Help Print this page 
Title and reference
As novas competências de apoio da UE

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html CS html DA html DE html EL html EN html FR html IT html HU html NL html PL html PT html RO html FI html SV
Multilingual display
Text

As novas competências de apoio da UE

INTRODUÇÃO

O Tratado de Lisboa cria quatro novos domínios de competência nos quais a União Europeia (UE) pode intervir: a protecção civil, a cooperação administrativa, o turismo e o desporto.

As novas competências da UE nestes domínios são competências de apoio. Com efeito, a UE não adquire competências legislativas adicionais na medida em que apenas poderá actuar com vista a apoiar as acções dos Estados-Membros, não podendo harmonizar a legislação nacional.

Para além disso, a UE já intervinha nestes domínios através de políticas transversais. O Tratado de Lisboa clarifica agora os objectivos e a acção da UE ao criar bases jurídicas específicas para estes quatro domínios.

A PROTECÇÃO CIVIL

O Tratado de Lisboa procura melhorar a capacidade da UE para enfrentar as catástrofes naturais ou de origem humana. O artigo 196.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE permite assim à UE adoptar medidas relativas:

  • à prevenção dos riscos;
  • à preparação dos intervenientes na protecção civil;
  • à intervenção em caso de catástrofe natural ou de origem humana;
  • à cooperação operacional entre os serviços nacionais de protecção;
  • à coerência das acções empreendidas ao nível internacional.

Para além disso, estas disposições relativas à protecção civil devem ser relacionadas com a cláusula de solidariedade do artigo 222.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE, pois esta cláusula permite à UE prestar assistência a um Estado-Membro que tenha sido vítima de um ataque terrorista ou de uma catástrofe natural ou de origem humana.

COOPERAÇÃO ADMINISTRATIVA

A cooperação administrativa entre os Estados-Membros passa a ser uma competência da UE (artigo 197.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE). O objectivo é garantir uma aplicação eficaz da legislação europeia ao melhorar, nomeadamente, a eficácia das administrações dos Estados-Membros. A UE pode assim adoptar novas medidas que visem facilitar o intercâmbio de boas práticas entre Estados-Membros e a aplicação de programas de formação.

No entanto, o Tratado sobre o Funcionamento da UE prevê duas restrições para o exercício desta nova competência:

  • um Estado-Membro não poderá, em caso algum, ser obrigado a recorrer ao apoio da União;
  • a União não poderá adoptar medidas relativas à harmonização das disposições legislativas e regulamentares dos Estados-Membros.

TURISMO

O turismo constava já de várias políticas europeias, como a política regional ou a política do emprego. O Tratado cria agora uma base jurídica específica de forma a permitir à UE intervir neste domínio (artigo 195.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE).

A acção da UE pode assim prosseguir dois objectivos:

  • a criação de um clima propício ao desenvolvimento das empresas no sector do turismo;
  • uma maior cooperação entre os Estados-Membros, nomeadamente através do intercâmbio de boas práticas.

DESPORTO

O Tratado de Lisboa consagra a competência da UE no domínio do desporto. No entanto, não cria nenhum artigo específico, integrando sim uma base jurídica relativa ao desporto na secção dos tratados dedicada à educação, à formação profissional e à juventude.

O artigo 165.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE enuncia assim que o objectivo da UE é promover os aspectos europeus do desporto. Em termos concretos, a UE poderá, por exemplo, apoiar as acções levadas a cabo pelos Estados-Membros no sentido de protegerem a integridade física e moral dos desportistas ou de lutarem contra a dopagem.

A UE poderá ainda desenvolver cooperações no domínio do desporto com organismos internacionais.

Última modificação: 15.06.2010

Top