Help Print this page 
Title and reference
Obesidade, nutrição e atividade física

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html CS html DA html DE html EL html EN html FR html IT html HU html NL html PL html PT html RO html FI html SV
Multilingual display
Text

Obesidade, nutrição e atividade física

Face ao fenómeno preocupante do aumento da obesidade na União Europeia (UE), especialmente entre as crianças, o Conselho apela aos Estados-Membros para que tomem medidas de promoção de uma alimentação saudável e da atividade física.

ATO

Conclusões do Conselho Emprego, Política Social, Saúde e Consumidores de 3 de junho de 2005: Obesidade, nutrição e atividade física [Não publicadas no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Elementos da luta contra a obesidade

A obesidade é uma patologia resultante de uma multiplicidade de causas. Para lutar eficazmente contra esta patologia, é necessário adotar uma abordagem preventiva abrangente, que englobe todas as partes interessadas a nível local, regional, nacional, europeu e mundial.

A promoção de regimes alimentares saudáveis e da atividade física contribui para diminuir a obesidade, mas também os riscos ligados à hipertensão, às doenças cardíacas, à diabetes e a certas formas de cancro. De um modo mais geral, uma alimentação saudável e a prática de exercício físico permitem melhorar consideravelmente a qualidade de vida.

A atividade física faz parte integrante de um estilo de vida saudável. É, pois, fundamental que as crianças e os adolescentes aprendam a apreciar a prática de desporto e a atividade física na escola e durante os tempos de lazer. A aprendizagem de estilos de vida saudáveis deve também iniciar-se desde tenra idade.

Medidas recomendadas

O Conselho apela aos Estados-Membros e, quando pertinente, à Comissão Europeia para que delineiem e implementem iniciativas destinadas a promover uma alimentação saudável e a atividade física. Tais iniciativas devem incluir, nomeadamente, as ações seguintes:

Regimes alimentares saudáveis que visam:

  • dar a possibilidade aos cidadãos de fazer escolhas alimentares saudáveis, garantindo que estejam disponíveis alternativas alimentares saudáveis, a preços acessíveis;
  • fomentar o conhecimento do público sobre a relação entre alimentação e saúde, ingestão e dispêndio energético, sobre regimes alimentares que reduzem o risco de doenças crónicas e sobre opções alimentares saudáveis;
  • garantir que os consumidores não sejam enganados pela publicidade e as técnicas de comercialização e de promoção. Será necessário, em especial, assegurar que a credulidade das crianças e a sua limitada experiência com os meios de comunicação social não sejam exploradas.

A participação de todos os intervenientes de modo a:

  • permitir que os profissionais da saúde dispensem correntemente conselhos práticos aos pacientes e famílias sobre os benefícios de regimes alimentares otimizados e do aumento do nível de atividade física;
  • incentivar as partes interessadas que estão em condições de apoiar a promoção de regimes alimentares saudáveis (por exemplo, produtores de alimentos e indústrias de transformação de alimentos, retalhistas, profissionais da restauração) a tomar iniciativas para esse efeito.

Integração nas restantes políticas

A nutrição e a atividade física devem ser integradas em todas as políticas pertinentes a nível local, regional, nacional e europeu (por exemplo, as políticas destinadas a reduzir os efeitos perniciosos do consumo excessivo de álcool).

Educação

A educação tem um papel essencial no domínio das medidas destinadas a combater a obesidade. Por conseguinte, os Estados-Membros devem:

  • fomentar a educação em matéria de escolhas alimentares saudáveis e a oferta nas escolas de uma alimentação saudável e incentivar as crianças e adolescentes a praticar diariamente exercício físico;
  • desenvolver atividades educativas no domínio da nutrição e da atividade física, como parte integrante da educação para a saúde em geral. A educação para a saúde deve igualmente centrar-se em questões como a luta contra o tabagismo, o consumo excessivo de álcool ou o consumo de drogas, bem como a promoção da saúde sexual e da saúde mental.

Outras medidas

Nas suas conclusões, o Conselho convida também os Estados-Membros a:

  • acompanhar as tendências de nutrição saudável e de atividade física na população e continuar a desenvolver a investigação e as bases científicas para ações no terreno;
  • incentivar os empregadores a oferecer escolhas alimentares saudáveis nas cantinas dos locais de trabalho e a proporcionar instalações adequadas para fomentar a prática da atividade física;
  • fomentar o desenvolvimento de ambientes urbanos conducentes à prática de atividade física.

Contexto

O aumento da taxa de prevalência da obesidade em toda a União Europeia é um fenómeno muito preocupante. Cada vez mais crianças sofrem atualmente de excesso de peso ou obesidade. Além disso, se os números são alarmantes, as consequências não o são menos. Com efeito, a obesidade está estreitamente associada a um aumento dos riscos cardiovasculares e da diabetes.

Para lutar contra este flagelo, a Comissão criou, em março de 2005, uma Plataforma de ação europeia em matéria de alimentação, atividade física e saúde. Esta iniciativa, que reúne peritos do domínio da alimentação e da atividade física, tem como objetivo dar resposta ao fenómeno da obesidade que se desenvolve na Europa, a fim de travar a sua progressão.

ATOS RELACIONADOS

Conclusões do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, em 27 de novembro de 2012, sobre a promoção da saúde através da atividade física [Jornal Oficial C 393 de 19.12.2012].

Estas conclusões preconizam, nomeadamente, uma abordagem transversal que integre todos os domínios temáticos associados à atividade física benéfica para a saúde.

Recomendação do Conselho, de 26 de novembro de 2013, relativa à promoção trans-setorial das atividades físicas benéficas para a saúde [Jornal Oficial C 354 de 04.12.2013].

Na presente recomendação, o Conselho convida a Comissão e os Estados-Membros, respetivamente, a:

  • desenvolver e aplicar progressivamente estratégias nacionais e políticas trans-setoriais voltadas para a promoção da atividade física benéfica para a saúde, bem como acompanhar os níveis de atividade física e as políticas neste domínio;
  • assistir os Estados-Membros na adoção de estratégias nacionais e promover o estabelecimento e o funcionamento do quadro de acompanhamento em matéria de atividade física benéfica para a saúde.

Última modificação: 06.05.2014

Top