Help Print this page 

Document 52002PC0293

Title and reference
Proposta de Regulamento do Conselho que altera o Regulamento (CE) nº 1258/1999 relativo ao financiamento da política agrícola comum

/* COM/2002/0293 final - CNS 2002/0125 */
Languages and formats available
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html DA html DE html EL html EN html FR html IT html NL html PT html FI html SV
DOC doc ES doc DA doc DE doc EL doc EN doc FR doc IT doc NL doc PT doc FI doc SV
PDF pdf ES pdf DA pdf DE pdf EL pdf EN pdf FR pdf IT pdf NL pdf PT pdf FI pdf SV
Multilingual display
Text

52002PC0293

Proposta de Regulamento do Conselho que altera o Regulamento (CE) nº 1258/1999 relativo ao financiamento da política agrícola comum /* COM/2002/0293 final - CNS 2002/0125 */


Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) nº 1258/1999 relativo ao financiamento da política agrícola comum

(apresentada da Comissão)

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

O nº 4 do artigo 7º do Regulamento (CE) n° 1258/1999 do Conselho, de 17 de Maio de 1999, relativo ao financiamento da política agrícola comum [1] estabelece que não pode ser recusado o financiamento das despesas referidas no artigo 2º do mesmo efectuadas mais de 24 meses antes de a Comissão comunicar por escrito ao Estado-Membro em causa os resultados das verificações. No caso das despesas relativas às acções referidas no artigo 3º do referido regulamento, não pode ser recusado o financiamento de despesas cujo pagamento final tenha sido efectuado mais de 24 meses antes de a Comissão ter comunicado por escrito ao Estado-Membro em causa os resultados das verificações.

[1] JO L 160 de 26.6.1999, p. 103.

O regulamento mencionado constitui uma reformulação do Regulamento (CEE) nº 729/70 do Conselho, de 21 de Abril de 1970, relativo ao financiamento da política agrícola comum [2], no qual o princípio dos vinte e quatro meses fora introduzido pelo Regulamento (CE) nº 1287/95 do Conselho [3], de 22 de Maio de 1995.

[2] JO L 94 de 28.4.1970, p. 13.

[3] JO L 125 de 8.6.1995, p. 1.

O princípio segundo o qual as correcções financeiras decididas no âmbito do apuramento de contas não podem ter efeitos retroactivos além de um certo período anterior à comunicação do resultado das verificações (excepto as consequências financeiras dos casos de irregularidade na acepção do nº 2 do artigo 8º do Regulamento (CE) nº 1258/1999, e das ajudas nacionais ou das infracções relativamente às quais tenham sido desencadeados os procedimentos previstos nos artigos 88º e 226º do Tratado) tem origem no relatório, de 25 de Janeiro de 1993, do grupo de trabalho sobre a reforma do apuramento de contas do FEOGA-Garantia, instituído pela Comissão (relatório BELLE).

O relatório em questão preconizava que a Comissão só deveria poder fazer incidir as correcções financeiras decorrentes das suas verificações sobre um número limitado de exercícios e propunha que a possibilidade de produção de efeitos retroactivos das correcções ficasse limitada ao máximo de dois exercícios, isto é, aos dois exercícios concluídos imediatamente antes da data de comunicação. O relatório indicava ainda que, em termos de segurança jurídica e financeira, a referida disposição constituía um progresso substancial em relação à situação de facto à época, a qual, em virtude das disjunções e reservas, podia dar azo a que um inquérito da Comissão levasse à acumulação, ao fim de alguns anos, de correcções com incidência sobre um grande número de exercícios.

Na sua proposta de regulamento do Conselho [4] de alteração do Regulamento (CEE) nº 729/70, que introduziu a reforma do apuramento de contas, a Comissão propusera renunciar à correcção de despesas efectuadas em data anterior aos dois exercícios anteriores à comunicação - o que podia representar, no máximo, um período de 36 meses. Todavia, o Conselho decidiu, em relação a este ponto, não seguir exactamente a recomendação do relatório BELLE e limitar aos 24 meses anteriores à comunicação o período da possibilidade de incidência de correcções, em lugar de dois exercícios financeiros.

[4] JO C 284 de 12.10.1994, p. 5.

