Help Print this page 
Title and reference
Serviços de interesse geral

Summaries of EU legislation: direct access to the main summaries page.
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html CS html DA html DE html EL html EN html FR html IT html HU html NL html PL html PT html RO html FI html SV
Multilingual display
Text

Serviços de interesse geral

INTRODUÇÃO

O Tratado de Lisboa oferece uma melhor protecção dos serviços de interesse geral na União Europeia (UE). Introduz, nomeadamente, clarificações quanto á natureza destes serviços e dos princípios subjacentes.

Além disso, o Tratado de Lisboa cria uma nova base jurídica específica para os serviços de interesse económico geral. O objectivo visa permitir um enquadramento jurídico destes serviços a nível europeu.

DEFINIÇÕES

Os serviços de interesse geral reúnem os serviços comerciais e não comerciais que são sujeitos a determinadas obrigações de serviço público devido, nomeadamente, ao interesse geral que servem.

Os serviços de interesse económico geral (SIEG) constituem uma subcategoria e reúnem essencialmente serviços comerciais. Estes serviços são igualmente sujeitos a obrigações de serviço público e podem, nessa qualidade, derrogar determinadas normas europeias, nomeadamente em matéria de concorrência. Trata-se, por exemplo, de serviços no domínio da energia, dos transportes ou das telecomunicações.

Desta forma, o artigo 106.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE especifica que as empresas encarregadas da gestão de serviços de interesse económico geral ficam submetidas às regras de direito europeu, apenas na medida em que a aplicação destas regras não constitua obstáculo ao cumprimento da missão particular que lhes foi confiada.

RECONHECIMENTO DOS SERVIÇOS DE INTERESSE GERAL NA UE

O reconhecimento dos serviços de interesse geral na UE é complexo, uma vez que os modos de gestão desses serviços variam consideravelmente em função das tradições dos Estados‑Membros. Assim, a UE limitou-se durante muito tempo a considerar os serviços de interesse económico geral apenas do ponto de vista do direito da concorrência; por exemplo, reconhecendo que a criação dos serviços de interesse económico geral podia derrogar as regras da livre concorrência.

No entanto, o Tratado de Lisboa inova ao adicionar aos Tratados fundadores um Protocolo relativo aos serviços de interesse geral. Este protocolo, que tem o mesmo valor jurídico dos Tratados, introduz clarificações sobre a protecção dos serviços de interesse económico geral a nível europeu. Reconhece assim:

  • o papel e o poder discricionário das autoridades nacionais na gestão dos serviços de interesse económico geral;
  • a diversidade dos serviços de interesse económico geral, nomeadamente das zonas geográficas e das diferentes culturas;
  • o nível elevado de qualidade, bem como a igualdade de tratamento dos utilizadores e o acesso universal aos serviços de interesse económico geral.

ENQUADRAMENTO JURÍDICO DOS SIEG A NÍVEL EUROPEU

O Tratado de Lisboa introduz uma outra inovação. Cria uma nova base jurídica que permite que as instituições europeias adoptem regulamentos relativos à gestão dos serviços de interesse económico geral. Desta forma, o artigo 14.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE especifica que o Conselho e o Parlamento podem estabelecer alguns princípios e condições relativamente à execução e ao financiamento dos serviços de interesse económico geral.

Esta base jurídica deveria, assim, permitir à UE conciliar da forma mais eficaz o interesse geral e a observância das regras de concorrência na gestão dos serviços de interesse económico geral. No entanto, o Tratado da UE clarifica que a intervenção da UE não deve pôr em causa a competência dos Estados‑Membros. Estes continuam livres de definir e de organizar os serviços de interesse económico geral que colocam ao serviço dos cidadãos.

Última modificação: 08.06.2010

Top