Help Print this page 
Title and reference
Plano de acção sobre a aprendizagem das línguas e a diversidade linguística

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html DA html DE html EL html EN html FR html IT html NL html PT html FI html SV
Multilingual display
Text

Plano de acção sobre a aprendizagem das línguas e a diversidade linguística

O objectivo deste plano de acção é promover a aprendizagem das línguas e a diversidade linguística. Define objectivos específicos e um conjunto de acções a aplicar entre 2004 e 2006.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social e ao Comité das Regiões, de 24 de Julho de 2003, intitulada «Promover a aprendizagem das línguas e a diversidade linguística: Um Plano de Acção 2004-2006» [COM(2003) 449 final – Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Numa União Europeia (UE) com mais de 500 milhões de europeus com origens étnicas, culturais e linguísticas diversas, é mais importante do que nunca os cidadãos possuírem as competências necessárias para compreender os seus vizinhos e comunicar com eles. Todos os cidadãos europeus deveriam poder comunicar em, pelos menos, duas outras línguas para além da sua língua materna.

Papel da União Europeia e dos Estados-Membros

Devido ao «princípio de subsidiariedade», cada Estado-Membro da UE assume plena responsabilidade pela organização dos seus sistemas educativos e pelos conteúdos dos programas.

A União não está vocacionada para se substituir aos Estados-Membros neste domínio, mas sim para apoiar e completar a sua acção. Desenvolveu, ainda assim, numerosas acções com vista a promover o ensino e a aprendizagem das línguas no âmbito de programas comunitários, nomeadamente nos domínios da educação, da cultura, do audiovisual e dos meios de comunicação.

Objectivos e acções

O plano de acção identifica três grandes domínios de intervenção e define objectivos específicos para cada um deles.

O primeiro domínio de intervenção é a aprendizagem de línguas ao longo da vida. Para tal, o plano de acção define os seguintes objectivos específicos:

  • aprender uma língua materna mais duas outras línguas desde uma idade muito precoce;
  • continuar a aprendizagem de línguas no ensino secundário e na formação profissional;
  • continuar a aprendizagem de línguas no ensino superior;
  • incentivar a aprendizagem de línguas por adultos;
  • desenvolver a aprendizagem de línguas para as pessoas com necessidades especiais;
  • ampliar o leque de línguas proposto para o ensino.

O segundo domínio de intervenção visa melhorar o ensino das línguas, nomeadamente através de uma estrutura escolar mais adaptada. Neste contexto, o plano de acção identifica os seguintes objectivos específicos:

  • aplicar nas escolas políticas globais de ensino de línguas;
  • difundir de forma mais ampla os instrumentos desenvolvidos para o ensino e a aprendizagem de línguas;
  • melhorar a formação dos professores de línguas;
  • aumentar a oferta de professores de línguas;
  • formar professores para que possam ensinar a(s) sua(s) disciplina(s) em, pelo menos, uma língua estrangeira;
  • avaliar as competências linguísticas dos cidadãos graças a um Indicador Europeu de Competência Linguística e facilitar a comparação destas competências.

O terceiro domínio de intervenção consiste em criar um ambiente favorável às línguas. Para tal, o plano de acção identifica os seguintes objectivos específicos:

  • promover uma abordagem da diversidade linguística baseada na integração;
  • criar comunidades favoráveis às línguas, através do recurso às legendas no cinema, por exemplo, ou do aproveitamento das competências dos numerosos cidadãos bilingues;
  • melhorar as ofertas e a participação na aprendizagem de línguas.

Para concretizar estes objectivos, o plano de acção propõe, para cada um deles, acções a realizar a nível europeu e destinadas a completar as iniciativas dos Estados-Membros. Estas acções serão executadas entre 2004 e 2006.

O plano de acção pretende igualmente criar um quadro propício à concretização destes objectivos graças a estruturas que permitam decisões mais bem informadas (grupo de alto nível, realização de estudos, etc.), uma partilha mais eficaz de informações entre os profissionais e procedimentos claros para o acompanhamento do plano de acção.

Dotação financeira e acompanhamento do plano de acção

A dotação financeira para 2004-2006 é de 8,2 mil milhões de euros, devendo ser distribuída pelos programas Socrates, Leonardo da Vinci e MEDIA Plus.

Em 2007, os Estados-Membros deverão apresentar à Comissão um relatório sobre a aplicação do plano de acção.

Contexto

O Ano Europeu das Línguas (em 2011) pôs em evidência as inúmeras maneiras de promover a aprendizagem das línguas e a diversidade linguística. O plano de acção inscreve-se no seguimento de uma solicitação por parte do Conselho e resulta de uma vasta consulta pública em que participaram as instituições europeias, os ministérios nacionais pertinentes, um amplo leque de organizações representativas da sociedade civil e o grande público.

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 18 de Setembro de 2008, intitulada «Multilinguismo: uma mais-valia para a Europa e um compromisso comum» [COM(2008) 566 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Relatório da Comissão, de 25 de Setembro de 2007, sobre a aplicação do Plano de Acção «Promover a aprendizagem das línguas e a diversidade linguística» [COM(2007) 554 final – Não publicado no Jornal Oficial]. Os Estados-Membros e a Comissão conseguiram progressos consideráveis na aplicação do plano de acção em prol da aprendizagem das línguas e da diversidade linguística. Das 47 acções contidas neste plano de acção, 41 estarão terminadas no final de 2007. Baseando-se nos relatórios nacionais relativos ao seguimento dado ao plano de acção, a Comissão considera que este plano teve incidência nas reformas das políticas linguísticas nacionais e permitiu atribuir maior importância política à promoção da aprendizagem das línguas, à diversidade linguística e ao multilinguismo em geral. Foram integradas dezassete acções destinadas a melhorar a promoção da aprendizagem das línguas em vários programas europeus, principalmente Socrates e Leonardo. Este apoio manter-se-á, dado que a nova geração de programas para 2007-2013 põe a tónica na promoção da aprendizagem das línguas e da diversidade linguística. O relatório salienta, no entanto, que importa desenvolver esforços suplementares para a execução das reformas nacionais ao nível da qualidade do ensino das línguas e da formação dos professores desta área. Interessará também atender à variedade das línguas ensinadas.

See also

Última modificação: 13.09.2011

Top