Help Print this page 
Title and reference
2003/307/CE: Decisão da Comissão, de 2 de Maio de 2003, que prevê a comercialização temporária de determinadas sementes das espécies Lupinus angustifolius e Linum usitatissimum que não satisfazem, respectivamente, os requisitos das Directivas 66/401/CEE e 2002/57/CE do Conselho (Texto relevante para efeitos do EEE) [notificada com o número C(2003) 1414]

OJ L 113, 7.5.2003, p. 5–7 (ES, DA, DE, EL, EN, FR, IT, NL, PT, FI, SV)
Languages, formats and link to OJ
BG ES CS DA DE ET EL EN FR GA HR IT LV LT HU MT NL PL PT RO SK SL FI SV
HTML html ES html DA html DE html EL html EN html FR html IT html NL html PT html FI html SV
PDF pdf ES pdf DA pdf DE pdf EL pdf EN pdf FR pdf IT pdf NL pdf PT pdf FI pdf SV
Official Journal Display Official Journal Display Official Journal Display Official Journal Display Official Journal Display Official Journal Display Official Journal Display Official Journal Display Official Journal Display Official Journal Display Official Journal Display Official Journal
Multilingual display
Text

32003D0307

2003/307/CE: Decisão da Comissão, de 2 de Maio de 2003, que prevê a comercialização temporária de determinadas sementes das espécies Lupinus angustifolius e Linum usitatissimum que não satisfazem, respectivamente, os requisitos das Directivas 66/401/CEE e 2002/57/CE do Conselho (Texto relevante para efeitos do EEE) [notificada com o número C(2003) 1414]

Jornal Oficial nº L 113 de 07/05/2003 p. 0005 - 0007


Decisão da Comissão

de 2 de Maio de 2003

que prevê a comercialização temporária de determinadas sementes das espécies Lupinus angustifolius e Linum usitatissimum que não satisfazem, respectivamente, os requisitos das Directivas 66/401/CEE e 2002/57/CE do Conselho

[notificada com o número C(2003) 1414]

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(2003/307/CE)

A COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia,

Tendo em conta a Directiva 66/401/CEE do Conselho, de 14 de Junho de 1966, relativa à comercialização de sementes de plantas forrageiras(1), com a última redacção que lhe foi dada pela Directiva 2001/64/CE(2), e, nomeadamente, o seu artigo 17.o,

Tendo em conta a Directiva 2002/57/CE do Conselho, de 13 de Junho de 2002, relativa à comercialização de sementes de plantas oleaginosas e de fibras(3), com a última redacção que lhe foi dada pela Directiva 2002/68/CE(4), e, nomeadamente, o seu artigo 21.o,

Considerando o seguinte:

(1) No Reino Unido, a quantidade disponível de sementes de variedades de tremoço azul (Lupinus angustifolius) adaptadas às condições climáticas locais e que satisfazem os requisitos da Directiva 66/401/CEE no respeitante à capacidade germinativa é insuficiente e não permite, pois, satisfazer as necessidades desse Estado-Membro.

(2) Não é possível fazer face, de modo satisfatório, à procura de sementes dessa espécie com sementes de outros Estados-Membros ou de países terceiros que obedeçam a todos os requisitos da Directiva 66/401/CEE.

(3) O Reino Unido deve, por conseguinte, ser autorizado a permitir, por um período que termina em 30 de Junho de 2003, a comercialização de sementes dessa espécie sujeitas a requisitos menos rigorosos.

(4) Na Finlândia, a quantidade disponível de variedades de sementes de linho (Linum usitatissimum) adaptadas às condições climáticas locais e que satisfazem os requisitos da Directiva 2002/57/CE no respeitante à capacidade germinativa é insuficiente e não permite, pois, satisfazer as necessidades desse Estado-Membro.

(5) Não é possível fazer face, de modo satisfatório, à procura de sementes dessa espécie com sementes de outros Estados-Membros ou de países terceiros que obedeçam a todos os requisitos da Directiva 2002/57/CE.

(6) A Finlândia deve, por conseguinte, ser autorizada a permitir, por um período que termina em 30 de Junho de 2003, a comercialização de sementes dessa espécie sujeitas a requisitos menos rigorosos.

(7) Além disso, os outros Estados-Membros, que possam fornecer sementes dessas espécies ao Reino Unido ou à Finlândia, devem ser autorizados a permitir a comercialização das mesmas.

