relatório anual de actividades e aplica medidas de combate à fraude e às irregularidades.

O director é nomeado por quatro anos (renováveis) pela Comissão que, para o efeito, designa um funcionário das comunidades Europeias. São da sua responsabilidade:

  • A representação, o controlo e a gestão da agência de execução, nomeadamente a gestão do pessoal.
  • A preparação dos trabalhos do comité de direcção.
  • A realização do programa de trabalho da agência.
  • A execução financeira dos programas comunitários e do orçamento de funcionamento da agência de execução.
  • A previsão anual do orçamento de financiamento da agência de execução.
  • A preparação dos relatórios da agência, designadamente do relatório anual de actividades.

O pessoal é composto por funcionários comunitários, afectados na qualidade de agentes temporários e de agentes contratuais recrutados pela agência.

Disposições financeiras

O orçamento de funcionamento da agência de execução é constituído por uma subvenção inscrita no orçamento geral da União Europeia e cujo montante é fixado pela Comissão. A execução do orçamento está sujeita ao disposto num regulamento financeiro-tipo (ver «Actos Relacionados») aprovado pela Comissão.

O director submete anualmente à aprovação do comité de direcção o balanço provisório das receitas e das despesas relativas ao exercício precedente. O comité de direcção transmite depois essas contas ao tesoureiro da Comissão e ao Tribunal de Contas. Por último, o Parlamento Europeu, sob recomendação do Conselho, dá o seu acordo à execução do orçamento de funcionamento da agência.

Controlos

As agências de execução estão sujeitas ao controlo:

  • Da Comissão, nomeadamente do seu auditor interno.
  • Do Organismo Europeu de Luta Antifraude (OLAF).
  • Do Tribunal de Contas.

De três em três anos, um relatório externo de avaliação é apresentado ao comité de direcção da agência de execução, ao Parlamento Europeu, ao Conselho e ao Tribunal de Contas. Esse relatório deverá permitir à agência de execução melhorar a sua acção e à Comissão suprimir a agência caso a acção desta última tenha deixado de ser necessária.

Qualquer acto de uma agência de execução que lese terceiros pode ser objecto de um recurso administrativo. A Comissão disporá, então, de um prazo de dois meses para deliberar sobre o recurso.

Responsabilidade

A agência poderá ser responsabilizada a nível contratual, não contratual ou pessoal, segundo as condições próprias de cada situação.

Acesso a documentos

O público pode ter acesso aos documentos da agência de execução sob reserva de determinadas condições. Os membros da agência de execução ficam obrigados a não divulgar as informações abrangidas pelo sigilo profissional.

Referências

Acto

Entrada em vigor

Prazo de transposição nos Estados-Membros

Jornal Oficial

Regulamento (CE) n.° 58/2003 [procedimento de consulta CNS/2000/0337]

26.1.2003

-

JO L 11 de 16.1.2003

Última modificação: 02.04.2007

Top