Posteriormente, o Parlamento Europeu, no seu relatório sobre a quitação orçamental de 1999, convidou a Comissão a alargar para 36 meses o período de apuramento - actualmente de 24 meses - durante o qual podem ser efectuadas recuperações financeiras.

A experiência adquirida indica que, se o princípio de uma limitação da retroactividade das correcções se mantém válido enquanto elemento constitutivo da reforma de 1995, não deve ser esquecido que a aplicação dessa limitação coloca um problema de protecção dos interesses financeiros da União Europeia, pois conduz a Comissão à situação não-satisfatória de não poder recuperar somas gastas de modo não-conforme - representando, portanto, um prejuízo financeiro para o orçamento comunitário.

É, pois, objectivo legítimo procurar que essa limitação se aplique de um modo que tenha melhor em conta os interesses financeiros da União Europeia, o que pode ser conseguido de duas maneiras. A primeira, é o recurso acrescido a missões preventivas, cujo objectivo é, quando da implantação de um regime novo ou de uma alteração substancial de um regime, identificar as eventuais insuficiências, se possível antes das primeiras despesas. A Comissão já se esforça nesse sentido, mas esta via está muito dependente dos recursos humanos disponíveis nos serviços para o trabalho de apuramento. A segunda maneira, objecto da presente proposta de regulamento, consiste em dilatar o período de referência, o que permitirá reduzir os montantes de despesas não-conformes que acabam por ficar a cargo do orçamento comunitário.

Consequentemente, é proposto o alargamento para 36 meses do período máximo entre o início da aplicação da correcção financeira e a data da comunicação ao Estado-Membro do resultado das verificações, prevista no nº 4, segundo parágrafo, do artigo 7º do Regulamento (CE) nº 1258/1999.

2002/0125(CNS)

Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) nº 1258/1999 relativo ao financiamento da política agrícola comum

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o seu artigo 37º,

Tendo em conta a proposta do Comissão [5],

[5] JO C ... de ..., p. ...

Tendo em conta o parecer do Parlamento Europeu [6],

[6] JO C ... de ..., p. ...

Tendo em conta o parecer do Tribunal de Contas [7],

[7] JO C ... de ..., p. ...

Tendo em conta o parecer do Comité Económico e Social [8],

[8] JO C ... de ..., p. ...

Considerando o seguinte:

(1) O nº 4 do artigo 7º do Regulamento (CE) n° 1258/1999 do Conselho, de 17 de Maio de 1999, relativo ao financiamento da política agrícola comum [9] estabelece que não pode ser decidida uma recusa de financiamento das despesas referidas no artigo 2º do mesmo efectuadas mais de 24 meses antes de a Comissão comunicar por escrito ao Estado-Membro em causa os resultados das verificações em conformidade com o segundo parágrafo desse número e artigo. No caso das despesas relativas às acções referidas no artigo 3º do referido regulamento, não pode ser recusado o financiamento de despesas cujo pagamento final tenha sido efectuado mais de 24 meses antes de a Comissão ter comunicado por escrito ao Estado-Membro em causa os resultados das verificações.

[9] JO L 160 de 26.6.1999, p. 103.

(2) Em função da experiência adquirida, e tendo em vista uma protecção acrescida dos interesses financeiros da Comunidade, afigura-se conveniente elevar para trinta e seis meses o referido período de vinte e quatro meses.

(3) Há que alterar o Regulamento (CE) nº 1258/1999 em conformidade,

ADOPTOU O PRESENTE REGULAMENTO:

Artigo 1º

No nº 4, alíneas a) e b) do quinto parágrafo do artigo 7º do Regulamento (CE) nº 1258/1999, "24 meses" é substituído por "36 meses".

Artigo 2º

O presente regulamento entra em vigor no sétimo dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial das Comunidades Europeias.

O presente regulamento é aplicável às despesas cuja comunicação por escrito, pela Comissão ao Estado-Membro, do resultado das verificações seja posterior à data de entrada em vigor do mesmo, com exclusão das despesas efectuadas mais de 24 meses antes da data de entrada em vigor do regulamento.

O presente regulamento é obrigatório em todos os seus elementos e directamente aplicável em todos os Estados-Membros.

Feito em Bruxelas, em

Pelo Conselho

O Presidente

>POSIÇÃO NUMA TABELA>

Top