(8) O Reino Unido deve desempenhar o papel de coordenador, com o objectivo de assegurar que a quantidade total de sementes de Lupinus angustifolius, autorizada nos termos da presente decisão, não exceda a quantidade máxima abrangida pela presente decisão.

(9) A Finlândia deve desempenhar o papel de coordenador, com o objectivo de assegurar que a quantidade total de sementes de Linum usitatissimum, autorizada nos termos da presente decisão, não exceda a quantidade máxima abrangida pela presente decisão.

(10) As medidas previstas na presente decisão estão em conformidade com o parecer do Comité Permanente das Sementes e Propágulos Agrícolas, Hortícolas e Florestais,

ADOPTOU A PRESENTE DECISÃO:

Artigo 1.o

É autorizada a comercialização na Comunidade de sementes de tremoço azul (Lupinus angustifolius) que não satisfazem os requisitos mínimos relativos à capacidade germinativa estabelecidos na Directiva 66/401/CEE, por um período que termina em 30 de Junho de 2003, nos termos definidos no anexo da presente decisão e na observância das seguintes condições:

a) A capacidade germinativa deve ser, pelo menos, de 60 % de sementes puras;

b) A etiqueta oficial deve mencionar a germinação determinada no exame oficial efectuado nos termos do n.o 1, alínea d) da parte Ca, do artigo 2.o e do n.o 1, alínea d) da parte Cb, do artigo 2.o da Directiva 66/401/CEE;

c) As sementes devem ter sido primeiramente colocadas no mercado em conformidade com o artigo 3.o da presente decisão.

Artigo 2.o

É autorizada a comercialização na Comunidade de sementes de linho (Linum usitatissimum) que não satisfazem os requisitos mínimos relativos à capacidade germinativa estabelecidos na Directiva 2002/57/CE, por um período que termina em 30 de Junho de 2003, nos termos definidos no anexo da presente decisão e na observância das seguintes condições:

a) A capacidade germinativa deve ser, pelo menos, de 70 % de sementes puras;

b) A etiqueta oficial deve mencionar a germinação determinada no exame oficial efectuado nos termos do n.o 1, alíneas e)iv) e f)iv), do artigo 2.o da Directiva 2002/57/CE;

c) As sementes devem ter sido primeiramente colocadas no mercado em conformidade com o artigo 3.o da presente decisão.

Artigo 3.o

Os fornecedores de sementes que pretendam colocar no mercado as sementes referidas nos artigos 1.o e 2.o apresentarão um pedido de autorização no Estado-Membro em que estão estabelecidos.

O Estado-Membro em questão autorizará os fornecedores a colocar essas sementes no mercado, a não ser que:

a) Existam elementos suficientes para duvidar de que o fornecedor seja capaz de colocar no mercado a quantidade de sementes para as quais pediu autorização; ou

b) A quantidade total autorizada a ser comercializada nos termos da derrogação em causa leve à superação da quantidade máxima especificada no anexo.

Artigo 4.o

Para efeitos da aplicação da presente decisão, os Estados-Membros prestar-se-ão assistência administrativa mútua.

O Reino Unido desempenhará o papel de Estado-Membro coordenador no respeitante ao artigo 1.o e a Finlândia no respeitante ao artigo 2.o, a fim de assegurar que a quantidade total autorizada não exceda as quantidades máximas especificadas no anexo.

Os Estados-Membros que recebam um pedido nos termos do artigo 3.o notificarão imediatamente o Estado-Membro coordenador da quantidade a que o pedido diz respeito. O Estado-Membro coordenador comunicará imediatamente ao Estado-Membro que efectuou a notificação se a autorização pode ter como resultado a superação da quantidade máxima.

Artigo 5.o

Os Estados-Membros notificarão imediatamente a Comissão e os outros Estados-Membros das quantidades relativamente às quais concederam uma autorização de comercialização ao abrigo da presente decisão.

Artigo 6.o

Os Estados-Membros são os destinatários da presente decisão.

Feito em Bruxelas, em 2 de Maio de 2003.

Pela Comissão

David Byrne

Membro da Comissão

(1) JO 125 de 11.7.1966, p. 2298/66.

(2) JO L 234 de 1.9.2001, p. 60.

(3) JO L 193 de 20.7.2002, p. 74.

(4) JO L 195 de 24.7.2002, p. 32.

ANEXO

>POSIÇÃO NUMA TABELA>

Top