Help Print this page 
Title and reference
Redução de gases com efeito de estufa até 2020

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html CS html DA html DE html EL html EN html FR html IT html HU html NL html PL html PT html RO html FI html SV
Multilingual display
Text

Redução de gases com efeito de estufa até 2020

A presente decisão contribui para o respeito do compromisso da União Europeia de reduzir 20 % das suas emissões de gases com efeito de estufa até 2020 em relação aos níveis de 1990. Estabelece objetivos de redução de emissões para cada um dos Estados-Membros e define as modalidades de verificação da sua concretização.

ATO

Decisão n.o406/2009/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de abril de 2009, relativa aos esforços a realizar pelos Estados-Membros para redução das suas emissões de gases com efeito de estufa a fim de respeitar os compromissos de redução das emissões de gases com efeito de estufa da Comunidade até 2020.

SÍNTESE

A presente decisão estabelece a contribuição mínima dos Estados-Membros em matéria de emissões de gases com efeito de estufa , na sequência do compromisso assumido pela União para o período de 2013-2020.

Níveis de emissão para 2013-2020 e flexibilidade

Todos os Estados-Membros dispõem de dotações anuais de emissões que definem uma trajetória linear de 2013 a 2020. Todos os anos, de 2013 a 2020, as emissões dos Estados-Membros deverão ser inferiores à dotação anual de emissões correspondente. A dotação anual de emissões para 2020 corresponde à percentagem fixada no anexo II da Decisão para cada um dos Estados-Membros.

Durante o período de 2013-2019, um Estado-Membro pode transferir para o ano seguinte uma quantidade até 5 % da sua dotação anual de emissões . A parte não utilizada de uma dotação anual de emissões pode ser transferida para o ano seguinte. É também possível, em certas condições, transferir para outros Estados-Membros uma parte desta dotação.

Eficiência energética

Em 2012, a Comissão Europeia avaliará os progressos realizados pela Comunidade e pelos Estados-Membros no que respeita à aplicação do Plano de Ação para a Eficiência Energética. Na sequência desta avaliação, a Comissão deve propor, se for o caso, medidas novas ou reforçadas.

Utilização de créditos de atividades de projetos

Para efeitos de cumprimento das suas obrigações, os Estados-Membros podem utilizar os seguintes créditos de redução das emissões de gases com efeito de estufa:

  • Reduções Certificadas de Emissões (RCE) e Unidades de Redução de Emissões (URE) autorizadas pela Diretiva 2003/87/CE durante o período de 2008-2012 e correspondentes a projetos registados antes de 31 de dezembro de 2012;
  • RCE emitidas relativamente a reduções de emissões realizadas no âmbito de projetos executados nos PMA;
  • RCE temporárias (RCEt) ou RCE de longo prazo resultantes de projetos de florestação ou reflorestação.

Em cada ano, um Estado-Membro pode transferir para outro Estado-Membro a parte não utilizada da sua quantidade anual até ao limite de 3 %. Pode também transferir a quantidade não utilizada para os anos seguintes.

Comunicação de informações, avaliação dos progressos, alterações e revisão

Em conformidade com a Decisão 280/2004/CE, os Estados-Membros devem declarar nos seus relatórios os seguintes elementos:

  • as suas emissões anuais de gases com efeito de estufa;
  • a utilização, a distribuição geográfica e os tipos de créditos utilizados;
  • os progressos previstos e as projeções nacionais;
  • informações sobre políticas e medidas nacionais.

De dois em dois anos, a Comunidade avalia os progressos realizados e o respeito do seu compromisso.

Medidas corretivas

Caso as dotações de emissões estabelecidas sejam excedidas, o Estado-Membro em causa deve tomar as seguintes medidas:

  • dedução à dotação de emissões do Estado-Membro no ano seguinte;
  • desenvolvimento de um plano de medidas corretivas;
  • suspensão temporária da transferência de parte da sua dotação de emissões e dos seus direitos de utilização dos créditos de projetos para outro Estado-Membro.

