Help Print this page 
Title and reference
Livro Verde sobre a modernização do direito do trabalho

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html DA html DE html EL html EN html FR html IT html NL html PT html SV
Multilingual display
Text

Livro Verde sobre a modernização do direito do trabalho

O objectivo do presente Livro Verde é lançar um debate público na União Europeia (UE) a propósito da modernização do direito do trabalho face às evoluções dos mercados do trabalho europeu, que devem demonstrar maior flexibilidade e garantir a optimização da segurança. O direito do trabalho tem um papel fundamental a desempenhar nesta óptica. Incentivar o debate relativo a esta questão permitirá a aplicação de um quadro normativo adaptado e dinâmico. A boa gestão da inovação e da mudança implica que os mercados do trabalho tomem em consideração três aspectos principais: flexibilidade, segurança no emprego e segmentação.

ACTO

Livro Verde da Comissão, de 22 de Novembro de 2006, intitulado «Modernizar o direito do trabalho para enfrentar os desafios do século XXI» [COM(2006) 708 - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Através deste Livro Verde, a Comissão refere os principais desafios relativos ao fosso existente entre os quadros jurídicos vigentes e as realidades do mundo do trabalho.

A Comissão quer implicar os Estados-Membros, os parceiros sociais e outras partes interessadas num debate aberto, com o objectivo de reflectir sobre o modo como o direito do trabalho pode contribuir para promover a flexibilidade em articulação com a segurança do emprego, independentemente da forma do contrato de trabalho.

A Comissão pretende lançar uma consulta pública durante um período de quatro meses sobre as questões suscitadas pelo Livro Verde. Na sequência desta consulta pública, a Comissão adoptará uma comunicação de seguimento em 2007.

A Comissão serve de catalisador para apoiar a acção dos Estados-Membros e dos parceiros sociais, dado que a protecção das condições de trabalho depende essencialmente da legislação nacional. Ao nível da União Europeia, o acervo social apoia e completa a acção dos Estados-Membros.

Evolução dos mercados do trabalho europeus

Os mercados do trabalho europeus conhecem uma evolução ligada principalmente à celeridade do progresso tecnológico, à intensificação da concorrência como resultado da globalização e à evolução da procura dos consumidores. A situação em apreço reflecte-se nas variações relativas à organização e ao horário de trabalho, aos salários e ao número de trabalhadores empregues nas diferentes fases do ciclo de produção.

Esta mutação traduziu-se juridicamente por uma diversificação contratual. São criadas novas categorias de trabalhadores (como os trabalhadores temporários). A relação entre a lei e as convenções colectivas de trabalho evolui, por conseguinte, paralelamente. Estas convenções colectivas servem para adaptar os princípios legais a situações económicas concretas e circunstâncias particulares de sectores específicos.

Ao nível comunitário, a UE legislou, tendo por objectivo combinar novas formas de trabalho mais flexíveis com um mínimo de direitos sociais para todos os trabalhadores, tanto a nível do trabalho a tempo parcial (es de en fr)como do trabalho a termo (es de en fr). Em contrapartida, não foi adoptada nenhuma posição comum pelo Conselho a respeito de uma proposta de directiva sobre as condições trabalho dos trabalhadores temporários (es de en fr).

Proliferação dos contratos de trabalho atípicos

A qualificação atípica que caracteriza certos contratos de trabalho inclui contratos a termo, contratos a tempo parcial, contratos pontuais, contratos «zero horas», ou o estatuto de trabalhador recrutado através de empresas de trabalho temporário e o de "freelance".

Os trabalhadores "freelance" preferem trabalhar por conta própria, embora o nível de protecção seja menor, em troca de um controlo mais directo das condições de emprego e de remuneração. O emprego total representado pelos trabalhadores recrutados através de contratos diferentes do modelo contratual clássico passou de uma percentagem superior a 36%, em 2001, para cerca de 40% dos trabalhadores da UE-25, em 2005. Os trabalhadores com o estatuto de independente representam 15 % da mão-de-obra total. O trabalho a termo, por seu lado, passou de 12%, em 1998, para uma percentagem que ultrapassa 14% do emprego total na UE-25, em 2005.

Esta diversificação dos contratos acarreta alguns efeitos prejudiciais. Uma sucessão de empregos de curta duração e de baixa qualidade, com uma protecção social insuficiente, coloca algumas pessoas numa situação de vulnerabilidade. A Comissão recorda que o risco de se estar numa posição de fraqueza no mercado do trabalho abrange sobretudo as mulheres, as pessoas mais velhas e os jovens recrutados através de contratos atípicos.

Modernização do direito do trabalho: questões para debate

O presente Livro Verde solicita o debate em torno de diferentes questões ligadas à modernização do direito do trabalho, como:

  • As transições profissionais que implicam a passagem de um estatuto para outro. As oportunidades de aceder ao mercado do trabalho, permanecer e progredir variam consideravelmente. A legislação relativa à protecção do emprego e em matéria contratual a nível nacional têm um impacto significativo nas transições entre situações profissionais, em especial no que diz respeito aos desempregados de longa duração e aos «outsiders» com empregos precários.
  • A insegurança jurídica ligada essencialmente a estas diferentes formas de trabalho atípico. O fenómeno do trabalho dissimulado, que ocorre quando um trabalhador por conta de outrem é classificado noutra categoria com o objectivo de ocultar o seu verdadeiro estatuto jurídico e de evitar certos custos sociais, generalizou-se. A ausência de clareza jurídica relativa à definição do estatuto de trabalhador por conta própria, por exemplo, pode acarretar lacunas na aplicação da legislação. O conceito de «trabalho economicamente dependente» abrange situações que se situam entre as duas noções de trabalho por conta de outrem e de trabalho por conta própria. Neste caso, não foi celebrado nenhum contrato de trabalho. Apesar de estes trabalhadores não estarem numa posição vulnerável, continuam a ser economicamente dependentes de um só cliente, empregador ou comitente quanto à origem dos seus rendimentos e podem não estar abrangidos pela legislação laboral.
  • O trabalho prestado através de agências de trabalho temporário implica uma relação de trabalho triangular entre uma empresa utilizadora, um trabalhador e uma agência. A complexidade da relação de trabalho sofre um maior agravamento quando os trabalhadores estão implicados em longas cadeias de subcontratação.
  • A duração do tempo de trabalho, sujeita a um esforço de harmonização comunitário, é igualmente influenciada pela evolução dos mercados do trabalho. No final de 2006, o Conselho «Emprego, Política Social, Saúde e Consumidores» (EPSCO) ainda não tinha chegado a acordo sobre a directiva relativa a certos aspectos da organização do tempo de trabalho.
  • A mobilidade dos trabalhadores, tendo em conta a variedade de definições do termo «trabalhador». A mobilidade dos trabalhadores é ameaçada pelo facto de a UE deixar aos Estados-Membros a tarefa de definir o termo «trabalhador». A Comissão considera que esta constante remissão para o direito nacional e não para o direito comunitário poderá enfraquecer a protecção dos trabalhadores.
  • O trabalho não declarado surge como uma característica particularmente preocupante e persistente dos mercados do trabalho actuais. Principal factor do "dumping" social, é responsável não só pela exploração dos trabalhadores, mas igualmente por distorções da concorrência. Aliás, o Conselho adoptou uma resolução (es de en fr) em 2003, na qual instava os Estados-Membros a resolver este problema através de medidas preventivas e de sanções, bem como da celebração de parcerias entre os parceiros sociais e os poderes públicos a nível nacional.

Última modificação: 23.02.2007

Top