Adaptação aplicável após a aprovação pela Comunidade de um acordo internacional sobre as alterações climáticas

Após a assinatura de um acordo internacional sobre as alterações climáticas pela Comunidade que preveja uma redução superior a 20 % das emissões de gases com efeito de estufa relativamente aos níveis de 1990, a Comissão deve apresentar, nos três meses seguintes, um relatório que aborde os seguintes aspetos:

  • a natureza das medidas acordadas a nível internacional;
  • as ações a realizar a nível da Comunidade, a fim de alcançar o objetivo de redução de 30 % aprovado pelo Conselho Europeu de março de 2007;
  • o impacto para a competitividade das indústrias e para a agricultura e os riscos de fugas de carbono;
  • o impacto do acordo internacional noutros sectores económicos;
  • as regras de contabilização das emissões associadas ao uso do solo e da exploração florestal;
  • as regras relativas à florestação, reflorestação, desflorestação e degradação das florestas nos países terceiros;
  • a necessidade de políticas e medidas suplementares.

Contexto

A Convenção-Quadro das Nações Unidas relativa às Alterações Climáticas (CQNUAC), aprovada pela Decisão 94/69/CE, estabelece como objetivo a estabilização das concentrações de gases com efeito de estufa. É fundamental que a temperatura global anual não aumente mais de 2 °C em relação aos níveis pré-industriais. Nesta perspetiva, é conveniente reduzir em 50 % as emissões destes gases até 2050.

REFERÊNCIAS

Ato

Entrada em vigor

Prazo de transposição nos Estados-Membros

Jornal Oficial

Decisão 406/2009/CE

25.6.2009

-

JO L 140 de 5.6.2009

ATO RELACIONADO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 26 de maio de 2010, intitulada Análise das opções para ir além do objetivo de 20 % de redução das emissões de gases com efeito de estufa e avaliação do risco de fuga de carbono. [ COM(2010) 265 final – Não publicada no jornal oficial].

A presente comunicação analisa as consequências de uma política que reduziria em 30 % as emissões de gases com efeito de estufa.

A crise económica de 2008 provocou uma forte redução das emissões de CO2. Efetivamente, as emissões de gases com efeito de estufa registadas na União Europeia (UE) em 2009 diminuíram 14 % em relação aos níveis de 1990, ao passo que a redução registada em 2008 não ultrapassou os 11,6 %.

Tendo em conta este facto, a possibilidade de ir além dos objetivos de 2020 parece realista caso sejam aplicadas as seguintes opções:

  • adaptar o Regime de Comércio de Licenças de Emissão reservando uma parte das licenças destinadas à venda em leilão;
  • recompensar os agentes do regime que investem mais prontamente nas tecnologias de melhor desempenho em termos de redução de emissões através da concessão, a título gratuito, de licenças suplementares;
  • introduzir impostos sobre as emissões de carbono;
  • utilizar as políticas da UE para incentivar a redução das emissões;
  • utilizar os instrumentos de crédito internacionais para favorecer a adoção de tecnologias de melhor desempenho em matéria de redução das emissões.

No entanto, a comunicação sublinha que os custos totais de uma redução de 30 % das emissões, tendo em conta os custos do cumprimento do objetivo de redução de 20 %, seriam de 81 mil milhões de euros. Este montante ultrapassa consideravelmente o custo inicial do pacote Clima e Energia, estimado em 70 mil milhões de euros.

É igualmente importante que o objetivo de redução das emissões de CO2 de 30 % seja implementado também pelos países terceiros a fim de evitar o risco de fuga de carbono. Uma coordenação internacional a este nível revela-se, assim, indispensável.

Decisão n.o529/2013/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de maio de 2013, relativa a regras contabilísticas aplicáveis às emissões e remoções de gases com efeito de estufa resultantes das atividades relacionadas com o uso do solo, a alteração do uso do solo e as florestas e relativa à informação respeitante às ações relacionadas com tais atividades.

A presente decisão estabelece as regras contabilísticas aplicáveis às emissões e remoções de gases com efeito de estufa resultantes das atividades relacionadas com o uso do solo, a alteração do uso do solo e as florestas (Lulucf), como primeiro passo para a inclusão dessas atividades no compromisso da União de redução das emissões. Estabelece a obrigação de os Estados-Membros prestarem informações sobre as suas ações Lulucf para limitar ou reduzir as emissões e para manter ou aumentar as remoções, mas não define obrigações contabilísticas ou de comunicação de informações para particulares.

Última modificação: 27.02.2014

Top